Aproveite esta promoção, nova Torah 2014.

Imuno-hai

Home / Acervo / Nossos estudos / Mostrar items por tag: Bíblia
A+ R A-
Mostrar items por tag: Bíblia

As Adulterações da Bíblia

Seg, 29 de Agosto de 2011 22:21

Mateus 26:17 E, no primeiro [dia da festa] dos pães ázimos, chegaram os discípulos junto de Jesus, dizendo: Aonde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?

- 17 -

18 E ele disse: Ide à cidade a [um] certo homem e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está perto; em tua casa celebrarei <farei> a Páscoa (pessach) com os meus discípulos.

19 E os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara <mandara> e prepararam a Páscoa.

20 E, chegada a tarde, assentou-se à [mesa] com os doze.

João 13:1 Ora, antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que [já] era chegada a sua hora de passar deste mundo para o pai, como havia amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim.

29 porque, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus lhe tinha dito: Compra o que nos é necessário para a festa ou que desse alguma coisa aos pobres.

João 19:14 E era a preparação da Páscoa e quase à hora sexta; e disse aos judeus: Eis aqui o vosso rei.

15 Mas eles bradaram: Tira, tira, crucifica-o. Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso rei? Responderam os principais dos sacerdotes: Não temos rei, senão César.

Comentário: A festa de pesseach é comemorada no 15º dia do primeiro mês. O primeiro dia é chamado de Pães Ázimos, onde todo o fermento era removido dos lares durante sete dias, a contar do 15º dia do primeiro mês. O cordeiro era morto um dia antes, que era o dia 14º do primeiro mês e representava o Mashiach. Uma pergunta!! como o Mashiach morreria no dia 14, e comeria com os discípulos o Kidush de peseach no dia 15, se Ele mesmo disse que ressuscitaria ao terceiro dia. João 19:14 E era a preparação da Pesseach e quase à hora sexta; e disse aos judeus: Eis aqui o vosso rei. Perceba, que neste texto o tradutor está em plena harmonia com o mandamento da Torah. Agora observe Mateus 26:17 E, no primeiro [dia da festa] dos pães Ázimos, chegaram os discípulos junto de Yeshua, dizendo: Aonde queres que façamos os preparativos para comer a Pesseach?

Que contradição! Se o dia dos pães azimos é exatamente o dia 15 do primeiro mês, conforme Êxodo 12, e o cordeiro(Yeshua) morria um dia antes que é o dia 14, exatamente o dia que Ele foi morto, e próprio texto de João 19:14 confirma este fato, veja “ E era a preparação da Pesseach e quase à hora sexta; e disse aos judeus: Eis aqui o vosso rei.”

Outra Contradição:

Números 25:9 E os que morreram daquela praga foram vinte e quatro mil.

1 Coríntios 10:8 E não forniquemos, como alguns deles fornicaram, e caíram num dia vinte e três mil. (sem comentário)

Contradição:

1 Reis 16:23 No ano trinta e um de Asa, rei de Judá, Onri começou a reinar sobre Israel, [e reinou] doze anos: e em Tirzá reinou seis anos.

1 Reis 16:29 E Acabe, filho de Onri, começou a reinar sobre Israel no ano trigésimo-oitavo de Asa, rei de Judá: e reinou Acabe, filho de Onri, sobre Israel em Samaria, vinte e dois anos.

2 Crônicas 16:13 E Asa dormiu com seus pais; e morreu no ano quarenta e um do seu reinado.

2 Crônicas 17:1 E JOSAFÁ seu filho reinou em seu lugar: e fortificou-se contra Israel.

2 Crônicas 18:1 TINHA pois Josafá riquezas e glória em abundância: e aparentou-se com Acabe.

2 E ao cabo de [alguns] anos foi ter com Acabe em Samaria: e Acabe matou ovelhas e bois em abundância, para ele e para o povo que [vinha] com ele: e o persuadiu a subir [com ele a] Ramote-Gileade.

Comentário: Como poderia acabe reinar no ano 38 de ASA, sendo que seu Pai Onri, começou a reinar no ano 31 de ASA e reinou doze anos, 31+12=43. Acaso reinou acabe 5 anos antes da morte de seu Pai? Porque no texto acima ele começou a reinar no ano trigésimo oitavo de ASA, uma contradição. Asa morreu no ano 41 do seu reinado e o seu filho Josafá reinou em seu lugar,

- 18 -

portanto, Acabe começou a reinar no segundo ano de Josafá e não no 38º de Asa.(erro da Septuaginta).

Contradição: Sermäo do Monte MT 5: 1-em diante Diz que foi no Monte

Em Lucas 6:17-20 Em um lugar plano

SEM COMENTARIOS

Contradiçäo:

Mateus 26:26 Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, e, e havendo dado graças, <abençoando> o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.

27 E, tomando o copo e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos.

Marcos 14:22 E, comendo eles, tomou Jesus pão, e, abençoando-o, o partiu, e deu-lh[o], e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.

23 E, tomando o copo e dando graças, deu-lh[o]; e todos beberam dele.

Lucas 22:17 E, tomando o copo e havendo dado graças, disse: Tomai-o e reparti [-o] entre vós,

18 porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o Reino de Deus.

19 E, tomando o pão e havendo dado graças, partiu [-o] e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.

Comentário: Nestes textos a ordem do pão e do vinho é invertido.

Contradição:

Lucas 3:36 [e Salá], de Cainã, [e Cainã], de Arfaxade, [e Arfaxade], de Sem, [e Sem], de Noé, [e Noé], de Lameque,

Gênesis 10:24 E Arpachade gerou a Selá; e Selá gerou a Éber.

Comentário: A genealogia de Lucas além de acrescentar Caínã, também difere da de Gênesis.

Contradição:

1 Coríntios 15:4 e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras,

5 e que foi visto por Cefas e depois pelos doze.

Comentário: Depois fala que Yeshua foi visto pelos doze! Que doze? Se Judas havia morrido!

Contradição:

Números 11:18 E dirás ao povo: Santificai-vos para amanhã, e comereis carne: porquanto chorastes aos ouvidos do SENHOR, dizendo: Quem nos dará carne a comer, pois bem nos ia no Egito? Pelo que o SENHOR vos dará carne, e comereis:

19 Não comereis um dia, nem dois dias, nem cinco dias, nem dez dias, nem vinte dias:

20 Mas um mês inteiro, até vos sair pelos narizes, até que vos enfastieis dela porquanto rejeitastes ao SENHOR, que [está] no meio de vós, e chorastes diante dele dizendo: Por que saímos do Egito?

Números 11:31 Então soprou um vento do SENHOR, e trouxe codornizes do mar, e as espalhou pelo arraial quase caminho dum dia duma banda, e quase caminho dum dia da outra banda, à roda do arraial, e a quase dois côvados sobre a terra.

32 Então o povo se levantou todo aquele dia e toda aquela noite, e todo o dia seguinte, e colheram as codornizes; o que menos tinha, colhera dez ômeres; e as estenderam para si ao redor do arraial.

- 19 -

33 Quando a carne [estava] entre os seus dentes, antes que fosse mastigada, se acendeu a ira do SENHOR contra o povo, e feriu o SENHOR o povo com uma praga muito grande.

Números 23:19 Deus não [é] homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa: [porventura] diria [ele], e não [o] faria? ou falaria, e não o confirmaria?

Comentário: Aqui podemos ver uma mudança de palavra e também uma falta de fidelidade com o que se diz: pois o povo deveria comer carne o mês inteiro, mas antes mesmo do 1ºdia foram mortos. Como se Adonay não cumprisse o que diz. Erro da Septuaginta e não do Eterno!

Contradição:

Mateus 23:35 para que venha <caia> sobre vós todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, o qual matastes entre o santuário <templo> e o altar.

2 Crônicas 24:20 E o Espírito de Deus revestiu a Zacarias, filho do sacerdote Joiada, o qual se pôs em pé acima do povo, e lhes disse: Assim diz Deus: por que transgredís os mandamentos do SENHOR? portanto não prosperareis; porque deixastes ao SENHOR, também ele vos deixará.

21 E eles conspiraram contra ele, e apedrejaram com pedras, por mandado do rei, no pátio da casa do SENHOR.

22 Assim o rei Joás não se lembrou da beneficência que seu pai Joiada lhe fizera, porém, matou-lhe o filho, o qual, morrendo, disse: O SENHOR o verá, e o requererá.

Comentário: O texto de Mateus diz; que Z’karyahu é filho de Barraquias, só que o texto de Crônicas diz; que o pai de Z’karyahu é Yoiada.

2 Samuel 8:4 E tomou-lhe Davi mil e seiscentos cavaleiros e vinte mil homens de pé: e Davi jarretou a todos os [cavalos dos] carros, e reservou deles cem carros.

1 Crônicas 18:4 E Davi lhe tomou mil cavalos de carros, e sete mil cavaleiros, e vinte mil homens de pé: e Davi jarretou todos os [cavalos dos] carros; porém reservou deles cem cavalos.

Comentário; 1600 cavalheiros + 20.000 homens a pé + 100 carros. Ou seria? 7.000 cavalheiros + 1000 cavalos de carro + 20.000 homens de pé + 100 cavalos. ( que confusão é esta aí).

Mateus 28:1 E, na véspera dos sábados, que esclarece para o primeiro dos sábados, <E, no fim do sábado, quando já despontava o primeiro [dia] da semana,> Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro.

Marcos 16:1 E, passado o sábado, Maria Madalena, e Maria, [mãe] de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem ungi-lo.

2 E, no primeiro dia da semana, <E, logo de madrugada, o primeiro dos sábados,> foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol,

3 e diziam umas às outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?

Lucas 24:1 E, no primeiro [dia] da semana, <no primeiro dos sábados,> muito <mui> de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado e algumas outras com elas.

Lucas 24:9 E, voltando do sepulcro, anunciaram todas estas coisas aos onze e a todos os demais.

10 E eram Maria Madalena, e Joana, e Maria, [mãe] de Tiago, e as outras [que] com elas [estavam] as que diziam estas [coisas] aos apóstolos.

João 20:1 E, no primeiro [dia] da semana, <no primeiro dos sábados,> Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro.

Comentário: Uma, duas ou três, afinal quantas foram ao sepulcro? Pelos nomes dá quatro e pelos os relatos varias mulheres.

Esdras 2:64 Toda esta congregação junta [foi de] quarenta e dois mil trezentos [e] sessenta!!!

Comentário: Aqui do verso 1 ao 63, se somados dá 29.818, só que o verso 64 dá a soma de 42.360. que diferença hein!

- 20 -

Mateus 20:20 Então, se chegou a ele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando[-o] e fazendo-lhe um pedido.

21 E ele disse-lhe: Que queres? Ela respondeu: Dizendo: que estes meus dois filhos se assentem um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu Reino.

Marcos 10:35 E aproximaram-se dele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo: Mestre, quereríamos que nos fizesses o que pedirmos.

36 E ele lhes disse: Que quereis que vos faça?

37 E eles lhe disseram: Concede-nos que, na tua glória(kvod), nos assentemos, um à tua direita, e outro à tua esquerda.

Comentário: Afinal quem fez o pedido ao mestre? A mãe ou os próprios filhos.

2 Crônicas 28:5 Pelo que o SENHOR seu Deus o entregou na mão do rei dos siros, os quais o feriram, e levaram dele em cativeiro uma grande multidão de presos, que trouxeram a Damasco: também foi entregue na mão do rei de Israel, o qual o feriu de grande ferida.

6 Porque Peca, filho de Remalias, matou num dia em Judá cento e vinte mil, todos homens belicosos; porquanto deixaram ao SENHOR, Deus de seus pais.

2 Reis 16:5 Então subiu Resim, rei da Síria, com Peca, filho de Remalias, rei de Israel, a Jerusalém, à peleja; e cercaram a Acaz, porém não o puderam vencer.

Comentário; venceram ou não venceram Acaz, eis a questão...

Contradição:

Marcos 2:25 Mas ele disse-lhes: Nunca lestes o que fez Davi, quando estava em necessidade e teve fome, ele e os que com ele [estavam]?

26 Como entrou na casa de Deus, no tempo de Abiatar, sumo sacerdote, e comeu os pães da proposição, dos quais não era lícito comer senão aos sacerdotes, dando também aos que com ele estavam?

1 Samuel 21:2 E disse Davi ao sacerdote Aquimeleque: O rei me encomendou [um] negócio, e me disse: Ninguém saiba deste negócio, pelo qual eu te enviei, e o qual te ordenei: quanto aos mancebos, apontei-lhes tal e tal lugar.

3 Agora, pois, que tens à mão? dá-me cinco pães na minha mão, ou o que se achar.

4 E, respondendo o sacerdote a Davi, disse: Não tenho pão comum à mão; há porém pão sagrado, se ao menos os mancebos se abstiveram das mulheres.

Comentário: Qual era o nome do Sacerdote Avyatar ou Aymelek. Eis a questão.

Mateus 27:3 Então, Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta [moedas] <peças> de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos,

Mateus 27:5 E ele, atirando para o templo as [moedas] de prata, retirou-se e foi-se enforcar

Mateus 27:6 E os príncipes dos sacerdotes, tomando as [moedas] de prata, disseram: Não é lícito metê-las no cofre das ofertas, porque são preço de sangue.

7 E, tendo deliberado em conselho, compraram com elas o campo dum oleiro, para sepulturarem os estrangeiros.

Atos dos Apóstolos 1:16 Varões irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o espírito santo predisse pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus;

17 porque foi contado conosco e alcançou sorte neste ministério.

18 Ora, este adquiriu um campo com o galardão da iniquidade e, precipitando-se, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram.

Comentário: quem comprou o campo? Judas ou os sacerdotes. Como judas morreu? Enforcado ou atirando-se de um penhasco.

Contradição:

- 21 -

1 Crônicas 21:24 E disse o rei Davi a Ornã: Não, antes pelo seu valor a quero comprar: porque não tomarei o que [é] teu, para o SENHOR; para que não ofereça holocausto sem custo.

25 E Davi deu a Ornã por aquele lugar o peso de seiscentos siclos de ouro

2 Samuel 24:24 Porém o rei disse a Araúna: Não, porém por certo preço to comprarei, porque não oferecerei ao SENHOR meu Deus holocaustos que me não custem nada. Assim Davi comprou a eira e os bois por cinquenta siclos de prata.

Comentário; Qual o nome do dono da terra Orna ou Araúna? E qual o valor da compra? 600 siclos de ouro ou 50 siclos de prata

CONTRADIÇÂO II Reis 24:8

Tinha Yohaquim dezoito anos de idade quando começou a reinar, e reinou três meses em Yerushalaim; e era o nome de sua mãe, Neusta, filha de Elnatã, de Yerushalaim.

II Crônicas 36: 9 Tinha Yohaquim a idade de oito anos, quando começou a reinar; e reinou três meses e dez dias em Yerushalaim; e fez o que era mau aos olhos do YE’RRUAהוהי

Sem comentários

Mateus 27:9 Então, se realizou o que dissera o profeta Jeremias: Tomaram as trinta [moedas] de prata, preço do que foi avaliado, <apreçado> que certos filhos de Israel avaliaram.

Zacarias 11:12 E eu disse-lhes: Se [parece] bem aos vossos olhos, dai-me o que me é devido, e, se não, deixai-o. E pesaram o meu salário, trinta [moedas] de prata.

13 O SENHOR pois me disse: Arroja isso ao oleiro, esse belo preço em que fui avaliado por eles. E tomei as trinta [moedas] de prata, e as arrojei ao oleiro na casa do SENHOR.

Comentário: Aqui a profecia de Zekaryahu é dita que fora de Yiemiahu.

1 Coríntios 15:3 Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras,

4 e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras,

5 e que foi visto por Cefas e depois pelos doze.

Comentário: Visto pelos 12, que 12? Se ainda não tinha sido feito a escolha sobre o substituto de Judas. Conforme ATOS.1:23-26.

Gênesis 46:27 E os filhos de José, que lhe nasceram no Egito, [eram] duas almas. Todas as almas da casa de Jacó, que vieram ao Egito, [foram] setenta.

Êxodo 1:5 Todas as almas, pois, que procederam da coxa de Jacó, foram setenta almas; José, porém, estava no Egito.

Deuteronômio 10:22 Com setenta almas teus pais desceram ao Egito; e agora o SENHOR teu Deus te pôs como as estrelas dos céus, em multidão.

Atos dos Apóstolos 7:14 E José mandou chamar a Jacó, seu pai, e a toda sua parentela, [que era de] setenta e cinco almas.

Comentário: Quantas almas foram? 70 ou 75, e o texto de atos diz; que Estevão estava cheio do espírito santo.

Gênesis 6:6 Então arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração.

7 E disse o SENHOR: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.

Números 23:19 Deus não [é] homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa: [porventura] diria [ele], e não [o] faria? ou falaria, e não o confirmaria?

- 22 -

1 Samuel 15:29 E também aquele que é a Força de Israel não mente nem se arrepende: porquanto não [é um] homem para que se arrependa.

Comentário: arrepender-se ou não arrepender-se, eis a questão!!! O Senhor não se arrepende!!!

1 Samuel 16:10 Assim fez passar Jessé a seus sete filhos diante de Samuel: porém Samuel disse a Jessé: O SENHOR não tem escolhido a estes.

11 Disse mais Samuel a Jessé: Acabaram-se os mancebos? E disse: Ainda falta o menor, e eis que apascenta as ovelhas. Disse pois Samuel a Jessé: Envia, e manda-o chamar, porquanto não nos assentaremos em roda da [mesa] até que ele venha aqui.

1 Crônicas 2:13 E Jessé gerou a Elia, seu primogênito, e Abinadabe, o segundo, e Siméia, o terceiro.

14 Natanael, o quarto, Radai, o quinto,

15 Ozém, o sexto, Davi, o sétimo.

Comentário: Quantos filhos teve Jessé? Oito(8) ou sete(7)

Mateus 27:43 confiou em Deus; livre-o agora, se bem lhe quer; <o ama;> porque [ele] disse: Eu sou o filho de Deus.

44 E o mesmo lhe lançaram também em rosto os salteadores <ladrões> que com ele estavam crucificados.

Marcos 15:32 O Cristo, o Rei de Israel, desça agora da cruz, para que o vejamos e acreditemos. Também os que com ele foram crucificados o injuriavam.

Lucas 23:39 E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo e a nós.

Comentário: Afinal foram os dois ou foram um, que escarneceram dEle.

Contradição:

Juízes 4:21 Então Jael, mulher de Héber, tomou uma estaca da tenda, e lançou mão do martelo, e foi-se mansamente a ele e lhe cravou a estaca na fronte, de sorte que penetrou na terra, [estando] ele, porém, num profundo sono, e muito cansado; e [assim] morreu.

Juízes 5:26 À estaca estendeu a sua mão [esquerda], e ao martelo dos trabalhadores a sua direita; e matou a Sísera, [e] rachou-lhe a cabeça, quando lhe pregou e atravessou as frontes.

27 Entre os seus pés se encurvou, caiu, ficou estirado; entre os seus pés se encurvou, caiu onde se encurvou ali ficou abatido.

