Aproveite esta promoção, nova Torah 2014.

Imuno-hai

Home / Acervo / Nossos estudos
A+ R A-
Estudos

Estudos (77)

Sáb, 17 de Setembro de 2011 22:28

GUERRA DOS CALENDÁRIOS

Publicado em Estudos Escrito pelo Robespierre Cardoso da Cunha
Verdadeiramente estamos no fim do tempo do fim, os acontecimentos tomam um curso alto e os últimos momentos da historia deste mundo é rápido. Há‟Satan, Sh‟muel bem sabe disso e esta investindo alto para desviar o quanto poder o povo da profecia que esta fazendo Teshuvah, para transgredir a Torah do Eterno, Kadosh Hu.
Guerra dos calendários é realmente antiga, afinal o controle do calendário significava exercer um domínio sobre toda a vida religiosa do povo, por isso que encontramos no mundo oriental 6 calendarios
1) O calendário Samaritano
2) Calendário Fariseu
3) Calendário Essênio
4) O calendário Proto Hillel
5) O calendário de Hillel
6) O calendário Caraíta
Porem a questão esquenta ainda mais ao perguntar? Que calendário Yeshua usava?
Não temos duvida, que o Mashiach Yeshua seguiu o calendário dado pela Torah.
Sabemos que muitas foram as tentativas dos Gentios de paganizar o povo Judeu e fazer desviar o povo de guardar as festas e os Shabatot. Um desses, realmente foi Antioco Epifanio, que além de blasfemar a Beit Hamikidash introduzindo a estatua de “DEUS”(ZEUS é mesma coisa), tentou desviar o povo da guarda da Torah, inclusive impondo um calendário babilônio no intuito de grecizar o povo com o seu paganismo.
Como esta escrito em Macabim 6:6-7
“Não se permita mais a guarda do Shabat, a celebração das antigas festas, nem mesmo confessar-se Judeu. Em cada mês em dia Natalício do Rei, realizava-se um sacrifício; os judeus eram odiosamente forçados a tomar parte do banquete ritual e, por ocasião das festas em Honra a Dionísio , deviam acompanhar forçosamente o cortejo de Baco, coroados com hera.”
É verdadeiro afirmarmos que profecia tem duplicidade aplicativa, tanto literalmente, e ao longo da historia, qual chamamos profeticamente. No drashar lançado por Daniel 7:25
“Magoarás os Santos do Altíssimo e perseguirás os Santos do Altíssimo e cuidarás em mudar as festas(Hag calendário) e a Torah.”
A profecia ali teve seu cumprimento literal na pessoa desse ímpio: Antioco Epifânio.
De maneira profética teve sua aplicação ao longo dos anos. Também teve aplicação direta para a ponta pequena de Daniel, apontava diretamente para o papado, que implantou seu sistema babilônico mesclando o Judaísmo Natzri com o Cristianismo que nasceu na terra de Shinar em Bavel. Constantino foi o homem da profecia citado por Daniel. No concilio de Nicéia, a ponta pequena, Constantino, escreveu uma carta aos Judeus Natzri, onde ele cita o problema da Páscoa católica Romana em relação a Peseach Judaica. Na sua carta ele deixa bem claro, que a data da peseach Judaica, nunca deveria coincidir com a páscoa romana, que tinha seu ápice na sexta feira da paixão(dia em que as mulheres choravam a Thamuz
2
Ezequiel 8:14) No trecho da sua carta que esta no museu do vaticano e publicada em muitos livros judaicos, ele diz:
“Se por acaso vós Judeus Natzirii, quiser se unir conosco, é necessário que essa peseach espúria de vocês seja mudada para o dia de nossa Páscoa verdadeira, se não aceitares a nossa proposta, não poderemos continuar convosco, que Deus vos ajude.”
Os padres católicos, e o vaticano cuidam capiciosamente que isto seja cumprido a risca, pois ao longo da história nunca a peseach caiu na páscoa católica, eles vigiavam muito essa questão, legado dado pelo próprio Constantino. Uma cópia dessa carta, esta nas minha mãos, são duas paginas do próprio punho do imperador e o problema ali exposto é a data da páscoa ou seja a imposição do seu calendário solar. A profecia teve ali seu cumprimento, pois todos sabem a história que eles impuseram esse calendário e mudaram O Shabatot e as festas santas, para as seis festas de Há‟Satan: Natal, carnaval, páscoa, são João, primeiro do ano e o domingo solar, dia de descanso pagão ate o dia de hoje.
Para entendermos melhor a situação e como o Eterno de Israel vigia sobre seu povo para cumprir seus mandamentos, estatutos e juízos, vamos mergulhar na historia e façamos um drashar profundo para saber e conhecer como era o processo real da contagem do tempo para sabermos exatamente em que dia cai a peseach. É importante adicionarmos aqui que se você erra a data da peseach, você erra todas as datas das outras 6 festas, com a primeira 7. Um exemplo de como se contava a peseach é o modelo até hoje dado por Elohim a Israel, vejamos a seguir no exemplo moderno, copiado desde a época de Moshé:
Início do 1º Mês Bíblico
A Lua Nova foi avistada em Israel a 4 de Abril de 2011 às 19h28 do Monte Ezequias por Nehemia Gordon e ás 19h29 por Yoel Halevi. A lua foi ainda avistada de Ashdod por Magdi Shamuel às 19h40.
Hoje é portanto o 1º dia do 1º mês bíblico.
Datas das Solenidades de YHWH para esta Primavera: Pesach (Páscoa) - na noite de 18 para 19 de Abril
3
Chag HaMatzot (Pães Asmos) - do pôr-do-sol de 18 de Abril até ao pôr-do-sol de 25 de Abril Shavuot (Pentecostes) - do pôr-do-sol de 11 de Junho até ao pôr-do-sol de 12 de Junho
Chodesh Sameach! (Feliz Lua Nova)
É assim se conta a festa de Peseach a partir da data que ela é vista pela primeira vez, assim sendo as outras festas são datadas a partir deste marco inicial.
O que acontece é que tem um grupo por aí de pessoas mal informada criando doutrinas satânicas e errada para desviar as pessoas da caminho do Eterno...
Essas pessoas inventam:
1) O primeiro dia da criação era a quarta feira, e sendo assim contando sete dias, o sábado vai cair Na terça feira e eles guardam esse dia e ensinam um monte gente a guardar o dia errado, que coisa terrível.
2) Eles chamam isso de calendário lunar
3) Enganam a milhares de pessoas pegam o texto fora do contexto nos outros versos das Escrituras, e as trevas riem deles.