Comentário: Um texto diz: que estava dormindo outro diz: que caiu ao chão

Êxodo 20:24 Um altar de terra me farás, e sobre ele sacrificarás os teus holocaustos, e as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas, e as tuas vacas: em todo o lugar, onde eu fizer celebrar a memória do meu nome, virei a ti, e te abençoarei.

Jeremias 7:22 Porque nunca falei a vossos pais, no dia em que vos tirei da terra do Egito, nem lhes ordenei cousa alguma acerca de holocaustos ou sacrifícios.

Comentário: primeiro vimos aqui um altar de terra e não de pedras e depois uma contradição acerca das ordenanças de holocaustos.

Números 22:20 Veio pois o Senhor a Balaão, de noite, e disse-lhe: Se aqueles homens te vieram chamar, levanta-te, vai com eles; todavia, farás o que eu te disser.

21 Então Balaão levantou-se pela manhã, e albardou a sua jumenta, e foi-se com os príncipes de Moabe.

22 E a ira de Deus acendeu-se, porque ele se ia: e o anjo do SENHOR pôs-se-lhe no caminho por adversário: e ele ia caminhando, montado na sua jumenta, e dois de seus moços com ele.

- 23 -

23 Viu pois a jumenta o anjo do SENHOR, que estava no caminho, com a sua espada desembainhada na mão; pelo que desviou-se a jumenta do caminho e foi-se pelo campo: então Balaão espancou a jumenta para fazê-la tornar ao caminho.

Comentário: sem comentários

1 Reis 16:6 E Baasa dormiu com seus pais, e foi sepultado em Tirzá: e Ela, seu filho, reinou em seu lugar.

7 Assim veio também a palavra do SENHOR, pelo ministério do profeta Jeú, filho de Hanani, contra Baasa e contra a sua casa; e [isso] por todo o mal que fizera aos olhos do SENHOR, irritando-o com a obra de suas mãos, para ser como a casa de Jeroboão; e por isso o ferira.

8 No ano vinte e seis de Asa, rei de Judá, Ela, filho de Baasa, começou a reinar em Tirzá sobre Israel: e [reinou] dois anos.

2 Crônicas 16:1 NO ano trigésimo-sexto do reinado de Asa, Baasa, rei de Israel, subiu contra Judá e edificou a Ramá, para ninguém deixar sair nem entrar a Asa, rei de Judá.

Comentário: Veja a ressurreição de Baasa, que morreu e o seu filho Ela reinou em seu lugar no ano 26 de asa, só que outro texto diz que Baasa começou a reinar no ano 36 de Assa

Baasa ressuscitou 10 anos depois para reinar novamente?

1 Reis 15:5 Porquanto Davi tinha feito o [que parecia] reto aos olhos do SENHOR, e não se tinha desviado de tudo o que lhe ordenara [em] todos os dias da sua vida, senão só no negócio de Urias, o heteu.

2 Samuel 24:10 E o coração doeu a Davi, depois de haver numerado o povo: e disse Davi ao SENHOR: Muito pequei [no] que fiz: porém agora, ó SENHOR, peço-te [que] traspasses a iniquidade do teu servo; porque tenho procedido mui loucamente.

Observão: presta atenção ao negrito.

Gálatas 5:6 Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude alguma, mas, sim, a fé que opera por caridade. <pelo amor.>

Romanos 3:1 Qual é, logo, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão?

2 Muita, em toda maneira, porque, primeiramente, as palavras de Deus lhe foram confiadas.

Sem comentários:

Gálatas 5:2 Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará.

3 E de novo protesto a todo homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei.

4 Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído.

Atos dos Apóstolos 16:1 E chegou a Derbe e Listra. E eis que estava ali [um] certo discípulo por nome Timóteo, filho de uma judia que era crente, mas de pai grego,

2 do qual davam [bom] testemunho os irmãos que estavam em Listra e em Icônio.

3 Paulo quis que este fosse com ele e, tomando-o, o circuncidou, por causa dos judeus que estavam naqueles lugares; porque todos sabiam que seu pai era grego.

Comentários: Se o texto em gálatas protesta que aquele que se deixa circuncindar está separado do Mashiach, porque Paulo circuncindou a Timoteo? Certamente foi Padre Paulo [os padres] e não o discípulo Shaul

Contradição:

Gênesis 2:1 ASSIM os céus, e a terra e todo o seu exército foram acabados.

2 E havendo Deus acabado no dia sétimo a sua obra, que tinha feito, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito.

- 24 -

Êxodo 20:11 Porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo que neles [há], e ao sétimo dia descansou: portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado, e o santificou.

Comentário: Quando o senhor acabou sua obra? No sétimo ou na viração do sexto dia.

Gênesis 2:9 E o SENHOR Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida: e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal.

Gênesis 2:16 E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente,

17 Mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

Gênesis 3:1 ORA a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: Foi assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?

2 E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos,

3 Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais.

Gênesis 3:22 Então disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, pois, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente:

Apocalipse 2:7 Quem tem ouvido, ouça o que o espírito diz às congregações: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida que está no meio do paraíso de Deus.

Comentário: Qual das arvores não se devia comer? A arvore que estava no meio do jardim ou a arvore do conhecimento dobem e do mal. Na verdade a arvore da vida [etz chaim] é a Torah viva espiritual, e a árvore do conhecimento do bem e do mal é a trasgressão da Torah, Quando a Torah foi dada no sinai ela já existia e sua forma oral ou espiritual se materializou em Davar [Palavra escrita] que é toda escritura inspirada por Elohim. Em 313 D.C constantino criou a sua própria bíblia, que era um símbolo da árvore proibida remanejada pelo o homem por inspiração de Satã.

Ezequiel 44:7 Porquanto chamastes estranhos, incircuncisos de coração e incircuncisos de carne, para estarem no meu santuário, para o profanarem em minha casa, quando ofereceis o meu pão, a gordura, e o sangue; e eles invalidaram o meu concerto, por causa de todas as vossas abominações.

Ezequiel 44:9 Assim diz o Senhor JEOVÁ: Nenhum estranho, incircunciso de coração ou incircunciso de carne, entrará no meu santuário, dentre os estranhos que [se acharem] no meio dos filhos de Israel.

Gálatas 5:2 Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará.

3 E de novo protesto a todo homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei.

4 Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído.

Lucas 2:21 E, quando os oito dias foram cumpridos para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.

Comentários: A circuncisão é uma ordenança da Torah, cujo não cumprimento é a trangressão da Torah, que é o pecado, Como podemos ver o próprio Yeshua foi circuncidado conforme a Torah NO OITAVO DIA. Como este texto elucida que a circuncisão uma vez praticada separados estamos do Mashiach, uma vez que a circuncisão é um mandamento de fé [Emunah, fé e obra]? Há uma grande contradição. Na verdade Shaul estava se referindo a Teichet nomosa, preceitos de homens que se caracteriza pelo legalismo talmúdico que mudava os conceitos e sentidos da circuncisão. Em outras palavras nunca Shaul como Yehudim falou ou escreveu tal coisa, mas sim os padres em suas traduções posteriores classificado assim como acréscimo, introduzido pelos os padres.

- 25 -

No livro “O poder Secreto” de Armindo de Abreu, editora Kranion, a partir da pg.300, são expressas claramente essas mudanças e acréscimos projetados pelo cristianismo, criando uma bíblia com uma roupagem pagã.

ARREPENDIMENTO?

Gênesis 6:6 Então arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração.

7 E disse o SENHOR: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.

Êxodo 32:12 Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da terra? Torna-te da ira do teu furor, e arrepende-te [deste] mal contra o teu povo.

Êxodo 32:14 Então o SENHOR arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo

Números 23:19 Deus não [é] homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa: [porventura] diria [ele], e não [o] faria? ou falaria, e não o confirmaria?

1 Samuel 15:29 E também aquele que é a Força de Israel não mente nem se arrepende: porquanto não [é um] homem para que se arrependa.

Jeremias 8:6 Eu escutei e ouvi: não falam o [que é] reto, ninguém há que se arrependa da sua maldade, dizendo: Que fiz eu? Cada um se desvia na sua carreira, como um cavalo que arremete com ímpeto na batalha.

Deuteronômio 32:36 Porque o SENHOR fará justiça ao seu povo, e se arrependerá pelos seus servos, quando vir que o seu poder se foi, e não há fechado nem desamparado.

2 Samuel 24:16 Estendendo pois o anjo a sua mão sobre Jerusalém, para a destruir, o SENHOR se arrependeu daquele mal; e disse ao anjo que fazia a destruição entre o povo: Basta, agora retira a tua mão. E o anjo do SENHOR estava junto à eira de Araúna jebuseu.

Jeremias 26:19 Mataram-no, [porventura], Ezequias, rei de Judá, e todo o Judá? Antes não temeu este ao SENHOR, e não implorou o favor do SENHOR? e o SENHOR se arrependeu do mal que falara contra eles: e nós fazemos [um] grande mal contra as nossas almas.

1 Crônicas 21:15 E o Senhor mandou [um] anjo a Jerusalém para a destruir; e, ao destruí-la [ele], o SENHOR [o] viu, e se arrependeu daquele mal, e disse ao anjo destruidor: Basta, agora retira a tua mão. E o anjo do SENHOR estava junto à eira de Ornã jebuseu.

Salmos 110:4 Jurou o SENHOR, e não se arrependerá: tu [és] um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque.

Hebreus 7:21 mas este, com juramento, por aquele que lhe disse: Jurou o Senhor, e não se arrependerá: Tu és Sacerdote eternamente segundo a ordem de Melquisedeque.);

Jeremias 4:28 Por isto lamentará a terra, [e] os céus em cima se enegrecerão; porquanto [assim o] disse, [assim o] propus, e não me arrependi nem me desviarei disso.

Jeremias 15:6 Tu me deixaste, diz o SENHOR, voltaste para trás; por isso estenderei a minha mão contra ti, e te destruirei; estou cansado de me arrepender.

Jeremias 18:8 Se a tal nação, contra a qual falar, se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que pensava fazer-lhe.

Jeremias 26:13 Agora, pois, melhorai os vossos caminhos e as vossas ações, e ouvi a voz do SENHOR vosso Deus, e arrepender-se-á o SENHOR do mal que falou contra vós.

Ezequiel 24:14 Eu, o SENHOR disse: Será assim, e [o] farei: não tornarei atrás, e não pouparei, nem me arrependerei; conforme os teus caminhos, e conforme os teus feitos, te julgarão, diz o Senhor JEOVÁ.

Joel 2:14 Quem sabe [se] se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, [em] oferta de manjar e libação para o SENHOR vosso Deus?

Jonas 3:10 E Deus viu as obras deles, como se converteram do seu mau caminho: e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez.

Jeremias 18:9 E no momento em que falar de uma gente e de um reino, para edificar e para plantar,

10 Se ela fizer o mal diante dos meus olhos, não dando ouvidos à minha voz, então me arrependerei do bem que tinha dito lhe faria.

- 26 -

CONTRADIÇÕES (CONTINUAÇÃO)

2 Samuel 24:1 E A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel: e incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá.

1 Crônicas 21:1 ENTÃO Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar a Israel.

Comentario: Gostaria de saber quem ordenou a Davi, Elohim ou Satã ? E outra, Elohim não incita a ninguém.

Hebreus 9:2 Porque o tabernáculo foi preparado, [a saber] o primeiro, em que estava o candeeiro,e a mesa, e os pães daproposição; ao chamam o Santuário.

3 Mas depois do segundo véu estava o tabernáculo que se chama o Lugar santíssimo,

4 que tinha um incensário de ouro, e a arca do concerto coberta por todas as bandas [ao redor] de ouro, em que estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Arão que reverdeceu, <tinha florescido> e as tábuas do concerto;

Comentário: Este texto diz; Que o incensário de ouro ficava dentro dos Santo dos santos, só que na verdade ficava fora. Junto com a Menorah, e a mesa onde se colocava os pães da proposição, o que neste caso teria que estar relacionado no verso 2 e não no verso 4. É bem verdade que o sacerdote entrava no Santo dos santos uma vez por ano com o incensário em suas mãos, mas o incesário ficava do lado de fora do véu e não dentro.

1 João 3:4 Qualquer que faz pecado, também faz a iniquidade; porque o pecado é a injustiça. <Faz também contra a Lei: O pecado é o que é contra a Lei.>

Apocalipse 20: 10 E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, aonde está a besta e mais o falso profeta; e dia e noite serão atormentados para todo o sempre.

13 E deu <tornou a dar> o mar os mortos que nele estavam; e a morte e o inferno <Gr. Hades: lugar debaixo na terra> deram <tornaram a dar> os mortos que neles estavam; e foi julgado cada um segundo [as] suas obras.

14 E o inferno <Gr. Hades: lugar debaixo na terra> e a morte foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.

15 E quem não foi achado escrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo.

COMENTARIO: não existe inferno, a palavra é SHEOL.

Se colocássemos todos os textos contraditórios, seriam mais de 52000 adulterações...!!!

Evangelhos apostólicos, foram escritos oitenta, Roma só permitiu quatro, que loucura...!!!

Ora vem Senhor YESHUA e toma o Teu Trono Eternamente, pois Santo e Justo és Tu Adonai “Ehiê Asher Iehiê” O Grande Serei o que Serei...

Contradição:Somente verificando o típico entendimento hebreu, no hebraico original do “Mattiyah Hebraico”. Para isso, corroboramos com algunas informaçóes históricas. Eusébio, um dos primeiros pais da fé, nos informa que o “Mattiya Hebraico” se conservava na Biblioteca de Cesaréia de Filipos, no seu tempo, ai, pelo começo do Século II. Um polémico tratado judaico, chamado EVEN BOHAN, em 1385E.C., do autor SHEM TOV BEN ISAAC BEN SHAPRUT, elaborado para defender o Judaísmo contra o Cristianismo, nos informa que usou 9 manuscritos hebraicos de Mattiyah e recopilou todas as suas traduçóes. Este “Mateus” é conhecido como o MATEUS DE SHEM TOV e está disponible na “Mercer University Press, em Macon, Georgia, ISBN 0-86554-470-0 e na “Century Publishers” de California. Pois bem, no MATEUS DE SHEM TOV, assim como comenta o erudito hebraista Moshe Yosef Koniuschovsky, o versículo 3 diz algo totalmente diferente em Hebraico: LAMAR AL KISEH MOSHE YOSHVEI HAPERUSHIM VEHACHOCHMIM. VEATAH, KOL ASHER YOMER LACHEM SHOMRU VEASSU. OVTACHNUTAHEM UMAASHEM AL TASU. SHHEM OMRIM VEHEM ANAM

- 27 -

OSIM (transiliteraçáo ao Inglés). A traduçáo literal no hebraico clássico (istó é, antes da Massoreta) seria: LAMAR AL KISEH MOSHE - a cátedra de Moisés; YOSHVEI HAPERUSHIM VEHACHOCHMIM - a cátedra dos fariseus e sábios; VEATAH, KOL ASHER YOMER LACHEM - fazei TODO OS QUE ELES LHES DIZEM; gardai e fazei; porém suas ordenanças e atos náo os façais; porque eles dizem que sáo de Moisés mas náo observam o que disse Moisés

Adulteraçöes e contradições:

Neste texto Shaul o talmidim, aconselha os gentios não quardar a torah:

25 Todavia, quanto aos que crêem dos goiym, já nós havemos escrito, e achado por bem, que tudo isso observem; e alem disso se guardem do que se sacrifica aos terafins, e do sangue, e do sufocado e da imoralidade sexual, isto é, não se envolvam com isso.

Atos 21:25

Outra adulteração: Isaias 23:12; 37:22, 47:1, 62:5

dificuldades nesta passagem. Conforme muitos observaram, a palavra hebraica traduzida por "virgem" neste versículo é "almah", que é traduzida de forma mais exata simplesmente como "jovem mulher". A palavra hebraica "bethulah" significa "virgem". No livro de Isaías, "bethulah" aparece quatro vezes (23:12, 37:22, 47:1, 62:5) sempre dando sentido de "jovem mulher", portanto o autor desse livro conhecia a palavra "almah" e seu significado. Na tradução da Bíblia New American Standard Translation, todas as outras ocorrências de "almah" são traduzidas simplesmente como "moça", "menina" ou "donzela" (a saber, Gênesis 24:43, Êxodo 2:8, Salmos 68:25, Provérbios 30:19, Cântico de Salomão 1:3, 6:8). Assim, o alegado cumprimento acrescenta uma condição biologicamente impossível que nem sequer está presente na profecia original.2

Sobre a crucificaçäo:

Existem vários versículos que são encarados como referindo-se à crucificação: Salmos 22:16, Zacarias 12:10, e Zacarias 13:6 são exemplos típicos. Salmos 22:16 diz: "Sou rodeado pelos cães; envolvido por um bando de malfeitores; trespassaram as minhas mãos e os meus pés". Este é um salmo de Davi que não dá indicação de ser profético e que se descreve a si mesmo sendo caçado e morto em vez de ser crucificado. Gerald Sigal (1981, p. 98) argumenta que a palavra hebraica traduzida aqui por "trespassaram" significa "leão", e portanto uma tradução mais exata seria "como um leão [eles estão a morder] as minhas mãos e os meus pés." [N. do T.: a tradução Missionários Capuchinhos (católica) diz, numa nota de rodapé: "O hebraico] diz: «como um leão, as minhas mãos e os meus pés». O targum explica: «eles morderam como um leão»."] Gleason Archer (1982, p. 37), contudo, argumenta que "eles trespassaram" está correto, baseado na tradução Septuaginta e noutras considerações.

Outro texto confuso:

Mateus (27:34) fala de terem dado a beber a Jesus "vinho misturado com fel" e Marcos (15:23) diz que lhe ofereceram "vinho misturado com mirra". Ambos os versículos são encarados como referências a Salmos 69:21, que diz "Por alimento servem-me veneno, por bebida contra a minha sede, dão-me vinagre." A palavra hebraica traduzida aqui por "veneno" é "rosh", que significa veneno ou fel, e refere-se a alguma planta venenosa. O versículo diz que veneno está sendo colocado na comida, o que não se aplica à crucificação. Mirra, que não é venenosa, é referida pela palavra hebraica "mor", que não aparece em Salmos 69:21. Este salmo, que fala repetidamente de águas de uma inundação, não dá qualquer indicação de ser profético nem de se aplicar a Jesus.

"Por que me abandonaste?"

... estava morrendo (Lucas 8:41-42)

...ou que já estava morta (Mateus 9:18)

dois cegos (Mateus 20:29, 30)

...ou curou apenas um cego (Marcos 10:46-47)

uma jumenta e um jumentinho para Jesus (Mateus21:2-7)

... mas era apenas um jumentinho, sem a mãe (Marcos 11:2-7)

escreveu

João (João 13:34) novo mandamento vos dou

mas os mesmo João diz depois que não há "novo mandamento" (1 João 2:7- 8; 2 João 5)

- 28 -

Mateus (20:20-21) jura que foi a mãe deles

Marcos (10:35-37) garante que foram os dois discípulos que fizeram o pedido pessoalmente

Jesus disse que João Batista era o prometido Profeta Elias que viria antes do Dia do Eterno (Mateus 11:12-14; 17:10-13)

João Batista, porém, desmente Jesus, ele diz: "Eu não sou Elias" (João 1:19-21).

Jesus, antes e depois de sua ressurreição, sabia de todas coisas...

(João 16:30; 21:17)

Mas não é bem assim, pois ele não sabe de tudo, nem antes e nem depois da ressurreição (Mateus 24:36; Atos 1:7)

10 - Jesus disse que os judeus o conheciam e sabiam de onde ele era... (João 7:28)

... mas, de repente Jesus se contradiz e afirma que judeus não o conheciam e não sabiam de onde ele viera (João 8:14, 19)

01 - Quantos descendentes (pessoas) de Yaakov (Jacó) foram ao Egito?

A Torá informa que foram setenta. (Gênesis 46:27; Êxodo 1:5; Deuteronômio 10:22)

Contradizendo a Torá o Novo Testamento diz que foram: 75 pessoas (Atos 7:14)

Onde Avraham (Abraão) comprou o túmulo para Sara ?

A Torá diz Chevron (Hébron), no Sul, e o vendedor foi Efrom, filho de Hete (Gênesis 23:7-20; 50:13)

Contradizendo a Tora o Novo Testamento diz que: Estêvão, cuja aparência "era como o rosto de um amigo" (Atos 7:15), que Abrahão havia comprado o túmulo, para sepultar Sarah, em Siquém, que ficava ao Norte.

03 - D’us mente?

A Santa Torá diz que não.D-us não mente. (Números 23:19). Contradizendo a Torá o Novo Testamento diz que: Mesmo concordando com isso (Tito 1:2), diz que Deus pessoalmente faz alguém acreditar na mentira, para ser destruído (2 Tessalonicenses 2:11, 12). O judaísmo, no entanto, ensina que o Eterno não tem prazer sequer na morte do ímpio, não induz o pecador ao erro (Ezequiel 18:23; Salmo 25:8).

04 - Os mandamentos do Eterno são um jugo insuportável ?

A Torá diz que não. ( Deuteronômio 30:11)

Contradizendo a Tora e a si mesmo o livro Novo Testamento diz que: Sim, é um jugo pesado os mandamentos da Tora.( Atos 15:5-10). Não, não são pesados diz outro trecho. (João 5:3) onde há uma retificação – os mandamentos de Deus não são pesados.

Contradições VI

Contradições nos escritos, palavras e condutas de um autor do Novo Testamento.

- Em 2 Timóteo 3:16 está dito: "Toda Escritura é inspirada por Deus..." ...no entanto, o apóstolo Paulo, que escreveu essas palavras, disse que também escreveu idéias pessoais, sem inspiração Divina (1 Coríntios 7:6, 12, 25, 40; 2 Coríntios 8:10; 11:17)

- Ninguém é justificado pela Lei, afirma Paulo (Gálatas 2:16; 3:11)... ...mas, revendo seu ponto de vista, ele afirma, pelo contrário, que as pessoas são justificadas pela obediência à Lei (Romanos 2:13), como consta em Torá - Devarim 6:25.

- Paulo sempre se postava contrário 'a salvação e 'a justificação pelas obras (Efésios 2:8, 9; Romanos 3:20; Gálatas 3:11)... ... mas deixou escapar esta declaração: "Deus recompensa a cada um segundo as suas obras" (Romanos 2:6). Não explicou, porém, como as obras não servem para a salvação, mas servem para o recebimento da recompensa.

- Quem fala pelo espírito santo não amaldiçoa a Jesus, escreveu Paulo (1 Coríntios 12:3)... ... mas o mesmo Paulo, dizendo que estava falando pelo espírito, diz que Jesus é maldito (Gálatas 3:13).

- Segundo Paulo, a circuncisão é proveitosa para todas as coisas (Romanos 3:1-2) e a pregava (Gálatas 5:11)...

- 29 -

... mas ainda segundo Paulo, a circuncisão não serve para nada (1 Coríntios 7:19; Gálatas 6:15) e, mesmo assim, circuncidou a Timóteo, "por causa dos judeus" Atos (16:3).

- Paulo disse que se procurasse agradar a homens, não agradaria a "Cristo" (Gálatas 1:10)... ...mas depois, Paulo disse que estava agradando a todos os homens, para salvá-los (1 Coríntios 10:33).

- Paulo disse que "todas as coisas são puras para os puros" (Tito 1:15)... ...mas Paulo esqueceu-se de dizer que há coisas impuras, que os puros não devem tocar, e corrigiu isso. (2 Coríntios 6:17).

- Paulo disse que Deus não rejeitou Seu Povo, os judeus (Romanos 11:1, 2)... ...mas, aborrecido com os judeus, porque não aceitaram suas apostasias, para crerem em outro deus (Torá - Devarim 13:6-11), escreveu que sobre os judeus veio a ira definitivamente, ou seja, foram rejeitados (1 Tessalonicenses 3:16).

- Paulo escreveu que a fé não acaba com a obrigação de obedecer os preceitos da Lei Divina (Romanos 3:31)... ... e que ele mesmo tinha prazer na Lei de Deus (Romanos 7:22), mas assegura que a Lei induz a pessoa a pecar! (Romanos 7:5-10).

- Paulo foi portador de uma carta dos apóstolos, da qual constava que era proibido os gentios comerem comida sacrificada a ídolos (Atos 15:22-29).... ...depois, desobedecendo a essa decisão, Paulo diz que os gentios poderiam comer coisas sacrificadas aos ídolos, pois os ídolos não valem nada. Nesse caso, apenas os gentios não deveriam indagar se a comida tinha sido sacrificada a ídolo, embora toda carne em Corinto fosse sacrificada aos deuses (1 Coríntios 8:4, 7-10; 10:25-30).

O espírito santo, segundo os missionários é uma pessoa Divina, que apareceu no batismo de Jesus em forma de ave, uma pomba (Mateus 1:16; João 1:32)... ... mas Paulo escreveu que a Divindade não pode ser transformada em algo semelhante a aves (Romanos 1:23).

- Paulo ensinava que as obras não salvam, só a fé (Éfesios 2:8, 9)... ... no entanto, Tiago o contesta, dizendo que a fé sem obras não salva e está morta (Tiago 2:14-26).

Paulo conhecia o Sumo Sacerdote, que lhe dera cartas de recomendação (Atos 9:1-2)... ... mais tarde, Paulo mente, ao dizer que não conhecia o Sumo Sacerdote, pois, pela sua posição social e religiosa, decerto o continuaria conhecendo, ainda que tivesse sido substituído (Atos 23:1-5).

- Paulo escreveu que a morte reinou desde Adão até Moshé... (Romanos 5:14). ... depois, porém, escreveu que a morte existirá, reinando, até ser destruída como último inimigo da Humanidade, no fim dos tempos (1 Coríntios 15:26); na visão de Paulo, quando de sua "conversão", os homens que estavam com ele "ouviram vozes" (Atos 9:7); mas, relatando o mesmo episódio, mais tarde, Paulo se contradiz, afirmando que os homens não ouviram a voz que lhe falara (Atos 22:9).

- A Torá nos assegura que morreram vinte e quatro mil hebreus desobedientes no pecado de prostituição (Números 25:9)... ...mas, Paulo, (que não estava lá) contradizendo a Torá, diz que foram vinte e três mil (1 Coríntios 10:8).

- Embora Judas, que era um dos "Doze" (Lucas 22:47), já tivesse morrido antes da morte de Jesus (Mateus 27:3-5)... ...Paulo diz que Jesus, ao ressuscitar, apareceu a ele e demais apóstolos, os "Doze" (1 Coríntios 15:5)

- Segundo Paulo, "comida não nos recomenda a Deus", porque... "nenhuma coisa é de si mesma impura" (1 Coríntios 8:8; Romanos 14;14). No entanto, esse não é o conceito do Criador que fixou limites na alimentação humana e animal (Gênesis 1:29, 30). Na Torá a alimentação é fator decisivo para nossa santificação (Levítico 11:1-47; 20:22-26). Portanto, ao desafiar a vontade Divina, Paulo ensina seus seguidores a transgredir a Lei de D-us.

- Embora Jesus tenha ensinado que o Satan é o 'pai da mentira' (João 8:44)... ... e mesmo tendo Paulo aconselhado o crente a "deixar a mentira e falar a verdade" (Éfesios 4:25), Paulo excedeu-se, nesse contexto, ao afirmar que se alegrava que "Jesus" estava sendo pregado, mesmo que, para isso, fossem usadas, indiscriminadamente, tanto a mentira quanto a verdade! (Filipenses 1:18).

- Uma das mais contraditórias miscelâneas teológicas de Paulo diz... ... respeito a quem se destinam as promessas Divinas feitas a Abrahão. Paulo afirma que "as promessas foram feitas a Abrahão e ao seu descendente. Não diz: E aos descendentes, como se falando de muitos, porém de um só: E ao teu descendente, que é Jesus" (Gálatas 3:16). Assim, nem Isaque recebeu a promessa. Depois Paulo se contradiz e declara que os gentios gálatas são "descendentes" de Abrahão e, assim, herdeiros da

- 30 -

promessa, porque, como Isaque, seriam filhos da promessa! (Gálatas 3:29). Posteriormente, disse que ele mesmo era da descendência de Abraão, juntamente com os demais hebreus! (2 Coríntios 11:22). A Torá, ao contrário, não fala de um descendente apenas, mas da descendência de Avraham, por todas as suas gerações, como incluídos na Aliança! (Gênesis 17:7-11; 26:3, 4; 28:13, 14). Na verdade, não é um descendente, porque a descendência de Avraham seria como as estrelas do céu e os grãos de areia! (Gênesis 13:15-17; 15:5; 22:17).

Paulo afirmou, categoricamente, que era "israelita, da tribo de Benjamin" (Romanos 11:1)...

...que era "hebreu" (2 Coríntios 11:22; Filipenses 3:5) ...e que era "judeu" (Atos 22:3).

No entanto, saiu com esta declaração: "Fiz-me judeu para os judeus, para ganhar os judeus" (1 Coríntios 9:20). Ora, ninguém, que já é judeu, 'faz-se judeu'.

Home - Contato - Conteúdo - Judeus.org

traduções modernas tendem a ter os homens sábios viram "sua estrela alçando." A palavra grega para ' leste' usada nestas duas passagens é , e realmente pode se referir ao leste ou para o alçamento de um corpo celeste. Mas também pode ser o nome de um lugar - Anatólia. Anatólia ou poderia significar a península inteira de Ásia Menor (a área chamada Turquia agora), ou uma província particular de Phrygia. Então parece que Mateus 2:1-2 deve de fato ler: Agora quando Jesus nasceu em Belém da Judéia nos dias de Herodes o rei, observe, lá vem os Magos de Anatólia para Jerusalém, Dizendo, Onde é que o Rei dos Judeus nasceu? Pois em Anatólia nós vimos sua estrela, e viemos adorá-lo. Esta visita palestina dos Magos poderia ter sido o catalisador que ativou vários grupos judeus - e talvez alguns grupos não judeus - a pensar que o messias que eles tinham estado esperando já tinha vindo e não tinha sido notado. Para que isto não pareça muito forçado, deveria ser notado que até mesmo em nossa própria época sofisticada notícias da "segunda vinda" de Cristo são de ocorrência regular. Não é irracional supor que em algum lugar agora mesmo, exista algum pequeno culto que acredita que Jesus já voltou à terra.[15]

Hebreus 8:8-13 do Novo Testamento, citando Jeremias, afirma que Deus trocou o Seu Pacto com os judeus por um "Novo Pacto", afirmando que, já que os judeus não mantiveram o "Velho Pacto", Deus "não se importava mais com eles". No entanto, o texto original em hebraico, de Jeremias 31:32 na Bíblia Judaica, não diz que Deus não se importava mais com eles, mas sim que Ele "continuou como um esposo para eles". Alguns cristãos interpretam a sua tradução para significar que Deus rompeu o Seu Pacto e rejeitou o Povo Judeu. Isto é completamente inconsistente com a assertiva bíblica de que os mandamentos são eternos (Salmos 119:151-152) e de que Deus prometeu jamais rejeitar ou romper o Seu Pacto* com os judeus (Juízes 2:1 e Levítico 26:44-45)

Mateus, afirma que Jesus era o Messias porque ele viveu na cidade de Nazareth. Veja a "prova textual" utilizada para provar este ponto de vista: "Ele (Jesus) chegou e residiu numa cidade chamada Nazareth, para que o que foi dito pelos profetas pudesse ser cumprido. Ele foi então chamado de O Nazareno" (Mateus 2:23) . Como Nazareno é alguém que reside na cidade de Nazareth e esta cidade não existia no tempo da Bíblia Judaica, é impossível encontrar esta citação nos textos hebraicos. Daí que é uma prova fabricada e vazia sem realidade

Em Romanos 11:26, a Bíblia Cristã cita Isaías 59:20 dizendo: "O libertador virá de Zion e removerá o paganismo de Jacob", desta maneira providenciando o Isaías 59:20 na verdade diz exatamente o contrário: "Um redentor irá até Zion e para aqueles que abandonarem as transgressões de Jacob, assim disse o Senhor".

Eis que a jovem mulher terá uma criança e ela o chamará pelo seu nome Emanuel".

- 31 -

Podemos apontar inúmeras incongruências na tradução cristã. Por exemplo:

1) a palavra Hebraica "almah - ", significa uma mulher jovem e não uma virgem, fato já reconhecido pelos estudiosos da Bíblia;*

2) O versículo diz "ha’almah - ", "a mulher jovem" e não uma mulher jovem, especificando que havia uma mulher em particular que era conhecida por Isaías durante o período em que vivia, e

3) o versículo diz "ela o chamará de Emanuel", e não eles o chamarão.

* Alguns missionários argumentam que numa tradução antiga da Bíblia chamada "Septuaginta", 70 grandes rabinos traduziram a palavra "almah - ", em Isaías 7:14 para "parthenos - e que esta palavra quer dizer virgem em grego. Esta afirmação é falsa por várias razões: 1) Os 70 rabinos não traduziram o livro de Isaías, mas apenas o "Pentateuco", os cinco livros de Moisés. Na verdade, a introdução da tradução da Septuaginta para o Inglês começa assim: "O Pentateuco parece ser o texto melhor executado enquanto que Isaías é o pior traduzido". 2) Em Gênesis 34:2-3 a palavra "parthenos" é usada como referência a não-virgens, a uma mulher jovem que tenha sido estuprada. 3) A Septuaginta não é citada pelos missionários a partir do original mas a partir de uma versão deturpada.

Ao contrário de muitas traduções erradas da bíblia, feita propositalmente para iludir a humanidade, a Torá não diz: “E escondeu-se por entre as árvores do jardim (gênesis 3:8)”. Mas sim: “E esconderam-se o homem e sua mulher da presença do Eterno dentro da árvore do jardim”.

ADULTERAÇÕES CONTRADITÓRIAS:

Romanos: 9:27 ................................. ...............................Romanos: 11:26

Lucas: 18:35 ......................................................................Mateus:20:29

Genesis: 7:2 ......................................................................Genesis: 7:15

Mateus: 17:1......................................................................Lucas: 9:28

Lucas: 23:54.......................................................................Marcos: 15:42

Joao: 20:20 ........................................................................Lucas: 24:41

Filipenses: 3:5....................................................................Atos: 22:28

Atos: 9:7............................................................................Atos: 22:9

Romanos: 3:28..................................................................Tiago: 2:14

Lucas: 22:12......................................................................Mateus: 26:18

Marcos: 5:23.....................................................................Mateus: 9:18

2 Cronicas: 36:9 ................................................................II Reis: 24:8

2 Cronicas: 13:2 ............................................................... IReis: 15:2

Mateus: 21:19...................................................................Marcos: 11:14

Lucas: 8:26 ........................................................................Mateus: 8:28

2 Samuel: 8:4.................................................................... ICrônicas: 18:4

1 Reis: 6:24 ...................................................................... IICrônicas: 3:11

2cronicas: 3:15 .................................................................IReis: 7:15

1Reis: 10:26 ......................................................................IICrônicas: 9:25

Joao: 20:14....................................................................... Marcos: 16:6

2Samuel: 5:14 .................................................................. ICrônicas: 3:5

2Samuel: 24:18 .................................................................ICrônicas: 21:18

2Reis: 15:7 ....................................................................... IICrônicas: 26:23

2Samuel: 5:4..................................................................... IReis: 2:11

Atos: 13:18 .......................................................................Números: 14:34

Genesis: 15:13 ..................................................................Exodo: 12:40

Atos: 7:6 ...........................................................................Galatas: 3:17

- 32 -

Mateus: 1:6 ......................................................................Lucas: 3:31

Mateus: 1:16 ................................................................... Lucas: 3:23

Lucas: 10:1 ...................................................................... Mateus: 10:1

João: 6:1 ..........................................................................Lucas: 9:10

João: 6:17........................................................................ Marcos: 6:45

Lucas: 11:14.....................................................................Mateus: 12:22

Marcos: 7:32....................................................................Mateus: 9:32

I Crônicas: 3:1.................................................................. II Samuel: 3:3

II Crônicas: 36:11 ............................................................ II Reis: 24:18

Genesis: 14:12................................................................. Genesis: 14:16

Marcos: 7:26 .................................................................. Mateus: 15:22

Êxodo: 12:18 ...................................................................Levítico: 23:6

Genesis: 19:24................................................................ Judas: 1:7

I Crônicas: 26:31 ............................................................ I Crônicas: 23:19

I Crônicas: 11:11 ............................................................ II Samuel: 23:8

II Samuel: 8:17 ............................................................... I Crônicas: 18:16

Mateus: 16:13 ............................................................... João: 1:44

II Crônicas: 14:1 ............................................................ II Crônicas: 15:19

I Reis: 22:52 .................................................................. II Crônicas: 22:2

I Reis: 5:13 .................................................................... II Crônicas: 2:17

I Reis: 5:16 .................................................................... II Crônicas: 2:18

II Crônicas: 7:10 ........................................................... I Reis: 8:66

I Corintios: 11:23 ......................................................... Mateus: 26:20-21

Êxodo: 12:15 ............................................................... Deuteronômio: 16:8

Mateus: 6:9 ................................................................ Lucas: 11:2

II Samuel: 24:9 ........................................................... I Crônicas: 21:5

Lucas: 3:36 ................................................................ Génesis: 10:24

Esdras: 2:1-63 ............................................................ Esdras: 2:64

II Crônicas: 28:5 ......................................................... II Reis: 16:5

I Reis: 15:5 ................................................................. II Samuel: 24:10

Mateus: 17:6 ............................................................. Lucas: 9:36

A BÍBLIA EM PORTUGUÊS

As primeiras traduções:

- 33 -

(a) A septuaginta. Como conseqüência dos setenta anos de cativeiro na Babilônia, e em virtude da forte influência do aramaico, a língua hebraica enfraqueceu-se. Todavia fiéis à tradição de preservar os oráculos em sua própria língua, os judeus não permitiam ainda fossem esses livros sagrados vertidos para outro idioma. Alguns séculos mais tarde, porém, essa atitude exclusivista e ortodoxa teria de dar lugar a um senso mais prático e liberal.com o estabelecimento do império de Alexandre o Grande, apartir de 331 a.C., a língua grega popularizou-se ao ponto de tornar imprescindível que para ela se fizesse uma tradução das sagradas escrituras. Segundo o escritor Aresteas, a tradução grega foi feita por 72 sábios judeus (daí o seu nome “septuaginta”), na cidade de Alexandria, apartir de 285 a.C; a pedido de Demétrio Falario, bibliotecário do Rei Ptolomeu Filadelfo. Concluída 39 anos mais tarde, essa versão assinalou o começo de uma grande obra que , além de preparar para o advento de Cristo deveria tornar conhecida de todos os povos a palavra de Deus. Na igreja primitiva, era essa a versão conhecida de todos os crentes. Essa versão de Aresteas é totalmente fictícia, ficou provado que verdadeiramente a septuaginta foi desenvolvida no ano 340 da era comum por Ordem de Constantino e não no período de Alexandre oGrande.