O grande problema é: eles considerarem quarta feira o primeiro dia da criação. Vejam querido leitor eles sempre se opõe ao Eterno, O próprio criador estabeleceu
O Yom H‟shom o primeiro dia da criação e a luz que foi estabelecida, era exatamente as 22 letras, que são fótons neutrinos(que foi e é a matéria prima da criação de todo nosso universomposto de muon, electrom, esterom e espectrom ) Eles se opõe ao próprio Elorrim no estabelecimento do seu primeiro dia da Criação, esquecendo que a palavra hebraica Barah, ( Beit=2 Resh=200 alef =1) some o numero final igual 5, isto é, Criar=5 é feito de uma guimatria que é igual a 5, pois a criação da natureza foi assim feita em 5 dias no sexto criou o homem e no sétimo descansou.
Existem na Torah quatro níveis de interpretação das Escrituras que são a base e o fundamento central de sua compreensão, que se harmoniza como todo, o primeiro fundamento é chamado de P‟shat, significa simples, é o nível de compreensão direta da leitura das Sagradas Escrituras. Ex: “E disse: Tu és Keifá e sobre esta pedra...” (Mt. 16:18).
4
Remez: É o segundo nível que significa: se aprofunde mais. Ex: de remez é as parábolas, comparações metáforas etc... Ex: Bereshit (Gn. 3:15).
Drash: Pesquise (Profecias)
Sod: Significa oculto, se refere aos códigos bíblicos secretos, colocados pelo Eterno na Sua palavra; entre os códigos estão a guimátria, que era e é muito empregada pelos profetas.
Por conseguinte, vamos considerar a aplicação destes quatro níveis de interpretação, para entender melhor sobre o assunto.
Os primeiro Rabinos a pesquisar esse assunto e a se interessar pelo mesmo foi Bachya e Weissmandl, esse último, escreveu seu primeiro livro 23 anos antes sobre o assunto. A codificação que esta dentro da Torah no nível sod(Oculto) comentada por Bachya parecia bastante simples à superfície, mas tinha extraordinárias implicações quanto ao tipo de detalhes que poderiam ser encontrada na Torah através do códigos ali colocados pelo Eterno, através do “Salto de Letras”.O código descrito por Bachya era composto de quatro letras, separadas por um intervalo de 42 duas letras, começando com a primeira letra da passagem da abertura do Gênesis: “1Bereshit bará „Elo(rr)hím(i) et há shamaym v‟et há aretz.[ No princípio criou „Elo(rr)hím(i) os céus e a terra ]”
A antiga tradição Judaica sustentava que essas passagens não só descrevia a criação em geral, mas, guando adequadamente “deCodificadas”, revelam detalhes explícitos da criação, em particular a exata duração dos acontecimentos e ciclos astronômicos críticos. Dizia-se que nessa passagem continha o nome de Elohim com 42 letras codificadas, e a tradição afirmava que nome se referia as atividades de Elohim Adonai durante a criação e mesmo antes dela, estabelecendo as épocas e as estações.
O código especifico citado por Bachya tinha quatro letras (B)Beith,(H) Hei, (R)resh (D)dalet fרהב cada uma delas em intervalos de 42 letras.
Essas quatro letras representavam um numero e a partir desse numero podia-se calcular a duração do mês lunar. A duração do mês lunar, que é compatível com essa decifração, e tem sido usada a milênios pelos judeus, difere dos cálculos de culturas vizinhas, baseados na astronomia, que remontam à época do exílio na babilônia. Assim sendo onde os Judeus obtiveram seu numero e por que se mantiveram fieis a ele?
A Torah oral sustenta que guando Elohim criou a escrita, Ele também deu a Moshé informações adicionais, que não deveriam ser escritas e que seriam necessárias para adequar o cumprimento dos mandamentos. Essas informações adicionais formam o núcleo da tradição oral. Elohim também teriam explicados que dentro da Torah escrita sempre poderiam ser encontradas pistas para todas as coisas reveladas oralmente. A duração do ciclo lunar era parte dessas informções.
Veja o Midrash Sod H‟Ibbur: O Mistério da lua nova
“O senhor disse a Moshé e a Aarão: “...este Mês será para vós o começo dos meses...” e no momento em que Moshé, nosso mestre, recebeu esta ordem, o Eterno, Abençoado seja
5
Ele, transmitiu-lhe as regras exatas para intercalação da Lua Nova. Assim Ele deu a conhecer a Moshé o método para estabelecer as épocas e as estações.”
No século IV Hillel deu um passo extraordinário para preservar a unidade de Israel. Para impedir que os judeus espalhados por toda superfície da terra celebrassem suas luas novas, festas, shabatot diferentes das datas que o Eterno Deu a Moshé etc..Hillel tornou público o sistema de calculo do calendário, que até então foi mantido no mais alto sigilo.(Arthur Spier, The comprehensive hebrew calendar, twentieth second century 5860)
Nechunnya ben-HaKanah , que viveu na Judéia no século I, logo após a destruição de Israel pelos Romanos. Além de ser um especialista em diversos assuntos, afirmava especificamente se uma pessoa soubesse usar corretamente o nome com 42 letras encontraria a chave para a “ épocas e estações”. Contudo, a visão judaica tradicional atribui um profundo respeito à capacidade de calcular as estações e os meses, detectando e qualificando com precisão as relações entre o fluxo e o refluxo da lua (Tempos e as estações). Esse calculo racional, não mágico, é chave que liberta a mente para a contemplação do Eterno em sua beleza.
Verdadeiramente a duração do ciclo lunar “sinódico” de uma conjunção sol-lua até a seguinte é extremamente difícil de medir e calcular. Isso ocorre porque toda a revolução mensal da lua sobre a terra difere ligeiramente da anterior. Como diz o Talmude: o sol sabe o momento de descer, mas a lua não. A variabilidade lunar há muito tem desnorteado os astrônomos, temos que levar isso em conta.