(b) A “Hexapla”. Nem todos os livros do antigo testamento, infelizmente, foram bem traduzidos n a “Septuaginta”, razão pela qual Orígenes, por volta de 228 d.C., compôs a Hexapla, ou versão de seis colunas, contendo a }Septuaginta e as três traduções gregas do antigo testamento efetuadas por Áquila do Ponto, Teodoro de Éfeso e Símaco de Samaria, feitas respectivamente em 130,160,218 d.C., além destas, constavam nas duas ultimas colunas o texto Hebraico e o mesmo texto em grego. Esta grandiosa obra, constituída de 50 volumes perdeu-se provavelmente quando os Sarracenos saquearam Cesaréia e 653 d.C.

(c) A vulgata. Em 382 d.C.,o bispo Damaso encarregou Jerônimo de traduzir da Septuaginta o livro dos Salmos e o novo testamento, o que ele fez em três anos e meio. Mais tarde um novo bispo assumia a direção da igreja em Roma e percebia, com inveja, a grande cultura e a influência de Jerônimo. Este, perseguido e humilhado, se dirige Belém, na Terra Santa, e ali estuda e trabalha durante 34 anos na tradução de toda a Bíblia para a língua latina. Jerônimo escreveu ainda 24 livros de comentários bíblicos, um conjunto de biografias de eremitas, duas histórias da igreja primitiva e diversos tratados. Mais tarde, a bíblia de Jerônimo ficou conhecida por “VULGATA’ (vulgar), sendo hoje usada pela igreja Católica Romana como a autêntida versão das Escrituras em latim, apesar de muitos eruditos a acharem pobre e até a acusarem de conter falhas graves de tradução e mentiras terriveis.

CÓDICES E MANUSCRITOS BÍBLICOS

A partir do quarto século depois da era comum, os livros cristãos passaram a ser escritos em codex, palavra derivada de caudex, que era uma tabuinha coberta de cera na qual se escrevia com um estilete metálico(stylus). Reunidos por um cordão que passava por orifícios feitos no alto dos exemplares, à esquerda, os códices ficavam em forma de livro, portanto bem mais práticos de serem manseados que os antigos rolos. Os mais importantes códices bíblicos são:

Sinático, produzido cerca de 325 d.C.,contém todo o Antigo Testamento grego, além das epístolas de e parte do Pastor de Hermas. Foi encontrado pelo sábio alemão Constantino Tischendorf, em 1844, no mosteiro de Santa Catarina, situado na encosta do Sinai. Tischendorf viu 129 páginas do manuscrito numa cesta de papel, para serem lançadas ao fogo. Percebendo o seu enorme valor, levou-as para a Europa. Em 1859 voltou as mosteiro e encontrou as páginas restantes. Doada pelo seu descobridor a Alexandre II, da Rússia, essa preciosidade foi posteriormentew comprada pela Inglaterra pela vultosa quantia de cem mil libras esterlinas. Está no Museu Britânico desde 1933.

Alexandrino, de meados do quarto século d.C., contém o Antigo Testamento grego e quase todo o Novo, com “OMISSÕES” de 24 capítulos de Mateus, cerca de quatro de João e oito de II coríntios. Contém ainda a Primeira Epistola de Clemente de Roma e parte da Segunda.Está no Museu Britânico.

Outros famosos códices bíblicos são: o Vaticano, do quarto século d.C., cont[em o Antigo e o Novo Testamento, com “OMISSÕES”. Está na biblioteca do Vaticano. O Efraemi, produzido por volta de 450 d.C., acha-se na Biblioteca Nacional de Paris. O Baza, encontrado por Teodoro Baza no mosteiro de Santo Irineu, na França, em 1581, está vinculado ao quinto século d.C., e encontra-se atualmente na Biblioteca de Cambridge, Inglaterra. O códice Washington,produzido nos séculos quarto e quinto d.C., acha-se no Museu de Freer, na capital dos Estados Unidos da América.

Há, ainda, vários outros códices de menor importância, expostos em museus e bibliotecas de várias partes do mundo. Somente de livros do Novo Testamento, completos ou em fragmentos, conhecem-se hoje 156.

- 34 -

OS ROLOS DO MAR MORTO

Em se tratando de manuscritos em rolos, o mais antigo e o mais importante de todos foi encontrado casualmente em 1947 por um beduíno, numa bem dissimulada gruta nas proximidades de Jericó, junto ao mar Morto. Examinado pelo professor Sukenik, da Universidade Hebraica de Jerusalém, revelou-se pertencer ao terceiro século antes de Cristo. Contém o livro completo de Isaías e comentários de habacuque, além de outras importantes informações sobre a época em que foi escondido. É mais conhecido como o Rolo do mar Morto.

A BÍBLIA EM PORTUGUÊS

Período das traduções parciais...

(a) “Venturoso”, ou “bem aventurado”. A despeito de este título ter sido abribuido a D. Manuel como principal incentivador das grandes navegações, mais bem aventurado que este rei português foi um de seus antecessores, D Diniz (1279-1325), por ter sido a primeira pessoa a traduzir para a língua portuguesa o texto bíblico, tornando assim possível a futura grande navegação dos leitores de língua portuguesa pelo imenso mar da Palavra de Deus segundo os Padres.

Grande conhecedor do latim clássico, e leitor da Vulgata, D. Diniz resolveu enriquecer o português traduzindo as Sagradas Escrituras para o nosso idioma, tomando como base a Vulgata Latina. Embora lhe faltasse perseverança e só conseguisse traduzir os vinte primeiros capítulos do livro de Gênesis, esse seu esforço o colocou em uma posição historicamente anterior a alguns dos primeiros tradutores da Bíblia para outros idiomas, como João wicleff, por exemplo, que só em 1380 traduziu as Escrituras para o inglês.

(b) Fernão Lopes disse em seu curioso estilo de cronista do século XV, que D João I(1385-1433), um dos sucessores de D. Diniz no trono português,”fez grandes letrados tirar em linguagem os evengelhos, os Atos dos Apóstolos e as epistolas de São Paulo, para que aqueles que os ouvissem fossem mais devotos acerca da lei de Deus”.(crônica de D. João I, 2ª parte). Esses “grandes letrados eram vários padres que também se utilizavam da Vulgata Latina em seu trabalho de tradução.

Enquanto esses padres trabalhavam, D. João I também conhecedor do latim, traduziu o livro de Salmos, que foi reunido ao livro do Novo Testamento traduzido pelos padres. Seu sucessor D João II, outro grande apoiador das traduções do texto bíblico, mandou gravar no seu cetro a parte final do versículo 31 de Romanos 8: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?, atestando assim o quanto os soberanos portugueses reverenciavam a Bíblia.

Como nessa época a imprensa ainda não havia sido inventada, os livos eram produzidos em forma manuuscrita, fazendo-se uso de folhas de pergaminhol. Isso tornava sua circulação extremamente reduzida. Por ser um trabalho lento e caro, era necessário que ou a Igreja Romana ou alguém muito rico assumisse os custos do projeto. Ninguém mais indicado para isto do que os nobres e os reis.

(c) Outras figuras da monarquia de Portugal também realizaram traduções parciais da bíblia. A neta do Rei D. João I e filha do infante D. Pedro, a Infanta D. Filipa, traduziu do Francês os evangelhos. No século XV surgiram publicados em Lisboa o Evangelho de Mateus e porções dos demais Evangelhos, um trabalho realizado pelo frei Bernardo de Alcobaça, que pertenceu à grande escola de tradutores portugueses da Real Abadia de Alcobaça. Ele baseou suas traduções na Vulgata Latina.

(d) A primeira harmonia dos Evangelhos em língua portuguesa, preparada em 1495 pelo cronista Valentem Fernandes, e intitulada de “De Vita Christ”, teve seus custros de publicação pagos pela rainha Dona Leonora, esposa de D. João II. Cinco anos após o descobrimento do Brasil, D. Leonora mandou também imprimir o livro de Atos dos Apóstolos e as epístolas universais de Tiago, Pedro,João e Judas, que havim a sido traduzidos do latim vários anos antes por frei Bernardo de Brinega.

Em 1566 foi publicada em Lisboa uma gramática hebraica para estudantes portugueses. Ela trazia em português, como texto básico, o livro de obadias.

Outras traduções:

Outras traduções em língua portuguesa, realizadas em portugal, são dignas de menção:

D) Os quatro evangelhos, traduzidos em elegante português pelo padre jesuíta Luiz Brandão.

E) No início do século XIX, o padre Antônio Ribeiro dos Antos traduziu os Evangelhos de Mateus e Marcos, ainda hoje inéditos.

- 35 -

É fundamental salientar que todas essas obras sofreram, ao longo dos séculos, implacável perseguição da Igreja Romana, e de muitas delas só escaparam um ou dois exemplares, hoje raríssimos. A Igreja Romana também amaldiçoou a todos os que conservassem consigo essas “traduções da Bíblia em idioma vulgar”, conforme as denominavam .

PERÍODO DAS TRADUÇÕES COMPLETAS

Tradução de Almeida:

Coube ao Padre João Ferreira de Almeida a grandiosa tarefa de traduzir pela primeira vez ara o portugês o Antigo e o Novo Testamentos. Nascido em 1628 em Torre de Tavares, nas proximidades de Lisboa, João Ferreira de Almeida, quando tinha doze anos de idade, mudou-se para o sudeste da Ásia. Após viver dois anos na Batávia (atual Jacarta), na ilha de java, Indonésia, Almeida partiu para Málaca, na Malásia, e lá, através da leitura de um folheto em espanhol acerca das diferenças da cristandade, converteu-se do catolicismo à fé evangélica. No ano seguinte começou a pregar o evangelho no Ceilão e em muitos pontos da costa de Malabar.

Não tinha ele ainda dezessete anos de idade quando iniciou o trabalho de tradução da Bíblia para o portugês, mas lamentavelmente ele perdeu o seu manuscrito e teve de reiniciar a tradução em 1648.

Por conhecer o hebraico e grego, Almeida pôde utilizar-se dos manuscritos dessas línguas, calcando sua tradução no chamado “Textus Receptus” do grupo bizantino. Durante esse exaustivo e criterioso trabalho, ele também se serviu das traduções holandesa, francesa (tradução de Beza),italiana, espanhola e latina(Vulgata).

Em 1676, João Ferreira de Almeida concluiu a tradução do Novo Testamento, e naquele mesmo ano remeteu o manuscrito para ser impresso na Batávia; todavia, o lento trabalho de revisão a que a tradução foi submetida levou Almeida a retoma-la e envia-la para ser impressa em amsterdã, Holanda. Finalmente, em 1681 surgiu o primeiro Novo Testamento em português, trazendo no frontispício os seguintes dizeres, que transcrevemos ipsis litteris: “O Novo Testamento, isto he, Todos os Sacro Sanctos Livros e Escritos Evangélicos e Apostólicos do Novo concerto de Nosso Fiel Salvador e Redentor Iesu Cristo, agora traduzido em português por Padre João Ferreira de Almeida, ministro pregador do Sancto Evangelho. Com todas as licenças necessárias. Em amsterdam,por Viúva de J.V. Someren. Anno 1681.

Milhares de erros foram detectados nesse Novo Testamento de Almeida, muitosdeles produzidos poela comissão de eruditos que tentou harmonizar o texto português com a tradução holandesa de 1637. O próprio Almeida identificou mais de 2000 (dois mil) erros nessa tradução, e outro revisor, Ribeiro dos Santos afirmou ter encontrado um número bem maior.

Logo após a publicação do Novo Testamento, Almeida iniciou a tradução do antigo , e ao falecer, em 6 de agosto de 1691, ele havia traduzido até Ezequiel 41:21. Em 1748, o pastor Jacobus op den Akker, de Batávia, reiniciou o trabalho interrompido por Almeida, e cinco anos depois, em 1753, foi impressa a primeira Bíblia completa em português, em dois volumes. Estava, portanto, concluído o inestimável trabalho de tradução da Bíblia por João Ferreira de Almeida.

Apesar dos erros iniciais, ao longo dos anos eruditos evangélicos têm depurado a obra de Almeida, tornando-a a preferida dos leitores de fala portuguesa.

A Bíblia de Rahmeyer

Tradução completa da Bíblia, ainda hoje inédita,.traduzida em meados do século XVIII pelo comerciante hamburguês Pedro Rahmeyer, que residiu em Lisboa durante 30 anos. O manuscrito dessa Bíblia se encontra na Biblioteca do Senado de Hamburgo, Alemanha.

Tradução de Figueiredo:

Nascido em 1725, em Tomar, nas proximidades de Lisboa, o padre Antônio Pereira de Figueiredo, partindo da Vulgata Latina, traduziu integralmente o Novo e o Antigo Testamentos, gastando dezoito anos nessa laboriosa tarefa. A primeira edição do Novo Testamento saiu em 1778, em seis volumes. Quanto ao Antigo, os dezessete volumes de sua primeira edição foram publicados de 1783 a 1790. Em 1819 veio à luz

- 36 -

da Bíblia completa de Figueiredo, em sete volumes, e em 1821 ela foi publicada pela primeira vez em um volume único.

Figueiredo incluiu em sua tradução os chamados livros apócrifos que o Concílio de Trento havia acrescentado aos livros canônicos em 8 de abril de 1546. Esse fato tem contribuído para que sua Bíblia seja ainda hoje apreciada pelos católicos romanos nos países de fala portuguesa.

Na condição de exímio filólogo e latinista, Figueiredo pôde utilizar-se de um estilo sublime e grandiloquente, e seu trabalho resultou em um verdadeiro monumento da prosa portuguesa. Porém, por não conhecer as línguas originais e ter-se baseado tão-somente na Vulgata, sua tradução tem suplantado em preferência popular o texto de Almeida.

A BÍBLIA NO BRASIL

Traduções parciais:

(a) Nazaré. Em 1847 publicou-se, em São Luis do Maranhão, O Novo Testamento traduzido por frei Joaquim de Nossa Senhora de Nazaré, que se baseou na Vulgata. Este foi, portanto, o primeiro texto bíblico traduzido no Brasil.Essa tradução tornou-se famosa por trazer em seu prefãcio pesadas acusações contra as “Bíblias protestantes”, ,que, segundo os acusadores, estariam “falsificadas” e falavm “contra Jesus Cristo e contra tudo o que há de bom”.

(b) Em 1879, a Sociedade de Literatura Religiosa e Moral do Rio de Janeiro publicou a que ficou conhecida como “A Primeira Edição Brasileira” do Novo Testamento de Almeida. Essa versão foi revista por José Manoel Garcia, lente do Colégio D. Pedro II; pelo pastor M.P.B de carvalhosa, de Campos, RJ, e pelo primeiro agente da Sociedade Bíblica Americana no Brasil, pastor Alexandre Blackford, ministro do Evangelho no Rio de Janeiro.

(c) “Harpa de Israel” foi o título que o notável hebraísta F. R dos Santos Saraiva deu à sua tradução do Livro dos Salmos , publicado em 1898.

(d) Em 1909, o padre Santana publicou seua tradução do Evangelho de Mateus, vertida diretamente do grego. Três anos depois Basílio Teles publicou a tradução do livro de “jô”, com sangrias poéticas. Em 1917 foi a vez de J. L. Assunção publicar O Novo Testamento, tradução baseada na Vulgata Latina.

(e) Traduzido do velho idioma etíope por Esteves Pereira, O Livro de Amós surgiu isoladamente no Brasil em 1917. Seis anos depois, J. Basílio Pereira publicou a tradução do Novo Testamento e o Livro dos Salmos, ambas baseadas na Vulgata. Por essa época surgiu no Brasil (infelizmente, sem indecação de data) a Lei de Moisés (O Pentateuco), edição bilíngüe hebrabraico-português, preparada pelo Rabino Meir Masiah Melamed.

(f) O padre Huberto Rohden foi o primeiro católico a traduzir no Brasil o Novo Testamento diretamente do grego. Publicada pela instituição católico-romana Cruzada Boa Esperança, em 1930, essa tradução, por estar baseada em textos considerados inferiores, sofreu severas críticas.

Traduções completas:

(a) Em 1902, as sociedades bíblicas empenhadas na disseminação da Bíblia no Brasil patrocinaram nova tradução da Bíblia para o português, baseada em manuscritos melhores que os utilizados por Almeida. A comissão constituída para tal fim, composta de eruditos nas línguas originais e no vernáculo, entre eles o gramático Eduardo Carlos Pereira, fez uso de ortografia correta e vocabulário erudito. Publicado em 1917, esse trabalho ficou conhecido como Tradução Brasileira. Apesar de ainda hoje apreciadíssima por grande número de leitores, essa Bíblia não conseguiu firmar-se no gosto do grande público.

(b) Coube ao padre Matos Soares realizar a tradução mais popular da Bíblia entre os católicos na atualidade. Publicada em 1930 e baseada na Vulgata, essa tradução possui notas entre parêntesis defendendo os dogmas da igreja romana.Por esse motivo recebeu apoio papal em 1932.

(c) Em 1943, as Sociedades Bíblicas Unidas encomendaram a um grupo de hebraístas, helenistas e vernaculistas competentes uma revisão da tradução de Almeida. A comissão melhorou a linguagem, a grafia de nomes próprios e o estilo da Bíblia de Almeida.

- 37 -

(d) Em 1948 organizou-se a Sociedade Bíblica do Brasil, destinada a “Dar Bíblia à Pátria”. Esta entidade fez duas revisões no texto de almeida, uma mais aprofundada, que deu origem à Edição revista e Atualizada no Brasil, e uma menos profunda, que conservou o antigo nome “corrigida”.

(e) Em 1967, a Imprensa Bíblica Brasileira, criada em 1940, publicou a sua Edição Revista de Almeida, cotejada com os textos em hebraico e grego. Essa edição foi posteriormente reeditada com ligeiras modificações.

(f) Mais recentemente, a Sociedade Bíblica do Brasil traduziu e publicou a Bíblia na Linguagem de Hoje (1988). O propósito básico desta tradução tem sido o de apresentar o texto bíblico numa linuagem comum e corrente.

(g) Em 1990, a Editora Vida publicou a sua Edição Contemporânea da Bíblia traduzida por Almeida. Essa edição eliminou arcaísmos e ambigüidades do texto quase tricentenário de Almeida, e preservou, sempre que possível, as excelências do texto que lhe serviu de base.

(h) Enquanto estas edição da Bíblia Thompson estava sendo preparada, uma comissão constituída de eruditos em grego, hebraico, aramaico,e português,coordenada pelo Rev.Luis Sayão, trabalhava em uma nova tradução das Escrituras para a língua portuguesa, sob o patrocínio da Sociedade Bíblica Internacional.

(i) São, também, dignas de referência: A Bíblia traduzida pelos monges de meredsous (1959); A Bíblia de Jerusalém, traduzida pela Escola Bíblica de Jerusalém (padres dominicanos), e editada no Brasil por edições Paulinas em 1981. com notas, e a Edição Integral da Bíblia, trabalho de diversos tradutores sob a coordenação de Ludovico Garmus, editado por Editora Vozes e pelo Círculo do Livro, também com notas.

Abraão de Almeida

e

Jefferson Magno Costa

. O LIVRO DE MELQUISEDEQUE

Escutai, povo meu, a minha lei; prestai ouvidos às palavras da minha boca. Abrirei os lábios

em parábolas e publicarei enigmas dos tempos antigosSl.78:1,2.

Os Rolos do Mar Morto

No deserto da Judéia, no litoral do Mar Morto, próximo a Jerico, acampava-se uma tribo semibeduína conhecida

como Taamireh. Era o início da primavera de 1947, quando um dos filhos daquela tribo, Muhammad edh-Dhib, um

jovem de apenas 15 anos de idade, pastoreava o rebanho de seu pai. Ao retornar para casa, descobriu que estava faltando

uma cabra. Deixando o rebanho seguro no curral, retornou sem demora à procura da que havia se transviado.

Depois de caminhar por muitas partes em busca da cabra perdida, o beduíno sentou-se junto à

uma gruta, vencido pelo cansaço. Não sabia que os seus passos errantes o conduziram naquele

entardecer para próximo de um tesouro de inestimável valor. Ele encontrava-se naquele momento na

região noroeste do Mar Morto.

Ao arremessar uma pedra para dentro da caverna, o beduíno ouviu um ruído surdo que pareceulhe

o som de um vaso de barro quando cai. Achou muito estranho aquilo e, movido por um misto de

curiosidade e medo, aproximou-se da abertura para ver o que se encontrava lá dentro. A princípio,

somente conseguiu ver a escuridão que reinava dentro da caverna que voltara a ficar silente. Depois

de alguns instantes, seus olhos começaram a avistar contornos que lhe pareceram grandes jarros.

Vieram-lhe então à lembrança histórias que ouvira desde mui pequeno, sobre Sheitan, o espírito mau

que vive nas cavernas. Não seria aquela gruta a sua morada? Este pensamento o fez fugir dali

apressadamente, em direção de sua tenda. Tão grande era o medo, que se esqueceu inteiramente da

- 38 -

cabra que se perdera.

Ahmed, o seu irmão mais velho ,ao ouvir sua história, riu de sua falta de coragem. Ahmed,

contudo, não conseguia esquecer-se daqueles vasos que seu irmão afirmara ter visto no interior da

caverna; E se existisse dentro deles tesouros? Esse pensamento fez com que perdesse o sono naquela

noite. Assim que o dia raiou, pediu que seu irmão o levasse àquele lugar de onde fugira.

Cheios de esperança e coragem rumaram naquela manhã em direção ao possível tesouro.

Olhando atentamente para o interior da caverna, Ahmed constatou que, realmente, havia jarros ali.

Cheio de euforia, passou a remover os pedregulhos que estreitavam aquela abertura, até que

conseguiu resvalar-se para dentro da gruta. Estava muito escuro a princípio, mas suas vistas foram-se

acostumando e, dentro de instantes, viu-se cercado pelos vasos de barro. Com muito cuidado,

evitando que se quebrassem, foi tomando-os, um por um, e passando-os para o irmão, que ficara do

lado de fora.

Curioso para ver o que havia naqueles vasos, Ahmed saltou para fora da Gruta. Ao introduzir a

mão num daqueles vasos, tirou um embrulho feito de panos de linho. Abriram-no na expectativa de

encontrar ouro ou pedras preciosas, mas os irmãos ficaram decepcionados ao descobrirem apenas um

rolo, feito de coro de cabras. Em todo o rolo, havia uma escrita que não puderam decifrar. Os demais

jarros traziam igualmente grandes rolos de couro.

Os beduínos ficaram, inicialmente, sem saber o que fazer com aqueles rolos. A primeira idéia

foi a de devolvê-los à caverna; Mas, pensando melhor, decidiram vendê-los para algum sapateiro ou

colecionador de coisas antigas.

Khalil Iskander Shahin, conhecido como Kando, tinha uma sapataria em Belém. Remendava

uma bolsa quando dois beduínos entraram em sua sapataria, arrastando consigo sete grandes rolos.

Colocando-os sobre o balcão, perguntaram o quanto ele poderia pagar por todo aquele couro.

Analisando os rolos, viu que estavam muito envelhecidos e, com certeza, não lhe seriam úteis.

Khalil estava para despedir os moços quando, atraído por aquelas escritas, resolveu adquiri-los,

pensando em revendê-los para algum colecionador de antigüidades. Pagou então uma ninharia por

eles, e os rapazes, ainda que cansados por todo esforço, saíram felizes.

Durante alguns dias, os rolos permaneceram esquecidos em um canto da sapataria, enquanto

Khalil, procurava em vão despertar o interesse de seus clientes por eles.

Athanasius Y. Samuel, arcebispo metropolitano do Mosteiro São Marcos, em Jerusalém, tomou conhecimento

sobre os rolos através de um membro de sua paróquia que os vira na sapataria de Khalil. Dirigiu-se até lá e, como não

conseguia carregar todos, adquiriu quatro deles. Alguns dias depois, Khalil vendeu os outros três para o professor Eleazer

Lipa Sukenik da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Ao analisar os quatro rolos, Athanasios conscientizou-se de haver adquirido uma preciosidade.

Decidido a fazer fortuna com sua venda, levou-os clandestinamente para os Estados Unidos, onde

passou a oferecê-los para pessoas e instituições que acreditava poderem se interessar por eles.

Ninguém, contudo, aceitou sua proposta, pois o preço exigido era muito alto.

Desanimado, Athanasios decidiu, numa última tentativa, colocar um anúncio no Wall Street

Journal.

Preço Multiplicado

Era início de 1954, quando o General Yigael Yadin, Chefe do Estado-Maior do Exército

Israelense, ao ler o Wall Street Journal, foi atraído para o pequeno artigo que falava daqueles quatro

rolos encontrados no Mar Morto, contendo manuscritos bíblicos datados entre 100 a 200 anos a.C.;

Sua aquisição poderia ser ideal para instituições educacionais ou religiosas.

Yigael era filho do professor Eleazer, que comprara os três últimos rolos. Desde então, eles

estavam desesperados à procura dos outros quatro.

Depois de recortar o anúncio, Yigael ligou imediatamente para o aeroporto, exigindo uma

passagem no próximo vôo para os Estados Unidos. Jamais fizera uma viagem sentindo-se tão

ansioso; Aquelas horas de vôo pareciam-lhe uma eternidade.

Ao desembarcar, dirigiu-se imediatamente ao endereço indicado no anúncio. Chegando ao

local, viu que várias pessoas, atraídas pelo anúncio, faziam uma grande fila para conhecerem os tais

rolos. Seria uma loucura permitir que elas entrassem antes dele, por isso, encaminhando-se para

- 39 -

junto da porta, colocou-se como o primeiro da fila. Alguns começaram a reclamar, mas ele, tocando

na porta, desculpou-se, afirmando ser amigo de Athanasius.

Ao ouvir os toques na porta, Athanasios, que mostrava a um possível comprador os

pergaminhos, foi ver quem era. Sem saber que tinha diante de si o General do Exército Israelense,

Athanasios foi rude, mandando-o esperar pela sua vez. Isto o fez passar vergonha diante das pessoas,

a quem havia afirmado há pouco ser amigo daquele homem. Começaram então fortes protestos e,

alguns se adiantaram querendo tirá-lo a força de seu primeiro lugar na fila. Nesse momento, Yigael,

que não queria revelar sua identidade, vociferou com fúria, mostrando sua alta patente confirmada

por uma credencial que ergueu aos olhos de todos. Esse gesto fez com que o sentimento de

humilhação e vergonha se transferisse para aqueles que o afrontaram.

Ao chegar a sua vez, Yigael, sem se identificar, perguntou para Athanasios o valor que ele

esperava receber pelos rolos. Não querendo ainda lhe dar o preço, convidou-o a ver os pergaminhos.

Yigael, ressentido pelo tratamento que havia recebido, disse secamente que não estava ali movido

pela curiosidade, querendo simplesmente admirar-se ante aqueles rolos; Estava ali para comprá-los.

Assim, para não perderem tempo, gostaria de saber o quanto pagaria por eles.

Athanasios que, dominado pelo desânimo, estava a ponto de vendê-los por qualquer preço que

cobrisse suas despesas de viagem, abaixou, a cabeça e meditou: Se conseguisse vendê-los por $ 5.000

já estaria bom; Mas não lhe custaria pedir mais: quem sabe dez vezes mais, $ 50.000; Ou mesmo

cinqüenta vezes cinco. Seus lábios então pronunciaram o preço de $ 250.000.

Prontamente, Yigael tomou seu talão e preencheu um cheque de 250.000 dólares. Ele o faria

com a mesma determinação, ainda que o processo multiplicador continuasse na mente do ancião em

dezenas de outras operações.

Ao conferir no cheque o valor daquela fortuna, Athanasios ficou possuído por um sentimento

misto de alegria e vergonha, pois o mesmo continha a assinatura do Chefe do Estado-Maior do

Exército Israelense, a quem pouco antes tratara com estupidez.

Quando a porta novamente se abriu, a fila de curiosos foi aniquilada pelos passos daquele que

já havia sido herói de muitas batalhas, e que conduzia, sob os poderosos braços, os rolos da Gruta 1, a

sua maior conquista. Agora, os sete rolos eram propriedade do Estado de Israel, que desfrutava seus

primeiros anos de independência, depois de um desterro de milênios.

Ao serem os sete rolos cuidadosamente analisados por eruditos em Israel, comprovou-se que se

tratavam dos mais antigos manuscritos já descobertos pelo homem, datados de tempos anteriores aos

dias de Cristo. Um dos rolos, o mais conservado dos sete, apresentava uma cópia do livro de Isaías

que, ao ser comparado com as cópias modernas, trouxe a certeza de que não houve nesses dois

milênios nenhuma alteração de sua mensagem profética.

Os demais manuscritos, também de grande importância, são: O Manuscrito de Lameque,

conhecido como O Apócrifo de Gênesis, que apresenta um relato ampliado do Gênesis; A Regra da

Guerra, que descreve a grande batalha final entre os filhos da luz e os filhos das trevas, sendo os

descendentes das tribos de Levi, Judá e Benjamim retratados como os filhos da luz, e os edomitas,

moabitas, amonitas, filisteus e gregos representados como os filhos das trevas. Há também um

pergaminho com Os Hinos de Ação de Graças (Hodayot), uma seqüência de 33 salmos que eram

cantados, em cultos de adoração ao Criador, o grande Adonai.

O que os Eruditos Encontraram

Dois anos depois da experiência daqueles jovens beduínos, dois arqueólogos, G. L. Harding e

R. De Vaux, auxiliados por quinze habitantes daquela região do Mar Morto, começaram novas

buscas nas proximidades daquela caverna que viria a ser conhecida como Gruta 1. Em dois anos de

incansáveis pesquisas, descobriram as ruínas do Mosteiro de Khirbet Qumran, uma propriedade dos

essênios. Dentre os muitos objetos ali descobertos, encontraram uma sala onde os manuscritos eram

preparados, ao qual deram o nome de scriptorium. Foram encontrados naquela sala dois tinteiros,

ambos contendo restos de tinta de carvão do tipo usado nos pergaminhos. Encontraram também uma

escrivaninha, ao lado da qual havia concavidades que, possivelmente, eram usadas para armazenar

água limpa, com a qual o piedoso escriba purificava as suas mãos, ao iniciar as cópias das Sagradas

Escrituras, ou mesmo antes de escrever o nome divino.

Um grande terremoto, ocorrido no ano de 31 a.C., trouxe muitos danos ao Mosteiro de Khirbet

Qumran, exigindo a reconstrução de alguns de seus compartimentos. Em 68 AD, com o avanço da

Décima Legião Romana, comandada por Vespasiano, o Mosteiro foi completamente destruído, e a

- 40 -

maior parte de seus ocupantes mortos ou levados cativos. Existem muitos indícios de que tenha sido

por esta ocasião que os essênios, no intuito de preservar seus preciosos rolos, esconderam-nos nas

cavernas.

As Grutas 2 a 10

Enquanto os arqueólogos prosseguiam as escavações das ruínas do Mosteiro Essênio, alguns

beduínos, incentivados pelas descobertas da Gruta 1, empreenderam-se em incansáveis buscas,

vasculhando toda aquela região montanhosa do Mar Morto em busca de novos vasos.

No mês de fevereiro de 1952, descobriram finalmente, ao sul da Gruta 1, a Gruta 2, na qual

encontraram partes de dezessete manuscritos bíblicos e uma porção maior de manuscritos nãobíblicos.

Ao todo, eram 187 fragmentos.

Com a descoberta da Gruta 2, a atenção dos arqueólogos e de todos aqueles pesquisadores do

Mar Morto, voltou-se para as cavernas. Deixando as escavações daquele Mosteiro, iniciaram uma

exploração sistemática em toda a área de Qumran. Um mês depois, no dia 14 de março, encontraram

a Gruta 3. Além de centenas de fragmentos de outros manuscritos, encontraram nesta caverna um

documento muito especial: eram três folhas de cobre muito fino, cada qual medindo 0,30 m por 0,80

m. Examinando aquelas lâminas de cobre, descobriram que compunham originalmente um único

rolo, pois suas extremidades traziam as marcas de seu ligamento. O estudo posterior deste documento

revelou-se de grande importância, pois trazia detalhadas informações sobre as demais grutas que

continham documentos e tesouros.

À medida que novas grutas eram descobertas, novos documentos vinham à luz, fazendo crescer

o interesse pelo assunto que passou a ser amplamente divulgado pelos jornais e revistas, criando um

clima de grande expectativa. Tudo era tão fantástico que até mesmo pessoas incrédulas começaram a

pressentir naquelas descobertas algo miraculoso, como se um poder sobrenatural houvesse reservado,

nas entranhas daquelas rochas, uma mensagem para um mundo que, somente naquela metade de

século, havia experimentado os horrores de duas grandes guerras, que pareciam prenunciar o fim do

mundo, como retratado em muitos daqueles manuscritos.

Depois da descoberta da Gruta 6, em setembro de 1952, as buscas foram intensificadas, não

trazendo, contudo, nenhuma nova descoberta por um período de quase três anos. Na manhã do dia 2

de fevereiro de 1955, quando, vencidos pelo desânimo, estavam a ponto de suspenderem as buscas,

foram agraciados pela descoberta da Gruta 7. Ainda que os documentos encontrados nessa caverna se

mostrassem muito danificados, os arqueólogos sentiram-se renovados em seu ânimo de

prosseguirem com as procuras, certos de que teriam novas recompensas. Esta perspectiva não foi

frustrada, pois entre os dias 2 de fevereiro e 6 de abril de 1955, haviam sido agraciados com os

tesouros das Grutas 7, 8, 9 e 10. Com todo esse sucesso, intensificaram ainda mais as buscas, porém

sem nenhum resultado.

O Presente de um Rei

(Uma Parábola Baseada em Fatos Reais)

Dez grutas já haviam lançado de suas escuras entranhas centenas de documentos de incalculável valor,

enriquecendo toda a humanidade com um patrimônio jamais sonhado. Muitos arqueólogos, satisfeitos com o que fora

encontrado até então, empreendiam, ao lado de peritos, a organização de todos aqueles documentos, muitos até então

mantidos empilhados em seus acampamentos. Nem sequer passava-lhes pela cabeça o pensamento de que a maior de

todas as descobertas ainda estava para vir.

Num dia ensolarado de janeiro de 1956, quatro beduínos irmãos caminhavam errantes por entre

as rochas que se elevam ao norte do Mar Morto. Não haviam saído naquele dia com a intenção de

procurar cavernas; Contudo, num gesto involuntário, seus olhos detinham-se em cada fenda de rocha,

pois, no decorrer daqueles anos, procurar buracos nas rochas tornara-se um hábito na vida daqueles

beduínos. Quando os encontravam, imediatamente enfiavam neles a cabeça à procura de vasos.

Muitos deles já haviam conseguido, por causa desse costume, elevadas somas de dinheiro que,

dificilmente ganhariam em todo um ano.

Foi assim que o mais velho deles, ao descobrir numa das rochas uma pequena abertura, correu

para lá para observar. Tudo o que conseguiu ver a princípio foi a escuridão que reinava no silêncio da

caverna. Contudo, pondo em prática um dos segredos que somente os beduínos caçadores de vasos

- 41 -

conheciam, permaneceu encarando as trevas, esperando vê-las fugir. Unicamente aqueles que eram

suficientemente corajosos para encararem as trevas por alguns minutos, sem se moverem, poderiam

ser agraciados com os tesouros das cavernas.

Pouco a pouco, o interior da gruta foi clareando aos seus olhos, e a figura nítida de um jarro

começou a revelar-se. Feliz, o beduíno correu para os seus irmãos, contando-lhes sobre sua

descoberta.

Aquele, abaixo do mais velho, correu para certificar-se, e encontrou um segundo vaso ao lado

do primeiro. Cheio de alegria, correu para anunciar aos irmãos.

Veio então o terceiro beduíno que, sem nenhuma pressa, passou a encarar a escuridão, até vê-la

desfazer-se quase por completo. Aos seus olhos revelaram-se três vasos, sendo o terceiro um pouco

maior que os dois primeiros. Estava muito contente com esta descoberta, mas não tinha pressa em

revelá-la aos irmãos, por isso, permaneceu por longo tempo observando-os.

Os beduínos, imaginavam, agora, a forma como poderiam retirar aqueles jarros. Ficaram a

princípio desanimados, ao perceberem que a boca da caverna era muito estreita. Concluíram que,

para apossarem-se daquele tesouro, teriam de quebrar e remover muitas pedras, até que a boca da

caverna pudesse engolir um deles.

Estavam ao ponto de desanimarem, quando aquele que descobriu o terceiro vaso teve uma

idéia: apontando para o irmão mais novo, que era ainda uma criança, disse aos irmãos:

- Se jogarmos o garoto dentro da caverna, ele poderá nos passar os vasos.

A idéia, comemorada com risos, foi ouvida com angústia pelo menino. Ele começou a chorar,

implorando que seus irmãos não o lançassem naquele lugar escuro, de onde não saberia sair.

Rindo da agonia do garoto, os três beduínos agarraram-no com força, lançando-o de cabeça

para baixo.