Com o desenvolvimento das técnicas modernas de aproximação numérica que exigem computadores de alta velocidade, podemos agora gerar uma equação orbital boa e suficiente. Em 1923 antes do advento da computação mecânica, as equações calculadas a mão usavam 1500 termos para chegar uma aproximação. As aproximações atuais usam 6000 termos. Por causa dessas complicações, as estimativas cientificas para o mês lunar médio sofrem variações inevitáveis. Apesar disso, através de uma serie de cálculos complexos, a tradição oral judaica já sustentava que a duração média de um ciclo lunar era de: 29,53059 dias que corresponde ao que o Rambam descobriu, o grande Rabino. Em seu texto sobre o assunto, Maimônides(Rambam), deu-se o trabalho de enfatizar que o método produz uma média para o ciclo lunar.
Se esse numero 29,53059 dias para o mês lunar, não resulta na teoria e observação planetária, então de onde ele veio? Sabe-se sem sombras de duvidas que esse valor exato remonta muito antes do primeiro século, as evidências indicam que ele é muito mais antigo.
Tanto os babilônicos como os gregos daquela época tinham sistema de calendários, que compartilham muitas características com o calendário judaico. O problema com as sugestões dos estudiosos é que, embora próximos, nem o valor grego e nem o valor babilônico são exatamente o mesmo usado pelos os judeus. Isso prova que os judeus de fato não tomaram seus números dos gregos e dos babilônicos. Durante milênios o judeus se
6
mantiveram fies aos primeiros números. Agora Quanto valor exato do mês Lunar em que bases se apegava o Rambam ao valor transmitido pela Torah oral?
A antiga resposta todas as essas perguntas é simplesmente não obtiveram de ninguém a duração do mês lunar. Pelo contrario, dizia-se que guando Elohim deu a Moshé a sequencia de letras da Torah, Ele lhe deu também todas as explicações necessárias quanto ao que havia nela e como deveriam ser usadas. Maimônides em sua maior obra
A Mishne Torah, que estabeleceu os 613 mandamentos, poder-se-ia esperar que o valor ordenado do mês lunar no estabelecimento do calendário, tivesse alguma confirmação na Torah ocultamente codificada, e foi isso que aconteceu. O Rabino Weissmandl descobriu essa codificação e tomou como base o livro da Bachya.
Conclusão I (Baseado no livro a verdade por detrás do código da bíblia, Dr Jeffrey Santinover)
A data critica, e como usá-la, estava contida no midrash Sod HaIbbur(mistério da lua nova) durante muito tempo foi mantida em segredo dos babilônicos e dos gregos e dos romanos, todos estes suspeitavam que ele pudessem ser misteriosamente exata.
Por volta de 1582 tornou-se necessária uma segunda serie de reforma no calendário, a fim de eliminar dez dias acumulado desde a reforma do anterior calendário Juliano. O papa Gregório XIII ordenou que aqueles dez dias fossem eliminados e assim se fez. Contudo, o ciclo semanal não foi rompido. Porem Constantino, ao calcular o calendário Juliano cuidou que nunca a Peseach Judaica caísse no mesmo dia que a páscoa cristã paganizada. Até hoje esse ditado é dito entre eles:
“É melhor errar com a lua do que acertar com os Judeus”
Assim sendo, o SOD HaIbbur identifica certos momentos críticos do relato da criação, que vai se desenrolando até o instante especial, segundo a tradição oral, em que Elohim criou o tempo. A maior parte dos ensinamentos de Gamaliel, refere-se aos detalhes usados para calcular os tempos e as estações, e para lidar com aqueles que erram no calculo, com brandura, pois é muito fácil errar. Shaul foi aluno de Gamaliel e conhecia perfeitamente esse calculo que era passado aos alunos.
A Bri‟t Hadshá contem muitas alusões aos tempos e as estações, especialmente nas passagens proféticas, mas nada diz sobre métodos para calculá-los.
Se existe algo como data de partida original, ela seria muito útil. Mas onde poderíamos encontrar essa data de partida, o ano, mês, o dia da semana(sábado do sétimo dia) minuto e segundo da primeira lua nova? Do ponto de vista cientifico a pergunta em se é absurda. Porem, a tradição oral sabe que essa data existe e esta no relato bíblico da criação. E afirma: Que a primeira lua nova ocorreu, num momento especifico da sexta manhã da criação, quando o homem foi criado, e não quando o sol e a lua foram colocados no firmamento, no quarto dia. E afirma quando isso aconteceu, exatamente no fim da sétima hora da manhã do sexto dia da criação(quatorze horas depois do pôr do sol do quinto dia). Em hebraico é escrito como vid : CI¦E¡
7
Que significa 6/14.
Esse é o instante exato que o relógio lunar começou a tiquetaquear tem sido transmitido de sábio para sábio através de milênios e foi registrados em inúmeros lugares. Desse ponto em diante, o tempo de qualquer lua nova pode ser calculado tomando-se o numero total de meses decorridos e multiplicando por 29,53059.
Temos portanto a seguir o seguinte calculo. Se 29,53059 é o numero correto dias na média de longo prazo para o mês lunar e se 6/14(sexto dia décima quarta hora) é o tempo correto da primeira lua nova depois da criação, então a primeira lua nova ocorreu
354,04308. que data e tempos são estes? O Rambam explica:
“A primeira conjunção com que começas, contudo, é a conjunção do primeiro ano primordial da criação, que ocorreu na quinta hora e ducentésima quarta parte de uma hora da noite de segunda feira em numerais 2d 5h 204pem hebraicoC‟‟XD A
É o ponto de partida partida para o calculo.”
Uma vez que o calendário judaico trata o sexto da criação, quando Elohim fez o homem como o primeiro dia do começo do mundo, esse calculo tem a vantagem pratica de fazer os cálculos lunares subseqüentes se alinharem uniformemente com os anos.
Nessa primeira conclusão, queremos deixar claro, que com o advento das modernas técnicas cientificas e por fim dos satélites a duração do mês lunar é calculada com precisão cada vez maior, como indica a NASA no livro supra citado, pag280.
Muitos estudiosos do assunto estão se pegando Matytyahu 26 e cita o momento em que Yeshua disse aos talmidins: “Daqui a dois dias é Peseah....”Essas pessoas desconhecem que as fontes Almeidas oriunda de Jerônimo e da Septuginta é extremamente adulterada e contraditora, prova disso temos:
Mateus 26:17 E, no primeiro [dia da festa] dos pães ázimos, chegaram os discípulos junto de Jesus, dizendo: Aonde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?
18 E ele disse: Ide à cidade a [um] certo homem e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está perto; em tua casa celebrarei <farei> a Páscoa (pessach) com os meus discípulos.
19 E os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara <mandara> e prepararam a Páscoa.
20 E, chegada a tarde, assentou-se à [mesa] com os doze.
João 13:1 Ora, antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que [já] era chegada a sua hora de passar deste mundo para o pai, como havia amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim.
29 porque, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus lhe tinha dito: Compra o que nos é necessário para a festa ou que desse alguma coisa aos pobres.
João 19:14 E era a preparação da Páscoa e quase à hora sexta; e disse aos judeus: Eis aqui o vosso rei.
15 Mas eles bradaram: Tira, tira, crucifica-o. Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso rei? Responderam os principais dos sacerdotes: Não temos rei, senão César.
8
Comentário: A festa de pesseach é comemorada no 15º dia do primeiro mês. O primeiro dia é chamado de Pães Ázimos, onde todo o fermento era removido dos lares durante sete dias, a contar do 15º dia do primeiro mês. O cordeiro era morto um dia antes, que era o dia 14º do primeiro mês e representava o Mashiach. Uma pergunta!! como o Mashiach morreria no dia 14, e comeria com os discípulos o Kidush de peseach no dia 15, se Ele mesmo disse que ressuscitaria ao terceiro dia. João 19:14 E era a preparação da Pesseach e quase à hora sexta; e disse aos judeus: Eis aqui o vosso rei. Perceba, que neste texto o tradutor está em plena harmonia com o mandamento da Torah. Agora observe Mateus 26:17 E, no primeiro [dia da festa] dos pães Ázimos, chegaram os discípulos junto de Yeshua, dizendo: Aonde queres que façamos os preparativos para comer a Pesseach?
Que contradição! Se o dia dos pães azimos é exatamente o dia 15 do primeiro mês, conforme Êxodo 12, e o cordeiro(Yeshua) morria um dia antes que é o dia 14, exatamente o dia que Ele foi morto, e próprio texto de João 19:14 confirma este fato, veja “ E era a preparação da Pesseach e quase à hora sexta; e disse aos judeus: Eis aqui o vosso rei.”
Conclusão Final:
Os calendários realmente foram mudados, nisso não discordamos e vivemos sob ditadura de um calendário extremamente paganizado, isto é, o calendario solar.
É verdade que nesse nosso calendário, as datas das festas mudam de acordo com os cálculos da lua nova, agora dizer que as datas, estão erradas na atualidades, e que os judeus por ter um calendário luni-solar esta com as datas erradas com toda a precisão tecnológica atual e os argumento da transmissão dos cálculos dado pelo Eterno a Moshé é muita presunção, estas pessoas então terão que responder algo intrigante, como aconteceu exatamente a peseach esse ano num mesmo dia de um Bircat Hamain, coisa que história só aconteceu três vezes vejas a reportagem em espanhol e me responda:
________________________________________ Grandes rabanim en todo el mundo, en especial aquí en Israel, dicen que la guerra de Gog y Magog es inminente, que Mashiaj ya está entre nosotros, y que los judíos de la diáspora tienen que empezar a prepararse porque la diáspora estaría por terminar en un plazo de uno a dos años. "Por cuanto tú has dicho: estas dos naciones, y estos dos países serán míos, y los poseeremos, aunque el Eterno haya estado allí" (Yejezkel 35:10). 1. Según el Raavad, comentarista medieval del Rambam, en su libro Imrei Bina, la llegada del Mashiaj se producirá en el año del Yovel Rabati, que cae exactamente este año (5769).
9
2. La bendición del sol (Birkat Hajama) se realiza cada 28 años. A lo largo de toda la historia de la humanidad, en dos oportunidades cayó el 14 de Nisan, Erev Pesaj. La primera vez, cuando los judíos tuvimos la geulá de Egipto. La segunda vez, el año del milagro de Purim y la salvación del decreto de exterminio de Haman. La tercera vez será este año en Erev Pesaj, el miércoles 8 de abril. Nuestros sabios remarcan que observando los calendarios, esta será la última vez en la historia que esta bendición se realizará en Erev Pesaj. Cuando el Rav Ovadia Yosef shlita se enteró de que Birkat Hajamá, este año cae en Erev Pesaj, se puso a llorar como un niño. 3. Acorde al Zohar hakadosh, en los días previos a la redención, 5 tzadikim van a ser asesinados en una sinagoga y 32 días luego de ello comenzaría una guerra que desencadenaría la guerra de Gog y Magog. Este año, 32 días después del asesinato en el Beit Jabad de Bombay, durante Januca, comenzó la guerra de Gaza, con un resurgimiento voraz e inusual del antisemitismo internacional. Cientos de miles de personas manifestando por las calles de todo el mundo no solo contra
Outra coisa importante, esses indivíduos que inventam doutrinas desconhecem que o sábado de lua nova, nada tem haver com o sétimo dia que cai na terça feira como eles querem. O sábado de lua, significa:
1) Sábado descanço solene ou seja, existem dois tipos de sábado o sábado fixo sétimo dia e o sábado de festas que são as seis outras festas estabelecidas pelo Eterno, a partir da contagem da primeira Lua nova como supra citado acima.
2) Assim fica estabelecido o sábado do sétimo dia é sábado fixo, tem sua fixação desde a criação...
3) Sábado das festa são mutáveis, variando de acordo com a lua nova.
Eles especulam, contudo, especular é bom provar é difícil...
Shalom
Qui, 15 de Setembro de 2011 05:52