-------****-------

A caverna, por milênios adormecida, tinha agora o seu silêncio quebrado por gritos de agonia e

dor. Ao cair no fundo daquela gruta escura e fria, o garoto ficou ferido, e, em seu desamparo, passou

a clamar em vão por socorro. Em meio àquelas profundas trevas, o menino temia ser devorado por

Sheitan, o espírito mau das cavernas.

Pouco a pouco, os gritos de desespero do pequeno beduíno começaram a cessar, à medida que

as trevas iam fugindo de seus olhos. Contudo, a dor dos ferimentos era intensa, e somava-se a ela o

desamparo de seus irmãos. Foi em meio a esse sofrimento que o menino começou a descobrir, um

por um, aqueles três vasos anunciados por seus irmãos.

Observando-os de perto, o menino conseguia ver neles belezas as quais seus irmãos não conseguiam perceber, por

estarem do lado de fora da caverna.

O primeiro jarro tinha dentro de si dois rolos muito conservados: o Livro de Levítico e o Livro de Ezequiel.

Assentando-se sob a abertura da caverna, onde havia claridade, o beduíno abriu o Livro de

Levítico, encontrando um texto que o consolou, pois falava de livramento:

"Contarás sete semanas de anos, sete vezes sete anos, isto é, o tempo de sete semanas de anos,

quarenta e nove anos. No sétimo mês, no décimo dia do mês, farás vibrar o toque da trombeta em

todo o país. Declarareis santo o qüinquagésimo ano e proclamareis a libertação de todos os

moradores da terra. Será para vós um jubileu: cada um de vós retornará ao seu patrimônio, e cada

um de vós voltará ao seu clã"(1)

A leitura sobre o ano jubileu, devolveu-lhe ao coração ferido a certeza de que seria liberto

daquela gruta em que seus irmãos o lançaram.

Depois de reler várias vezes o texto sobre o jubileu da libertação, o garoto começou a entender

que ele falava de um tempo determinado para o livramento.

------*****-------

Com o coração renovado pela certeza de que seria finalmente liberto, o beduíno tomou o

segundo rolo, o Livro de Ezequiel. Naquele livro, encontrou uma história muito parecida com a sua: a

história de Israel.

Quando era menino, Israel vivia feliz em sua tenda, gozando dos favores de seu pai. Muitas

vezes, por cometer pecados, sofria terríveis conseqüências que afetavam não somente a sua honra,

como também a de Seu Criador. Por causa de suas transgressões, Israel foi levado para um longo e

doloroso cativeiro entre as nações. Nos últimos dias, contudo, retornaria para a sua terra, tornando-se

- 42 -

novamente uma nação independente. Chegaria então o dia em que numerosos exércitos, comandados

por Gog, o chefe de Meseque, procurariam destruí-lo. Quando esse tempo chegasse, haveria uma

terrível batalha como nunca houve, ficando Israel retido sob um grande cerco. Sem possibilidades

humanas de escaparem, clamariam pelo socorro divino, e seriam acudidos no momento de maior

aperto, através de um grande livramento. Esse acontecimento marcará o início de uma semana de

anos que será decisiva para toda a humanidade. Naquele tempo os filhos de Belial se aliarão contra os

filhos da Luz, mas serão finalmente eliminados com a manifestação do Messias(2).

O livramento prometido nos livros de Levítico e Ezequiel, para um dia determinado no calendário bíblico, trouxe

alegria ao coração daquele beduíno. Consolado por esta esperança, tomou o segundo jarro que continha um rolo

igualmente conservado do Livro de Salmos e, abrindo-o, passou a ler as seguintes palavras:

"Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que obram iniquidade.

Porque cedo serão ceifados como a erva, e murcharão como a verdura.

Confia no Senhor e faz o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado;

Deleita-te também no Senhor, e ele te concederá o que deseja o teu coração.

Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele e ele tudo fará. E ele fará sobressair a tua

justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia.

Descansa no Senhor, e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu

caminho, por causa do homem que executa astutos intentos. Deixa a ira e abandona o furor; não te

indignes para fazer o mal. Porque os malfeitores serão desarraigados, mas aqueles que esperam no

Senhor herdarão a terra. Pois ainda um pouco, e o ímpio não existirá; olhará para o seu lugar, e

não aparecerá. Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz.(3)

Enquanto meditava nas palavras de consolo do Livro de Salmos, o pequeno beduíno ouvia os

gritos irados de seus irmãos exigindo-lhe os jarros. Depois de retirar deles todos os rolos, entregou-os

aos irmãos que, silenciando-se, prosseguiram em seu caminho.

-------*****---------

Aproveitando a luminosidade que descia pela abertura da caverna, o beduíno abriu o quarto

rolo que falava sobre a Nova Jerusalém. A leitura daquele livro pareceu transportá-lo para distante

daquela caverna, para as glórias de um reino de eterna paz. Revelou-se aos seus olhos um novo céu e

uma nova Terra, nos quais habitará a justiça e o amor. Naquele reino de perfeição, incontáveis

galáxias, repletas de mundos de luz girarão harmoniosamente em torno de uma nova Terra, povoada

por um povo santo e feliz. Ocupando todo o Oriente Médio, encontrar-se-á a Nova Jerusalém, cujas

muralhas serão de pedras preciosas e os portais de pérolas. As avenidas da cidade serão de ouro puro,

e suas mansões de finos cristais. Dentro dos murais da cidade, ao norte, estará para sempre o jardim

do Éden no meio do qual eleva-se o monte Sião, o lugar do trono divino. Do trono jorra o rio da vida,

brilhante como cristal, fluindo lentamente pelo meio da cidade rumo ao Sul (4).

Enquanto aguardava uma possível salvação vinda da parte de seus irmãos, o beduíno abriu o

quinto rolo que trazia lindos salmos que descreviam a felicidade e a paz que os remidos desfrutarão

na Cidade de Elohim, onde não haverá mais morte, nem pranto, nem dor.

Com o coração repleto das alegrias expressas pelos salmos do quinto rolo, o menino tomou o

sexto rolo. Ao abri-lo, encontrou o Livro de Jó. Relatava a história de um homem muito rico,

possuidor de muitas fazendas, servos e gado. Ele tinha uma linda esposa, três filhas e sete filhos. Jó

era temente e íntegro, e desviava-se sempre do mal. Todos os dias, oferecia sacrifícios em prol de

seus filhos, e orava pela sua proteção.

Certo dia, Satanás fez um desafio ao Criador, afirmando-lhe que a fidelidade de Jó era

resultado de seu egoísmo, pois era homem próspero. Aceitando o desafio, Elohim permitiu que seu

servo fosse severamente provado. E aconteceu que, num único dia, Jó perdeu tudo: suas três filhas,

seus sete filhos, seus servos, suas fazendas e seu gado. Mesmo assim, Jó louvou ao Criador,

recusando blasfemar de Seu nome.

Ao ler sobre a desgraça que se abateu sobre Jó, o menino começou a temer que tudo aquilo

viesse a se cumprir em sua vida. Há poucos instantes, haviam-lhe tirado os três vasos, será que

haveria de perder também seus rolos?

Com esta preocupação, envolveu-os em seus braços, evitando que escapassem. Mas ao olhar

para eles, ficou consolado com a certeza de que suas promessas finalmente se cumpririam, e viveria

- 43 -

liberto e feliz no Reino da Luz.

Enquanto meditava, esperando por um possível livramento, viu apagar pouco a pouco a

luminosidade do entardecer que chegava a ele através da pequena abertura. À medida que as trevas

iam aumentando, crescia-lhe no coração o medo de estar sozinho. Agarrando-se aos rolos, procurava

não se desesperar, lembrando-se das promessas de que seria liberto.

O pequeno beduíno, com a alma dilacerada, começou a gritar por socorro, mas ninguém

estendia-lhe a mão. Lembrando-se do jubileu, passou a clamar desesperadamente pelo socorro do

Senhor, mas foi massacrado pelo Seu silêncio. Começaram a sobrevir-lhe então terríveis tentações,

induzindo-o a pensar que o Criador fora injusto com ele, abandonando-o naquelas trevas. Mesmo

assim, o pequeno beduíno continuava abraçado aos pergaminhos, esperando pela salvação prometida.

Uma voz rouca, cheia de ira, bradou-lhe do fundo da caverna:

- Você ainda mantém-se apegado a esses rolos que o enganaram? Lança-os por terra, pois

são manuscritos falsos, sem nenhum valor.

Aflito, o menino respondeu:

- Ainda que eu morra nesta escuridão, eu jamais deixarei estes rolos, pois eles me dão

esperança.

-------****--------

Naqueles momentos difíceis, o menino começou a pensar em seus irmãos. Imaginou-os

carregando aqueles jarros vazios e teve por eles compaixão. Eles não sabiam que, ao excluírem-no de

seu meio, deixaram de receber importantíssimas revelações contidas naqueles rolos que, ainda que

envoltos em trevas, traziam a certeza de um alvorecer.

Enquanto pensava em seus irmãos, o medo de estar sozinho foi diminuindo, dando lugar a um

sentimento de paz, como se houvesse ao seu lado a presença de um amigo. Subitamente toda a

caverna iluminou-se, como se fosse dia. Ao olhar para a cavidade de onde emanava a luz, viu um

lindo vaso. Ao aproximar-se dele, prostrou-se agradecido ao ver nele o desenho de um rei que sorria,

tendo nas mãos um alaúde. Aos pés do rei,

Abraçando o vaso numa tentativa de abraçar seus dois amigos, passou a amá-los

profundamente.

Com muito cuidado, para não danificar o vaso, o beduíno conduziu-o para debaixo da boca da

caverna, onde deixara os demais rolos. Ao olhar para o seu interior, sua alma ficou inundada por uma

indizível paz, e pareceu ouvir acordes cheios de ternura vindos do alaúde do rei.

------*****------

Dentro do jarro o beduíno encontrou um grande rolo: O Livro de Melquisedeque. O rolo era composto por dois

manuscritos, costurados um ao outro. Eles traziam caligrafias distintas, com assinaturas de Abraão no primeiro e de

Melquisedeque no segundo.

Em seu manuscrito, o patriarca conta a fascinante história do livramento de Ló e de muitos

habitantes de Sodoma, levados cativos por um poderoso exército. Acompanhado por apenas 300

pastores armados com tochas, bordões e chifres de carneiro, ele obteve completa vitória sobre os

numerosos inimigos. Abraão continua contando a história de Salém, conforme ouviu dos lábios de

Melquisedeque por ocasião de um banquete que seguiu ao livramento, quando entregou-lhe o dízimo

de suas riquezas e alegraram-se comendo pão e vinho.

Abraão termina contando sobre outro encontro que teve com o rei de Salém sete anos depois, quando o presenteou

com um lindo jarro que continha o seu manuscrito.

Melquisedeque que no decorrer daqueles anos registrara em um rolo revelações detalhadas

sobre a história do Universo, num gesto de humildade e gratidão, uniu os dois manuscritos formando

um único rolo, no qual os seus escritos vieram a ocupar o segundo lugar. Depois de selado, aquele

tesouro foi colocado no jarro, sendo levado pouco tempo depois para um esconderijo seguro: uma

caverna situada ao norte do Mar Morto. O grande rolo permaneceria em silentes trevas até chegar o

momento de sua revelação ao mundo, por ocasião do último jubileu

-------***** ------

Tendo em mãos um tesouro tão precioso, o beduíno esqueceu-se de toda a agonia vivida

naquela caverna. Sua atenção voltava-se agora para a última parte do rolo, onde Melquisedeque

- 44 -

descrevia a Nova Jerusalém. O relato era muito parecido com as revelações do quarto manuscrito.

Sua linguagem tinha igualmente o poder de transportar o leitor para aquele reino de amor e paz,

dando-lhe uma visão nítida das glórias da Cidade de Elohim: seus murais de pedras preciosas; seus

portais de pérolas; suas avenidas de ouro puro; suas mansões de refulgentes cristais; o rio da vida que

nasce do trono; o jardim do Éden. Podia-se até mesmo ouvir o cântico dos anjos e das multidões de

remidos reunidos diante do trono.

Cheio de alegria, o menino uniu a voz ao coro angelical, louvando ao Eterno, cuja bondade é

infinita. Enquanto cantava, notou um brilho que saía de dentro do jarro, inundando toda a caverna.

Ao olhar, descobriu no fundo do jarro uma caixinha de ouro com adornos de pedras preciosas. Na

tampa da caixa havia uma inscrição em hebraico que dizia: Um presente do Rei de Salém para aquele

que encontrar o jarro com o rolo, revelando-o ao mundo.

Sentindo-se indigno de estender a mão para tomar para si aquele presente, o menino ficou ali

encurvado por algum tempo. Finalmente, ganhou forças e coragem, tomando a caixinha de ouro, a

qual abriu cuidadosamente.

Havia nela lindas pérolas de tamanhos variados. O brilho dessas jóias espalhou-se por toda a

caverna, criando um ambiente de muita alegria e paz.

Tomando uma das pérolas, o menino sentiu que dela emanava energia que dava-lhe forças e

paciência para aguardar pelo livramento. Ao observá-la, descobriu nela três inscrições em hebraico:

Melquisedeque que significa Rei da Justiça, Jerusalém e o seu nome.

Depois de contemplar demoradamente a pérola que trazia o seu nome, ele olhou para dentro da

caixinha e viu muitas outras; Eram ao todo 144 pérolas. Depois de contá-las, lembrou-se de sua

missão: deveria, o quanto antes, sair daquela caverna com o tesouro, compartilhando-o com o

mundo.

--------*****----------

Consciente da urgência de sua missão, começou a procurar alguma maneira de sair dali.

Pareceu-lhe inicialmente impossível sair, pois a boca da caverna ficava muito acima de sua cabeça,

não podendo alcançá-la.

Depois de raciocinar em busca de uma alternativa, concluiu que, se subisse no vaso, alcançaria

o buraco. Na primeira tentativa, obteve vitória, saindo da caverna. Estava agora livre, sob o sol de

uma linda manhã, respirando, depois de muitas horas, o ar fresco.

Depois de saltar de alegria pela liberdade alcançada, o pequeno beduíno lembrou-se dos rolos e

do vaso que o salvara daquele abismo. Sabia que, depois de toda aquela experiência, não conseguiria

jamais viver longe daquele tesouro. Lembrou-se também de sua missão de tirar da caverna o vaso

com o seu tesouro, revelando-o ao mundo.

Decidido, saltou novamente para dentro da caverna, evitando, na queda, tombar sobre o vaso.

Feriu-se novamente, mas estava consolado pela certeza de que muito em breve todo aquele

sofrimento passaria, e veria muitas pessoas alegrando-se com sua mensagem

Imaginava agora o que poderia fazer para levar o vaso para fora. Teve inicialmente a idéia de

colocar o jarro sobre a cabeça, empurrando-o para fora. Essa solução, contudo, o deixaria retido na

gruta, pois não teria depois em que subir para alcançar a abertura da caverna. Mesmo assim, se não

descobrisse uma outra maneira de sair juntamente com o vaso, ele daria a ele preferência, para que o

mundo conhecesse a mensagem dos rolos. O pensamento de ficar retido naquela prisão, contudo, o

entristecia, pois ficaria impossibilitado de testemunhar o engrandecimento do vaso perante as nações.

Não encontrando nenhuma outra solução para libertar o vaso com os rolos, levantou-os

cuidadosamente rumo à passagem, mas a mesma revelou-se por demais estreita para contê-los.

Desesperava-se por não encontrar uma solução, quando uma voz soou-lhe aos ouvidos,

dizendo:

- Leia a última parte do rolo, onde a sua história é contada.

Imediatamente abriu o rolo, e procurou pela sua história. Ao encontrá-la, saltou tudo o que já

sabia, até chegar àquele momento em que estava com o Livro nas mãos. Passou a ler as seguintes

palavras:

"Na hora de sua maior angústia, o beduíno lembrou-se do meu Rolo, e, ao lê-lo, ficou sabendo

sobre uma machadinha e sobre os restos de tecidos deixados junto ao vaso: Com a machadinha ele

ampliou a boca da caverna, e com os tecidos fez uma corda com a qual puxou o vaso para fora".

Depois de ler esta declaração do Rei de Salém, o pequeno beduíno começou a procurar, até que

- 45 -

viu a machadinha descrita, como também os restos de tecidos, com os quais preparou a corda.

Começou logo em seguida a executar sua tarefa: com a machadinha nas mãos, subiu no jarro e,

depois de jogá-la para fora, saltou atrás. Sob um sol escaldante, passou a escavar a rocha, removendo

muitos pedregulhos que entulhavam a boca da gruta. Era um trabalho muito cansativo, tendo muitas

vezes de parar para descansar. Ao chegar à noite, saltou novamente para junto do vaso, retornando na

manhã seguinte ao trabalho.

Ao ver que a fenda fora ampliada o suficiente, o menino pulou para dentro da cova a fim de

concluir os últimos preparativos. Depois de colocar os sete rolos dentro do jarro, amarrou-o

firmemente com a corda de pano, retornando ao exterior da caverna, pronto para realizar a parte mais

emocionante de todo aquele trabalho.

Ao puxar com todas as forças da alma e dos músculos aquele jarro para fora, ele sentia pela

primeira vez a emoção de um pai que, depois de ansiosa espera, vê sair do ventre de sua esposa o

primeiro filho.

Quando os sete rolos, protegidos por aquele lindo jarro, chegaram à superfície a salvo, o

beduíno chorou de alegria. Todo aquele passado de lutas e sacrifícios ficaria agora no esquecimento.

Lembrando-se de seus três irmãos, passou a sentir um grande amor por eles. Tinha vontade de saltarlhes

ao pescoço, para agradecer todo o bem que haviam lhe feito, lançando-o naquela escura gruta.

Foi com esse espírito de alegria, amor e perdão, que o pequeno beduíno, tomando sobre si o pesado fardo,

começou uma longa e penosa caminhada em direção ao acampamento de sua tribo Taamireh, junto ao Mar Morto.

A Nova Ordem Mundial

Seg, 29 de Agosto de 2011 22:37

"A ordem internacional da Guerra Fria refletiu-se em um modelo teórico e didático de apreensão do espaço mundial. Esse modelo fundado na subdivisão do globo nos "três mundos" dos livros de geografia apoiava-se em realidades que entraram em colapso.
A nova ordem mundial implica a revisão dos conceitos tradicionais que, por décadas, serviram para explicar a organização geopolítica e geoeconômica do espaço mundial.
O deslocamento da natureza do poder dos arsenais nucleares e convencionais para a eficácia, produtividade e influência das economias constituiu um dos mais notáveis fenômenos que acompanharam a dissolução da ordem da Guerra Fria.
A multipolaridade do poder global substituiu a rígida geometria bipolar do mundo do pós-guerra. A internacionalização dos fluxos de capitais e a integração dos fluxos de capitais e a integração das economias nacionais atingiram um patamar inédito. Como conseqüência, os pólos de poder da nova ordem mundial apresentam contornos supranacionais. Delineiam-se megablocos econômicos organizados em torno das grandes potências do fim do século.

  • Na América do Norte, constitui-se a Nafta, polarizada pelos Estados Unidos.
  • Na Europa, a Alemanha unificada funciona com eixo de ligação entre o leste e o oeste do continente.
  • No Pacífico, o Japão centraliza uma vasta área de influência.