Quem Traduziu a Bíblia dos Cristãos?

Publicado em Estudos Escrito pelo Robespierre Cardoso da Cunha

Quem traduziu as escrituras dos cristãos chamados
evangélicos?

Seria esta escritura confiável?

Por acaso não foi um padre chamado João Ferreira de Almeida
quem a traduziu?

Se você é um cristão você aceitaria um padre subir no púlpito
de sua igreja e dar um ensino sobre as palavras do Eterno? Você confiaria nas
palavras dele? Ou você ficaria cabreiro com as palavras de um padre?

Seja inteligente e pesquise mais sobre sua fé e sua bíblia,
pois disso depende sua salvação. Estão mentindo para você a quase dois mil
anos. Abre sua bíblia em Gálatas 5.1-4

Segundo este texto “Paulo” é contra a circuncisão. Se ele é contra
porque ele fala bem dela?Romanos 3.1-4. Porque ele circuncisa um homem chamado Timóteo?
Atos 16.1-3

Segundo este texto diz que “Paulo”o circuncidou por causa
dos judeus que estavam lá. Isso não seria dissimulação? Por acaso não foi ele mesmo
contra dissimulação de“Pedro”  ?Galatas:2.1-21
Pesquise, pois essa bíblia do padre João Ferreira de Almeida contém cinqüenta e
dois mil erros de tradução. O Personagem “Paulo” nunca se chamou Paulo. Jesus é
um deus pagão. Pesquise, pois estão mentindo para você. O nome do Messias a
quem vocês chamam Jesus nunca teve esse nome. Nome não muda. O salvador do
mundo se chama Ye’shua.