A dissolução do Segundo Mundo expressa na transição para a economia de mercado na antiga União Soviética e Europa oriental suscita questões cujas respostas somente aparecerão nos próximos anos.
A geometria do poder europeu depende ainda do desenvolvimento das relações econômicas e políticas entre a Alemanha unificada e a Rússia pós-comunista. Essas relações podem conduzir ao deslocamento do eixo de poder europeu para o segmento da reta Berlim-Moscou, que se tornaria o sucessor do velho triângulo Londres-Paris-Bonn.
As reformas econômicas chinesas apoiadas sobre o alicerce do poder monolítico comunista - representam uma reorganização radical do espaço do leste asiático. Os crescentes investimentos dos chineses de Formosa, dos coreanos do sul e dos japoneses no território continental da China assinalam a integração de Pequim à esfera econômica polarizada por Tóquio. Os indícios de retomada das relações políticas e diplomáticas entre Japão e China abrem a possibilidade da emergência de um poderoso bloco supranacional asiático.
O Terceiro Mundo funcionou, por muito tempo, como um conceito crucial na reflexão e na prática didática da geografia. Ele representou uma tentativa de cartografar a pobreza, definindo seus contornos em escala global. A nova ordem mundial assinala a fragmentação do Terceiro Mundo em espaços periféricos, que tendem a se integrar marginalmente aos megablocos econômicos.

  • Os "Dragões Asiáticos" e os países pobres da Ásia meridional funcionam como áreas de transbordamento dos capitais japoneses.
  • A Europa do leste e do sul, bem como a África do norte, associa-se ao núcleo próspero da Europa centro-ocidental.
  • A América Latina entrelaça seu destino ao da América do Norte.

A nova ordem mundial ergueu-se sobre uma revolução tecnocientífica que reorganiza o alocamento dos capitais no espaço geográfico. A crise das velhas regiões urbanas e industriais desenvolve-se paralelamente à emergência de eixos de crescimento econômico apoiado em novas tecnologias industriais, nas finanças e nos serviços. Nesse movimento, a pobreza dissemina-se por toda a superfície do globo, avançando sobre as fronteiras do Primeiro Mundo e instalando-se no coração dos Estados Unidos e da Europa ocidental. No mundo todo, microespaços de prosperidade convivem com cinturões envolventes de pobreza e desemprego. Vastas regiões da África Subsaariana, América Latina e Ásia meridional conhecem as tragédias associadas à miséria absoluta. A nova ordem mundial não é mais estável ou segura que a ordem da Guerra Fria. Se o espectro da catástrofe nuclear parece ter sido afastado, novos demônios tomaram-lhe o lugar. A emergência dos nacionalismos e da hostilidade étnica, o ressurgimento do racismo e da xenofobia e a multiplicação dos conflitos localizados evidenciam a componente de instabilidade introduzida pela decadência das velhas super-potências. O século vindouro não promete um mundo melhor para se viver que o século que se encerra".

CODIGO DA BÍBLIA

Seg, 29 de Agosto de 2011 23:42

A divulgação mundial da descoberta de um código na bíblia judaica (antigo testamento), veio através de um livro intitulado de "O Código da Bíblia", escrito por um jornalista americano chamado Michael Drosnin, que foi o divulgador do assunto. Todavia Drosnin é apenas o canal da informação, pois o verdadeiro descobridor é um cientista judeu, chamado Dr. Eliyahu Rips, que reside há mais de vinte anos no estado de Israel e que atualmente é professor na Universidade Hebraica da capital Jerusalém.

A prova da autenticidade desta descoberta se dá na precisão de mais de mil fatos que aconteceram, com detalhes e datas, tudo codificado nos cinco livros de Moisés (O Torah), tais como: o assassinato de dois membros da família Kennedy, o atentado à bomba de Oklahoma, a eleição de Bill Clinton, tudo desde a II Guerra Mundial até o caso Watergate, do Holocausto Nazista até a bomba de Hiroshima, da chegada do homem à Lua até a queda de um cometa em Júpiter, a descoberta da data da Guerra do Golfo vinte e um dias antes de ela acontecer, a data do assassinato de Ytzhak Rabin mais de um ano antes do crime ter ocorrido em Tel-Aviv.

O interessante é que o código aparece no inverso do texto bíblico, além da surpreendente descoberta de que em cada profecia messiânica do antigo testamento, apesar de os judeus não aceitarem a Jesus como o Messias, aparece no código a seguinte frase: "O meu nome é Jesus, Eu sou o Messias". Contudo, o código apresenta três fatos que na seqüência das informações ainda não aconteceram:

1º. O código apresenta a I e a II Guerras Mundiais com todos os detalhes, as datas e os nomes dos envolvidos. Na seqüência, em torno do sobrenome do ex-ministro de Israel, Benjamim Netanyahu, e da palavra Jerusalém, o código apresenta as seguintes frases:

- Dia da III Guerra Mundial; - Todo o seu povo irá para a guerra; - Holocausto atômico em Jerusalém; - 9 de Av - 5760/5766 (calendário judaico), que traduzido para o nosso calendário gregoriano será em torno de 25 de julho de 2000/2006. Porém, o calendário judaico não tem vogais para se saber a relação entre 2000 e 2006.

2º. O código apresenta vários terremotos, desde os que aconteceram há muito tempo até os mais recentes.

Ex.: o maior terremoto do mundo, que aconteceu na China em 1976, na cidade de Tang Chan, onde mais de 800.000 chineses morreram. E continuando, o código apresenta mais três grandes terremotos que virão: dois deles entre os anos de 2000 e 2006, sendo um na China e outro no Japão, e um outro em Los Angeles (EUA) com informações que, segundo o código, indicam o seu total desaparecimento do mapa em 2010.

3º. O código apresenta o choque de um cometa com o planeta Júpiter, que aconteceu em 1994. Em sua seqüência aparece a queda de três cometas gigantescos no planeta Terra; a primeira em 2006, a segunda em 2010 e a terceira em 2012, sendo que esta última se esfacelará antes do choque. A predição de dois cometas caindo na Terra encontra-se no livro das revelações (Ap. 8:8-10)

Resumo do livro de M. Drosnin:

No final do século XVIII, um sábio judeu, conhecido como Genius de Vilna, referindo-se à Torah, os cinco primeiros livros da Bíblia, afirmou:

"A regra é que tudo o que foi, tudo o que é e tudo o que será, até o fim dos tempos, está incluído na Torah da primeira à última palavra. E não só num sentido geral, mas nos detalhes de cada espécie e de cada um individualmente, com detalhe dos detalhes de tudo o que lhe aconteceu desde o dia de seu nascimento até sua morte" (O Código da Bíblia, p.18, de M. Drosnin).

Transcorria a Segunda Grande Guerra Mundial, quando um rabino da Tchecoslováquia chamado H.M. Weissmandel, movido pelo desejo de encontrar um possível código na Bíblia, começou a contar as letras hebraicas da Torah. Já no primeiro capítulo de Gênesis, notou que, saltando 50 letras e depois outras 50, e assim por diante, soletrava-se a palavra TORAH. Admirado, viu que o mesmo resultado podia ser encontrado nos demais livros que compõem a Torah. Este surpreendente resultado, que não pareceu-lhe casual, levou-o a escrever um pequeno livro, falando de sua descoberta.

Cinqüenta anos depois, o Dr. Eliahu Hips, um matemático de fama mundial, que é catedrático na Universidade de Jerusalém, ouviu através de um rabino, sobre esse curioso livro, cuja única cópia podia ser encontrada na Biblioteca Nacional de Israel. Curioso, Hips foi em busca de tal livro, e pode comprovar o curioso fato em sua própria Bíblia.

Hips, lembrou-se de outros cientistas que, muito antes dele, haviam investido tempo à procura de um possível código na Bíblia. Isaac Newton fora um deles. Newton, que havia imaginado a mecânica do sistema solar, havia descoberto a força da gravidade, aprendeu o hebraico, e passou metade de sua vida tentando descobrir esse código, o qual acreditava existir.

O Dr. Eliahu Hips, tinha uma grande vantagem sobre Newton: ele possuía uma ferramenta poderosa: o computador. Quando recorri ao computador, afirmou Hips, achei a brecha. Encontrei palavras codificadas, numa quantidade muito maior do que o permitido pelo acaso randômico da estatística, e então soube que estava chegando a algo de real importância"(O Código da Bíblia, p. 21).

Juntou-se ao Dr. Eliahu Rips em sua pesquisa, dois outros eruditos judeus, Doron Witztum, e Yoav Rosemberg. Desenvolveram um sofisticado modelo matemático que, quando implementado por um computador, confirma que o Antigo Testamento, não só a Torah, contem mensagens codificadas. Prepararam inicialmente uma tese denominada "Seqüências Alfabéticas Eqüidistantes no Livro de Gênesis". Introduziram a tese com um resumo de seu significado:

"A análise randômica indica que informações ocultas estão estremeadas no texto do Gênesis, sob a forma de seqüências alfabéticas eqüidistantes. O efeito é significativo em 99,998%. Observou-se, que quando o Livro do Gênesis é escrito como séries bidimensionais, seqüências alfabéticas eqüidistantes formando palavras com sentidos correlatos aparecem freqüentemente em estreita proximidade. Foram desenvolvidas ferramentas quantitativas para mensurar este fenômeno. A análise de randomização mostra que o efeito é significante ao nível de 0.00002"( O Código da Bíblia, p.22 e apêndice 1).

Na experiência inicial - o que seria posteriormente empregado em toda a Torah e outros livros da Bíblia - todas as letras hebraicas que compõe o livro de Gênesis, foram unidas formando um único fluxo, sem nenhum espaço, como originalmente foi escrito. Organizaram todo o texto num quadrado perfeito, havendo tanto nas linhas horizontais como nas verticais, a mesma quantidade de letras, exceto na última linha. Foi nesse quadrado perfeito, que o código começou a ser revelado, primeiramente no livro do Gênesis, depois em toda a Torah, em palavras cruzadas que na tela do computador se apresentam em diferentes cores.

Ao observarem que algumas palavras iniciavam-se em uma extremidade do texto, dando continuidade na outra, resolveram unir essas extremidades formando um cilindro, no qual a primeira linha se une à segunda, a segunda à terceira, e assim continuamente, até alcançar a linha final.Com esse modelo, qualquer palavra que surgisse, poderia ser lida numa única seqüência.

Para confirmarem a não casualidade das revelações que poderiam encontrar codificadas na Bíblia, os pesquisadores submeteram ao teste outras obras, entre elas a versão hebraica de Guerra e Paz, de Tolstoi, que tem a mesma dimensão da Torah. Em todas as experiências realizadas nessas obras, o resultado foi nulo, sem a presença de nenhum código.

A experiência inicial, foi buscar nomes de personagens importantes da história do judaísmo, desde os dias bíblicos até nossos dias. Fizeram uma relação com 32 nomes. Ficaram impressionados com o resultado, pois além do nome de cada um deles, podia-se ver as datas em que nasceram e morreram. Matematicamente falando, as probabilidades de encontrar randomicamente essas informações codificadas, eram de 1 em 10 milhões.

Tomaram então os 32 nomes e as 64 datas, e as misturaram em 10 milhões de combinações diferentes, de modo que 9.999.999 seriam incompatíveis e só um emparelhamento seria correto. Eles então rodaram esse programa no computador, para ver quais dos 10 milhões de exemplos alcançariam melhor resultado, e só os nomes e as datas corretas se uniram na Bíblia.

Harold Gans, um decodificador da Agencia de Segurança Nacional, dos Estados Unidos, ouviu com incredulidade sobre a descoberta dos israelenses, e procurou-os com o intento de desmascarar esse código da Bíblia, que para ele não passava de uma farsa ridícula. Gans preparou seu próprio programa de computador, e ao submeter o livro de Gênesis ao teste, surpreendeu-se ao ver os nomes dos 32 personagens, acompanhados pelas datas de nascimento e morte. Dominado pelo fato curioso, indagou sobre a possibilidade de encontrar junto aos nomes desses personagens, os nomes das cidades em que viveram. O resultado foi fantástico: ali estavam as cidades nomeadas ao lado de cada sábio. Desta maneira, o primeiro a tentar desmascarar o código da Bíblia, acabou comprovando-o.

Rips e seus amigos, submeteram seu ensaio aos mais rigorosos testes que foram aplicados pelos maiores matemáticos do mundo, muitos deles ateus, e todos eles se dobraram diante do fato incomum. Diante de seus olhos, na tela do computador, estava uma prova de a Bíblia foi elaborada por uma inteligência infinitamente superior que a dos homens. Descobriram ser tão complexo o código da Bíblia, que todos os computadores do mundo trabalhando juntos, seriam incapazes de elaborarem algo semelhante.

Rips é religioso, e não teve dúvidas de que ao descobrirem tal código, estavam sendo conduzidos por Deus para alguma revelação especial. O seu próximo passo, depois da experiência com o livro do Gênesis, foi uma busca em toda a Torah. O que poderiam revelar aquelas 304.805 letras, organizadas em seqüência ininterrupta? Teria o código algo a dizer sobre os grandes acontecimentos da história?

Movido por um sentimento de curiosidade e temor, Rips e seus amigos começaram suas buscas , e ficaram surpresos com os resultados precisos e detalhados. Procuraram primeiramente por Holocausto , e o computador, rastreando velozmente todo o texto, letra por letra, começando da primeira até à última, buscando a palavra chave e as demais correlatas, em saltos aritméticos que iam crescendo de números simples até alcançar milhares de letras; Com espanto, viram surgir finalmente, concentradas na tela do computador, uma revelação surpreendente pelos seus detalhes. Ali estavam, diferenciadas pelas cores, as palavras: Hitler, Homem Mau, Nazista Inimigo, Massacre.

Outro rastreamento do texto, revelou formações mais detalhadas sobre o Holocausto. A expressão Nazista, surgiu codificada com as palavras Na Alemanha; As palavras Fornos e Extermínio, apareceram vinculadas ao nome Eichmann - aquele que comandou o grande massacre.

Avançando em suas buscas, descobriram que todos os lideres da Segunda Guerra Mundial, apareciam juntos naquele código: Roosevelt, Churchil, Stalin e Hitler.

Rips e seus amigos, ficaram fascinados ao verem que o código da Bíblia não se calava sobre nenhum dos grandes acontecimentos da história. Napoleão, por exemplo, está codificado junto com França, Waterloo e Elba. A grande Revolução comunista que mudou a face do século XX, está codificada junto à palavra Rússia, e o ano em que triunfou 5678 ( 1917).

Procuraram por Einstein, e viram surgir na tela do computador o seu nome, cruzado por outras palavras e frases: Ciência, Um Novo e Excelente Entendimento, Ele Revolucionou a Realidade Presente, Uma Pessoa Inteligente.

Edison encontra-se codificado com Eletricidade e Lâmpada Elétrica. Grandes artistas e escritores, inventores e cientistas de todos os tempos encontram-se codificados. Beethovem e Bach estão ambos codificados com Compositores Alemães.

Todos os assassinatos que mudaram o curso da história humana, encontram-se codificados: Abraham Lincoln, Mahatma Gandhi, Anuar Sadat, a maioria deles com detalhes que revelam a data e o nome do assassino. Na única vez em que aparece Presidente Kennedy, a palavra seguinte na mesma seqüência do código é morrer. O nome da cidade Dallas, em que seria alvejado encontra-se codificado, junto ao nome do assassino Oswald. O nome do presidente egípcio Anuar Sadat aparece junto com o nome do assassino Chaled baleará Sadat, acompanhado pela data do crime 8 Tishri, e a ocasião do atentado, um desfile militar.

Depois de descobrir uma infinidade de nomes de pessoas, acontecimentos e datas que marcaram a história da humanidade, o Dr. Eliahu Rips e seus amigos começaram a indagar se aquele código da Bíblia, poderia indicar-lhes acontecimentos futuros. Por essa ocasião, final de dezembro de 1990, nações do Ocidente, lideradas pelos Estados Unidos da América, formavam um grande cerco contra o Iraque, devido sua invasão recente ao Kuwait. Rips procurou pelo nome de Sadan, e ficou espantado com o que surgiu na tela de seu computador. Ali estavam, destacadas em cinco cores diferentes, num padrão de palavras cruzadas, o nome de Sadan Hussein, acompanhado por surpreendentes revelações: Inimigo, Ele escolheu um dia, Guerra, Missil, Fogo no Terceiro Dia de Shevat ( 18 de janeiro de 1991).

Diante desta revelação, Rips ficou preocupado, mas ao mesmo tempo eufórico. Pela primeira vez o código revelava um acontecimento vinculado à uma data ainda futura. Foram três semanas de muita expectativa. Ao chegar o dia marcado no código, Rips, como toda a população de Israel achavam-se de sobreaviso para um possível ataque do Iraque. Confirmou-se naquele dia aquela previsão que fora codificada na Bíblia há mais de 3.000 anos, quando caiu sobre Tell Aviv o primeiro de uma série de mísseis scuds lançados sobre Israel. Rips, tomado por um sentimento de reverência, concluiu que Deus, descerrara-lhes o código da Bíblia, com o propósito de provar aos incrédulos a importância das Sagradas Escrituras, e ao mesmo tempo, alertar para grandes acontecimentos que se aproximavam.

O código da Bíblia, cujas revelações já haviam sido confirmadas por vários pesquisadores eruditos de Israel e do mundo, despertou finalmente o interesse de pessoas dentro do governo de Israel. Assim como os reis de Israel no passado, procuravam nas pedras da estola sacerdotal, Urim e Tumim, respostas para os seus temores, os agentes secretos do Mossad, haveriam de recorrer ao código da Bíblia( Ver I Samuel 28: 6).

Rips, dada a importância de sua descoberta, conscientizou-se de que a mesma teria de ser amplamente publicada, para que todo o mundo pudesse conhecer suas revelações, mas não sabia como isso haveria de acontecer. Visitou-o naqueles dias, Michael Drosnin, jornalista e repórter da Washington Post; Depois de ouvir de um amigo sobre a surpreendente descoberta de Rips em relação à guerra do Golf,. Drosnim, que era ateu, fora até ele, mais movido pelo desejo de ridiculá-lo do que verificar o fato. A primeira coisa que o jornalista fez, foi tomar uma Bíblia que estava sobre a mesa, desafiando Rips a mostra-lhe tal profecia sobre o Iraque. Sorrindo, Rips disse-lhe que o código da Bíblia, somente podia ser lido através do computador.

Cheio de incredulidade, Drosnin viu Rips digitar o nome de Sadan no espaço para busca. Surgiu em instantes o impressionante resultado. Rips fez o mesmo teste em Guerra e Paz, e nada apareceu. Drosnin estava pasmado. Aquilo era uma prova de que uma inteligência muito superior à nossa, foi capaz de codificar dentro de um texto tão amplo como a Torah, acontecimentos futuros.

Drosnin, que jamais se interessara pela Bíblia, decidiu investigar em seu computador o código. Rips forneceu-lhe para tanto todos os disquetes com o programa de procura e os textos da Torah e Guerra e Paz. Retornando aos Estados Unidos, Drosnin não pensava em outra coisa, passando longas horas em sua pesquisa. Depois de rever tudo o que já havia sido encontrado, ele começou a fazer suas próprias buscas.

Em maio, de 1994, Drosnin ficou surpreso com o que encontrou. Ele havia lido sobre o cometa Shoemaker - Levi, que segundo a previsão dos astrônomos haveria de chocar-se com Júpiter no dia 16 de julho daquele ano, dois meses depois. Ao procurar por Júpiter , encontrou-o numa seqüência horizontal, e cruzando-o em linha perpendicular, numa representação gráfica da queda do cometa, estava o seu nome completo, acompanhado pela mesma data que fora anunciada pelos astrônomos, o que veio a se cumprir com precisão.

Falando sobre o efeito desta descoberta em sua vida, Drosnin afirmou:

"Esta descoberta foi tão dramática que me fez voltar a acreditar em tudo. Durante aqueles dois anos de investigação, eu estava sempre me perguntando: -Será que isso é mesmo verdade? Teria alguma inteligência não-humana realmente codificado a Bíblia?" Cada manhã eu acordava duvidando de tudo, apesar das provas esmagadoras " ( O Código da Bíblia, p. 35).

Drosni, compreendeu que a ausência de uma única letra na Torah, anularia todo o esquema. O próprio Yoshua, referindo-se à integridade da Lei, que é a Torah, jurou: "Em verdade vos digo que até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da Lei, sem que tudo seja cumprido" (S.Mateus 5: 18). Para que este propósito divino fosse cumprido, os massoretas, os judeus que ao longo dos séculos trabalharam incansavelmente copiando a Bíblia, exerceram um cuidado extremo. Ao fim de cada cópia, contavam todas as letras do texto; Se a soma delas não correspondesse ao original, o livro era lançado ao fogo.

Pouco tempo depois de encontrar no código da Bíblia a surpreendente revelação sobre o cometa Shoemaker - Levi, Drosnin ficou profundamente abalado, quando ao digitar o nome de Ytzhak Rabin, viu surgir na tela, atravessando o seu nome, na única vez em que aparece, em saltos de 4.772 letras, a sentença Assassino que assassinará. Junto à sentença, encontrava-se o ano judaico 5.756, que começaria em finais de 1995. Naquela mesma noite, 1 de Setembro de 1994, Drosnin voou para Israel com o propósito de alertar o primeiro ministro, tentando preveni-lo para que evitasse esse trágico fim.

Chegando a Israel, não conseguindo contato direto com Ytzhak Rabim, fez chegar até ele uma carta, através do poeta Chaim Guri que era amigo íntimo do primeiro ministro. A parte principal de sua carta dizia o seguinte:

"A razão pela qual estou lhe dizendo isso, é que, na única vez em que seu nome completo - Yitzhak Rabim - está codificado na Bíblia, as palavras " Assassino que assassinará" o cruzam. Este fato não deve ser ignorado, pois os assassinatos de Anuar Sadat e de John e Robert Kennedy também estão codificados na Bíblia - no caso de Sadat, com o nome e sobrenome de seu matador, bem como a data e local do crime e como ele se deu. Penso que você corre perigo real; mas esse perigo pode ser evitado" ( Iden. 13).

Rabim não levou a sério a advertência. Um ano depois, em 4 de novembro de 1995, confirmou-se a trágica previsão, no início do ano indicado. Somente então, Drosnin e Rips, descobriram que próximo ao nome de Rabim, encontravam-se codificadas outras informações relacionadas ao crime, incluindo o nome da cidade Tel Aviv e o nome do assassino Amir.

Outra frase codificada no conjunto de palavras e frases ligadas ao assassinato de Rabim, era a seguinte: A partir do dia quinto de Adar todo o seu povo para a guerra. O dia 5 de Adar no calendário judaico, cairia no ano seguinte em 25 de fevereiro. O que poderia acontecer naquela data, capaz de desviar Israel de seus esforços para a paz, levando-o para uma posição de guerra?

Quando chegou o dia 25 de fevereiro de 1996, Israel foi atingido pelo pior ataque terrorista dos últimos três anos. Um jovem palestino, com uma bomba presa ao corpo, explodiu um ônibus em Jerusalém, matando 23 pessoas. Nos nove dias seguintes, duas outras bombas terroristas, elevaram o número de mortos para 61.

Antes destas bombas começarem a explodir no dia previsto, a nação de Israel, sensibilizada com o assassinato de Yitzhak Rabim por um próprio judeu, estava quase que em massa disposta a elegerem como novo primeiro ministro, Shimon Peres, um dos arquitetos da paz com os palestinos. Concorria com ele um oponente da paz chamado Netanyahu, cujas possibilidades de sair vitorioso nas eleições, eram mínimas, até que começaram a ocorrer os atentados. Sua pregação contra aquela paz com os palestinos começou então a ganhar força entre os israelenses, mas uma grande maioria ainda parecia apoiar a paz.

Uma semana antes da histórica eleição de 29 de maio de 1996 em Israel, Drosnin que era favorável à pacificação de Simon Peres, procurou no código da Bíblia pelo seu nome e nada foi revelado com relação à uma possível vitória. Experimentou então Netanyahu, e viu surgir para sua surpresa: Primeiro-ministro Netanyahu, eleito, Bibi. Bibi é o seu apelido em Israel.

Quando se confirmou a vitória de Netanyahu, Drosnin, juntamente com o Dr. Eliahu Rips, fizeram uma minuciosa procura no código da Bíblia, e ficaram surpresos ao verem que o nome do novo primeiro ministro, encaixava-se justamente entre Yitzhak Rabim, seu assassino Amir, logo acima da frase Todo o seu povo para a guerra.

Associadas ao nome de Netanyahu, começaram a descobrir outras formações de frases e palavras: Sua vida será ceifada; Assassinado; Para grande horror; Holocausto atômico.

Rips e Drosnin ficaram apavorados ao verem o nome do novo primeiro ministro associado a todas essas declarações de catástrofe. Aquele código da Bíblia, que os atraíra pouco a pouco, conquistando confiança através de suas curiosas revelações, os encaminhava agora num crescendo, aturdindo-os com sua misteriosa voz. Qual seria a próxima revelação desse código?

Com profundo temor, depois de lerem na tela do computador, associadas ao nome de Netanyahu, as duas espantosas palavras: Holocausto Atômico, eles procuraram descobrir o que revelariam estas mesmas palavras em formações de saltos aritméticos diferentes. Na primeira experiência encontraram: Holocausto Atômico, No fim dos dias. Depois encontraram: Fim dos dias, Pragas, Salvem!. O código da Bíblia revelou-lhes finalmente a mais espantosa de todas as revelações. Drosnin descreve esta descoberta com as seguintes palavras: "Quando abrimos o código em busca da Terceira Guerra Mundial, descobrimos que o ano em que ela poderia começar estava predito num pergaminho de 22 linhas que é a essência da Bíblia.

Tal pergaminho é chamado "Mezuzah".

Contém 170 palavras que, dentre todas as 304.805 letras dos cinco livros originais da Bíblia, Deus ordenou fossem mantidas num rolo de pergaminho em separado e colocado na entrada de cada residência. "Em 5760 " e "Em 5766", os anos 2000 e 2006, estão codificados naquelas 170 palavras. "Guerra Mundial" na única vez em que está codificada em toda a Bíblia, aparece no mesmo trecho, e cruza um dos versículos sagrados. "Holocausto Atômico" na única vez em que está codificado na Bíblia, também aparece junto com os dois mesmos anos nos mesmos versículos do pergaminho...E no local em que os anos 2000 e 2006 estão codificados, o texto oculto do pergaminho sagrado alerta-nos sobre a guerra: Bombardearão seu pais, terror, devastação, está sendo lançada"(O Código da Bíblia, 123,124).

O pergaminho sagrado conhecido como "Mezuzah", que em suas 170 palavras hebraicas contém codificadas tão sérias predições, consiste no texto de Deuteronômio 6: 4 - 9 que diz:

"Ouve, Israel: o Senhor teu Deus é o Único Senhor. Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de toda a tua força. Estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração. Tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, andando pelo caminho, deitando-te e levantando-te. Também as atarás na tua mão por sinal, e te serão por faixa entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais da casa, e nas portas".

Drosnin continua: "Não poderia ser por mero acaso que os anos mais claramente codificados junto com "Guerra Mundial" estivessem ambos, ocultos nas 170 palavras que foram preservadas num rolo de pergaminho em separado durante três mil anos, e ainda hoje são presos ao umbral da porta de quase todos os lares em Israel. Se uma simples letra estiver faltando, um Mezuzah não pode ser utilizado. "Alguém" queria ter absoluta certeza de que, não importa o que pudesse acontecer ao restante da Bíblia, essas 170 palavras, esse rolo de pergaminho seria preservado, tal como originalmente escrito, com seu código intácto" (O Código da Bíblia, 124).

Para enfatizar a seriedade das advertências reveladas no texto da Mezuzah, Drosnin conclui:

"E aquele antigo código, que agora predizia que a Terceira Guerra Mundial poderia começar dentro de uma década, também predissera que a Segunda Guerra Mundial começaria " em 5700 " - no nosso calendário moderno, 1939 /1940...Armagedon nos anos 2000 - 2006 era o alerta codificado nos mesmos versículos sagrados da Bíblia, o código cuidadosamente preservado no Mezuzah" ( O Código da Bíblia,124).

Drosnin, sempre indagou o porque ele, um ateu, fora envolvido nessa questão tão séria. Poucos dias após a morte de Rabim, ele fizera esta pergunta para o Dr. Eliahu Rips, que respondeu-lhe: - É justamente por isso que você está envolvido nisso. Você pode contar ao mundo moderno sobre o código da Bíblia.

Sentindo ser esta a sua missão, Michael Drosnin, que já trabalhou no Washington Post e no Wall Street Journal; autor de Citizen Hughs, livro que esteve na lista de best-sellers do New York Times, escreveu o seu novo livro, O Código da Bíblia, onde revela a impressionante história de sua descoberta, as pesquisas que foram feitas, bem como suas comprovações.

Desde o seu lançamento nos Estados Unidos em 1997, O Código da Bíblia tem sido um best-seller absoluto, e tem se mantido no alto da lista dos livros mais vendidos em todos os países onde já foi publicado, entre os quais, Inglaterra, Alemanha, França, Itália, África do Sul, Austrália, Japão, Portugal, Espanha, Holanda, Brasil, etc.

SEPTUAGINTA

Dom, 06 de Novembro de 2011 14:47

O que é a SEPTUAGINTA ou LXX?

Enns (Arqueólogo e pesquisador) afirma que a "SEPTUAGINTA é uma tradução grega do Velho Testamento hebraico. Ela foi traduzida peça por peça em Alexandria, Egito, entre os anos de 50 e 150 AC. . .Escritores do Novo Testamento citaram às vezes a SEPTUAGINTA"? Mas que prova temos de tal tradução grega antiga do Velho Testamento que estava disponível ao Salvador e aos apóstolos? Não muita, como a seguinte citação indica:

"A tradução foi realizada indubitavelmente durante o 3° e 2° séculos a.C e é pretendido que fosse acabada já no tempo de Ptolemy II

Philadelphus, de acordo com a denominada Carta de Aristeas para Philocrates (130 - 100 A.C.). De acordo com a Carta de Aristeas, bibliotecário da Alexandria persuadiu Ptolemy II Philadelphus para traduzir a Torá para o grego para uso pelos judeus da Alexandria. A carta menciona que foram selecionados seis tradutores de cada uma das 12 tribos e que eles completaram a tradução em apenas 72 dias.

Enquanto os detalhes desta história são indubitavelmente fictícios, o núcleo de fato contido nisto é que: Parece ser que o Pentateuco foi traduzido para o grego em algum dia durante a primeira metade do 3° século a.C. Durante os próximos dois séculos o remanescente dos textos foi traduzido, como também algum livro' apócrifo e não-canônico. Isto é uma admissão espantosa. A única prova de origem da Septuaginta na era Pré-cristã é a Carta de Aristeas que, de acordo com a citação acima, dá detalhes que são "incontestavelmente fictícios", Isto é duro de tragar. No seminário nós ouvimos muitos pronunciamentos autorizados relativos à grande Antigüidade da Septuaginta, Nos sos professores, e os livros de ensino que eles nos fizeram ler, não poderiam estar errados, Seguramente, nós raciocinamos: deve haver alguma evidência definitiva de manuscritos! Bem, há alguma evidência de manuscritos, mas esta não apóia as origens pré-Judaicas nazarenas da Septuaginta Pois Judeus respeitam a Halarra: Autoridade doutrinal e espiritual, e, jamais um Iehudim (judeu) aceitaria a torah ser passada para uma língua pagã, pois isso desvirtuaria a autoridade da mesma, pois todos nós sabemos que 80% da língua Grega é pagã. Exemplo Hades (nome de ídolo) Anastasis (ressureição nome de uma deusa grega). Graça (nome de uma outra deusa) Jamais um Judeu aceitaria transgredir o Halarrá.

Unger escreve: "Os mais velhos e mais importantes manuscritos da Septuaginta são: (a) Códice Vaticanus (b) Códice Alexandrinus. . ."(c)Códice Sinaiticus.  Duas coisas golpearão o leitor perspicaz imediatamente, manuscritos que temos em mãos mais antigos vieram do quarto século d.C. Além disso, eles são: manuscritos corruptos nos quais o Texto notório de Westcott-Hort é baseado. Se estes são "os mais velhos e mais importantes dos manuscritos” da SEPTUAGINTA, nós temos que concluir que os mesmos não são tão antigos, e, portanto não são muito bons. Como professor de seminário, eu tenho ensinado a "linha tradicional" sobre a Septuaginta. Eu já não farei mais assim. A afirmação de que o Vaticanus e o Sinaiticus são "os mais velhos e, portanto, os manuscritos mais confiáveis" da Septuaginta não devem ser ignorados. Jones traz o quadro em aguçado enfoque ao escrever:

Constantemente nos é falado que Vaticanus e Sinaiticus são os mais velhos manuscritos gregos existentes, conseqüentemente, os mais fidedignos e melhores que eles são, de fato, os da Bíblia. Ainda o Texto Grego Novo que substituiu o Textus Receptus representa nas mentes da vasta maioria dos estudiosos o empreendimento privado de apenas dois homens, dois muito religiosos embora homens não convertidos, Westcott e Hort. Estes homens fundaram a "Bíblia" deles baseada quase que exclusivamente na quinta coluna do Velho Testamento de Origen e no Novo Testamento editado pelo mesmo. As leituras do Novo Testamento deles são derivadas quase que exclusivamente de cinco manuscritos, principalmente sobre-Vaticanus B. Além disso, deve ser visto que o testemunho destes dois manuscritos corrompidos é quase que o único responsável por todos os erros introduzidos nas Sagradas Escrituras em ambos os testamentos, isto, através dos críticos modernos!

Moorman dá dois exemplos de escritores que discutem sobre o tema de que não há nenhuma era pre-cristã da Septuaginta. Uma pessoa era Paul Kahle, Ele desenvolveu a teoria que a LXX teve sua origem nas muitas traduções orais gregas do Velho Testamento que posteriormente foi escrito para uso nos cultos depois da leitura do original hebraico. Peter Ruclanan manteve uma posição semelhante; Enquanto Kawe chama a "Carta de Aristeas" de propaganda, Ruclanan a taxa de uma "mera fabricação" e lembra que ninguém produziu uma cópia grega da Septuaginta que data de 300 antes d.C. Nunca o Salvador e os apóstolos citaram a Septuaginta.

Sobre a Reivindicação de Que o Salvador teria usado a Septuaginta, D. A. Waite desafia a contenção que o Senhor citou da Septuaginta. Em Mateus 5: 18 o Salvador falou sobre a Lei e disse: "Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum, passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido." Nosso Senhor falou do "i" e do "til", as menores partes das letras hebraicas. Quão pequeno? Bem, o "i" se refere à letra hebraica "yodh" que é do tamanho de uma apóstrofe; esta é um terço da altura das outras letras hebraicas. O "til" se refere aos chifres, ou extensões minúsculas, de algumas letras hebraicas, como o "daleth", algo parecido com o golpe vertical do lábio em nosso "m" ou "n"; Isto excluiria uma Bíblia grega, Além disso, o Novo Testamento se refere a uma divisão tripartite do Velho Testamento lei, profetas e salmos (Lucas 24:27, 44).

Os manuscritos do Velho Testamento grego são, Porém entremeados com escritos apócrifos, nunca reconhecidos como "escritura". Pelos Rabinos, ou pelo Salvador ou pelos apóstolos. -

Como vemos a Septuaginta é pobre, frequentemente se afasta do hebraico, e torce doutrinas importantes. O testemunho destes dois manuscritos corrompidos é quase que o único responsável por todos os erros introduzidos nas Sagradas Escrituras, em ambos os testamentos, isto na visão dos críticos modernos!

 . Esta é um terço da altura das outras letras hebraicas. O "til" se refere aos chifres, ou extensões minúsculas, de algumas letras hebraicas, como o "daleth", algo parecido com o golpe vertical do lábio em nosso "m" ou "n". Isto excluiria uma Bíblia grega. Além disso, o Novo Testamento se refere a uma divisão tripartite do Velho Testamento - lei, profetas e salmos (Lucas 24:27, 44).

 

Os manuscritos do Velho Testamento grego são, Porém entremeados com escritos apócrifos, nunca reconhecidos como "escritura" Pelos Rabinos, pelo Salvador ou pelos apóstolos.

O Livro Mais Poderoso de Todos os Tempos

Sex, 17 de Maio de 2013 18:30

O Livro Mais Poderoso de Todos os Tempos

Esclarecedor, Quebrando todo o sistema global Pré-estabelecido

Na antiga Babilônia... uma visão de  360 graus do  que realmente aconteceu na

História...

CRISTIANISMO O SOFISMA SECULAR

ABORDANDO

O que é o cristianismo? Qual sua origem? O que é ser cristão? O cristianismo nasceu no seio do judaísmo como é historicamente ensinado ou veio pejorativamente de fora para dentro do helenismo e do romanismo? O que representa toda a extensão do cristianismo hoje?

O LIVRO MOSTRA SEM RODEIOS DENTRO de um CONTEXTO HISTÓRICO E ARQUEOLOGICO:

QUEM É JESUS? QUEM É YESHUA?

PROVAS QUE YESHUA É O MASHIACH ESPERADO

POR QUE OS JUDEUS NÃO ACREDITAM EM YESHUA?

Uma resposta judaica messiânica Notziri

GUEMATRIA

A Importância de Sabermos o Nome de יהוה / YHWH

Na Redenção Final

O LIVRO DE MELQUISEDEQUE

Com o propósito de desmistificar esses enigmas, um tanto quanto desarmônico propôs uma ampla pesquisa bíblica com apoio nos texto e contexto históricos e arqueológicos, objetivando trazer à luz a face oculta do cristianismo que é na verdade o maior sofisma secular...

Quase 700 paginas de profunda pesquisa...

Adquira hoje mesmo

Email: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

00557191202965

CEP - Centro de Estudos Proféticos
contato: Robespierre@centrodeestudosprofeticos.com.br - Telefone: (71) 3492-5517