Entre neste link e pesquise por si próprio.

http://www.youtube.com/watch?v=5PpSK5hPzEw

Sáb, 03 de Setembro de 2011 01:13

O Milénio

Publicado em Estudos Escrito pelo Robespierre Cardoso da Cunha
Estamos chegando no final da história deste mundo, satanás sabe que pouco tempo lhe resta... esta ansioso para destruir toda alma crente em Yeshua o Messias. Precisamos estudar as profecias e com oração pedir ao Eterno que não nos deixe desviar nem para esquerda e nem para direita , pois a profecia aponta plenamente para acontecimentos  futuros entre muitas profecias esta o Milênio cuja base profética está na doutrina do santuário. Se removermos uma peça desta doutrina dada por Elohim a Moshé destruiremos todo o seu significado, e sua sombra,  que por tanto tempo apontava para aquele acontecimento. Os sacerdotes não conseguiram entender essa doutrina e nem o seu significado, pois os seus olhos estavam fechados o coração endurecidos eles não queria entender que o centro daquela doutrina era Yeshua, por isto tanta repulsa ao seu significado chegando a amaldiçoar quem tentasse explicar a profecia de Daniel 9, pois eles sabiam que o centro desta doutrina era o Messias Yeshua. Hoje muitos Judeus, nossos Irmãos estão aceitando o Messias como diz o capitulo 12:1 de Zacarias, porém o ranço do Judaísmo ortodoxo prevalece em seu corações, pois não entendendo a doutrina do santuário aceitam a idéia destes em relação ao milênio, afirmando contrariamente as Escrituras que o milênio será aqui na terra e usa as suas tradições e não a palavra para fazer valer as suas afirmações. Esse estudo mostra claramente que essas idéias estão erradas e precisam fazer teshuvah por completo aceitando a palavra da vida, cujo centro é Yeshua Há Mashiah.
Milênio
Onde será nossas Férias?
A grande expectativa do povo de Adonai é de Fato a vinda do filho do homem... Há no mundo religioso interpretações diversas sobre a forma da sua vinda e até mesmo no dia de sua gloriosa vinda, há muita confusão interpretativas, porém se pegarmos o livro sagrado e consultar as paginas do Santo livro, a confusão criada por Babilônia cai por terra. Contudo, a bíblia se interpreta a se mesma. Algumas pessoas estão criando um cavalo de tróia na cabeça, pois sabemos que o Judaísmo messiânico é sem dúvida a primeira Kerrilah(Igreja) do Primeiro século, isso ninguém pode negar. Mas quando acreditamos no milênio não na terra, alguns indivíduos começam a caçoar dizendo:  “ Isso é idéia adventista!” Ora, eu não me importo que nenhuma idéia de quem quer que seja, se ela estiver fundamentada na palavra Isso é que interessa, por exemplo eu não vou deixar de guardar o sábado por ser idéia adventista, não comerei carne de porco e sangue, porque os adventistas não comem, mas sim  por que o sábado e doutrina alimentar estar fundamentado na Torah. A palavra somente a palavra deve ser a regra de nossa fé.
Por Exemplo: Os pentencostais crêem que na vinda do salvador que a terra e o homem continua; e somente indo para o céus os santos, após isso teremos sete anos de tribulação e depois,  o período da besta e assim vai. Outros acreditam no milênio na terra e o mundo de pecado continuará e que o Senhor vai reinar em Jerusalém por mil anos aqui na terra, usam o texto de Zacarias 14:16 e 17.  que diz: “ que de ano em ano virá as nações para Jerusalém e a família das nações que não vier não sobrevirá  sobre ela a chuva, se a família do Egito não vier, não vira sobre ele a chuva,  e se a família da Líbia não vier não vira sobre ela a chuva etc..” Em que contexto o profetas esta falando aqui?Isso me leva a fazer uma pergunta que lança por terra a idéias destes indivíduos: Se a família do Egito não vier, não sobrevirá ela a chuva, isso implica uma situação de maldição, porém O pecado continuará nesta terra após a vinda do Messias? Vejamos logo a seguir!!!
De onde vem essa idéia do Milênio na terra. Durante anos freqüentei uma sinagoga Judaica Ortodoxa, todos sabem que eles não crêem no Messias Yeshua, Assim eles pensam sobre este assunto dizendo que o Messias quando voltar reinará em Jerusalém, Passará pela porta sagrada e começará o Milênio de Paz, usa o texto de Isaias 2:1 em diante e assim vai. Ao Messias voltar em sua gloria para levar o seu povo nenhuma promessa se perderá sobre Israel e seus filhos, quando o filho do homem voltar pela segunda vez, pois alguns pesam que a vinda do Senhor e o Milênios nos céus anulam as promessas feitas a Israel e ao seu povo, mas isso não é verdade, não de maneira nenhuma, as promessas sobre Israel se cumprirá, essas pessoas estão embarcando nas idéia dos Judeus Ortodoxos, que ainda acham que o messias nunca veio. Esqueçamos as idéias: Ortodoxas, pentencostais e Adventistas, vamos unicamente para bíblia.
Em primeiro lugar a Visão de Kefas(Pedro) em II Ped 3:10, não deixa dúvidas da seqüência dos acontecimentos ligado a sua vinda, abramos o livro Sagrado...
“Pois o dia do Senhor virá como ladrão de noite, o qual o céus passarão com grande estrondo e os elementos ardendo se desfarão, a terra e as obras que nela há se queimarão ou descobertas” II Ped 3:10.
Veja querido leitor, na vinda do Senhor, haverá uma explosão nos céus atmosférico os elemento em volta da explosão se desfarão abrasados... o impacto violento desta explosão é tão forte que atinge a terra e a mesma é descoberta ou seja queimada, pergunto: Ficará alguém vivo na terra? Nesta situação? Alguma criatura resistiu ao fogo? A resposta é não, perceba claramente que antes um pouco da explosão o que acontece com os santos, veja que os salvos não estão mais na terra, mas sim nos ares:
I tessalonicesseses 4:16,17.
“Pois o mesmo Senhor descerá dos céus com grande brado, à voz do Arcanjo, ao som do Shofar(trombeta) de Elohim e os que morreram no messias ressuscitarão primeiro, depois nós os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro do Senhor nos ares”.
Primeiro se o milênio fosse na terra pra que uma explosão destruidora? Se fosse na terra porque os santos estão nos ares?
Para confirmar as palavras de Shaul na Brit’Hadashách(Aliança renovada) Temos em mãos a maior descoberta de Kuran: Os pergaminhos do Mar morto. O livro de Melquisedeque que estava dentro de um vaso, escondido em uma caverna, escrito pelo Próprio Avraham, nosso Pai(O Homem da Aliança).
Dentro do jarro o beduíno encontrou um grande rolo: O Livro de Melquisedeque. O rolo era composto por dois manuscritos, costurados um ao outro. Eles traziam caligrafias distintas, com assinaturas de Abraão no primeiro e de
Melquisedeque no segundo.
Em seu manuscrito, o patriarca conta a fascinante história do livramento de Ló e de muitos habitantes de Sodoma, levados cativos por um poderoso exército. Acompanhado por apenas 300 pastores armados com tochas, bordões e chifres de carneiro, ele obteve completa vitória sobre os numerosos inimigos. Abraão continua contando a história de Salém, conforme ouviu dos lábios de Melquisedeque por ocasião de um banquete que seguiu ao livramento, quando entregou-lhe o dízimo de suas riquezas e alegraram-se comendo pão e vinho.
Abraão termina contando sobre outro encontro que teve com o rei de Salém sete anos depois, quando o presenteou com um lindo jarro que continha o seu manuscrito.
Vejamos a seguir o que Avraham revela sobre os últimos dias:
Comentários Palavras do editor: Aqui vamos a um pequeno comentário muitos Judeus e não Judeus usaram esse texto, dizendo: Eis aqui o que acontecerá na vinda do Mashiach, o monte das oliveiras se fenderá em duas partes e ai começaré o milênio na terra...
Avraham aqui nos revela, que haverá uma manifestação do Eterno no auge do armagedom contra Israel, então o monte das oliveiras se fenderá em duas partes e começará os seis últimos anos de oportunidade. De maneira alguma aqui se refere ao começo do Milênio na terra, mas sim dos sétimos últimos anos das nações, sendo que o sétimo não haveria intercessão pelo homem, neste período o mashiach ainda não teria se manifestado, somente no final do sétimo ano isso aconteceria...voltemos ao livro de Melquisedeque.
“LIVRO DE MELQUISEDEQUEWCV-IKLN
18). Ao chegar a plenitude dos tempos, todos os esforços humanos em busca da paz se frustrarão. Naquele tempo, numerosos nações se aliarão contra o reino de Salém; Haverá uma batalha como nunca houve, e toda a terra será castigada pelo fogo; Depois de esgotarem todos os recursos em sua defesa, Israel verá, com desespero, incontáveis inimigos marchando contra eles, com o propósito de eliminá-los. Como Ló em sua noite de angustia, eles verão morrer sua esperança, quando, em Rosh Hashanah, ouvir-se-á em meio às ruínas de Salém, os acordes harmoniosos de um alaúde, tocado por um beduíno da tribo de Taamireh; Sua música fará renascer a fé e a esperança em um mundo melhor, onde nação não se levantará contra nação; onde as lágrimas, a dor e a morte não mais existirão.
Depois de consolar os aflitos com os acordes de seu alaúde, o beduíno tomará o vaso com os pergaminhos da Tumba de Davi, e o levará sobre os ombros. Naquele dia, estarão os seus pés sobre o Monte das Oliveiras, e, ao clamar pelo livramento de Israel, haverá um forte terremoto que rachará o monte pela metade, surgindo do oriente para o ocidente um enorme vale. Naquele dia, toda a terra de Israel será fortemente sacudida, sobrevindo total destruição para todos os exércitos inimigos; Haverá, contudo, salvação para todos aqueles que, com arrependimento, refugiarem-se sob as asas do Eterno, lançando para longe de si os instrumentos de violência.
Toda a humanidade testemunhará, com espanto, as cenas de livramento dos filhos de Israel. Naquele dia, muitos povos e poderosas nações se posicionarão ao lado de Yahwéh dos Exércitos; Multidões se aproximarão dos judeus da diáspora, dizendo: Nós iremos convosco, porque sabemos que o Eterno está do vosso lado.
O Yom Kipur que seguirá ao livramento, será um dia de purificação das impurezas de todos aqueles que aceitarem a salvação; Naquele dia acabará a cegueira dos filhos de Jacó, e olharão para Aquele a quem traspassaram, e chorarão amargamente por ele como se chora por um filho unigênito. (Zacarias 12,13).
Na festa de Sukot (colheitas) será derramado o Espírito de ELohim sobre toda a carne; E há de ser que, todo aquele que invocar o nome de Yahwéh, será salvo, recebendo uma pérola do vaso (Joel 3).
No decorrer dos dias de Sukot, chuvas de bênçãos cairão sobre o imenso vale, fazendo surgir à vista de todos os povos, em toda a Terra Santa, um paraíso repleto de alegria e paz.
Naquele dia os eleitos de ELohim compreenderão as palavras do Livro:
"Ouvi-me, vós, que estais à procura da justiça, vós que buscais a Yahwéh. Olhai para a rocha da qual fostes cavados, para a caverna da qual fostes tirados. Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, aquela que vos deu a luz. Ele estava só quando o chamei, mas eu o abençoei e o multipliquei.
Yahwéh consolou a Sião, consolou todas as suas ruínas; ele transformará o seu deserto em um Éden e as suas estepes em um jardim. Nela encontrarão gozo e alegria, cânticos de ações de graças e som de música"(Isaías 51:1-3).
Naquele dia os remidos olharão para o humilde beduíno que libertou da caverna o vaso de Abraão, e cantarão com alegria: "Como são belos, sobre os montes, os pés do mensageiro que anuncia a paz, do que proclama boas novas e anuncia a salvação, do que diz a Sião: O teu ELohim reina! Porque Yahwéh consolou o seu povo, ele redimiu Jerusalém. Yahwéh descobriu o seu braço santo aos olhos de todas as nações, e todas as extremidades da terra viram a salvação do nosso ELohim" (Isaías 52:7-10).
Durante seis anos, toda a humanidade, iluminada pela maior revelação do amor e da justiça de Yahwéh, terá oportunidade de romper com o império do pecado, unindo-se aos filhos de Israel em sua marcha de purificação e restauração do reino da luz..
Então acontecerá que, todos os sobreviventes das nações que marcharam contra Jerusalém, subirão, ano após ano, para prostrar-se diante do rei Yahwéh dos Exércitos, e para celebrar a festa de Sukot.
E acontecerá que aquele das famílias da Terra que não subir e não vier, haverá contra ele a praga com que Yahwéh ferirá as nações que não subirem para celebrar a festa de Sukot (Zacarias 14: 16-18
Aqui está querido leitor a explicação deste texto que muitos usaram para afirmar o milênio na terra, agora tem que voltar atrás. As nações que não vier para celebrar as festas de sukot, Porque, As famílias que não vier para adorar de ano em ano em Jerusalém e se não vier , não sobrevirá a chuva, as bênçãos sobre eles...Se referem o período dos últimos seis anos de oportunidade que as nações terão, e não ao começo do milênio na terra!!!
Continuação do livro:
Durante os seis anos da colheita final, o Messias edificará uma Nova e Eterna Jerusalém, adornandoa  com os atos de justiça de Seus escolhidos. (Êxodo 25: 1 - 8) Isaías 60: 10 -22 ; Zacarias 6: 12 - 15;  Apocalipse 3:12) Essa Nova Jerusalém somente será revelada ao completar-se toda a justiça divina,  ao fim do sétimo ano, período em que os eleitos de ELohim terão como desafio viver uma vida sem  culpas, pois qualquer ato de rebeldia naquele tempo, ficaria sem expiação, significando eterna  vergonha para o Criador.
Ao completarem-se os sete anos, ,o Messias aparecerá nas nuvens do céu, acompanhado por todas as  hostes celestes; Ao tocar Sua trombeta naquele grande Rosh Hashanáh, os fiéis falecidos,  ressuscitarão revestidos de glória; os vivos vitoriosos, serão transformados num abrir e fechar de  olhos , recebendo corpos perfeitos; Juntos, todos os remidos serão arrebatados para a Nova  Jerusalém, numa viagem inesquecível que começará no primeiro dia da festa de Sukot; Depois de  sete dias de feliz ascensão, chegarão à Cidade Santa para comemorarem, diante do trono, o oitavo  dia da festa. Como que a sonhar, os resgatados do Senhor entrarão na Cidade Santa, encontrando ao  seu norte, o jardim do Éden, no meio do qual eleva-se o monte Sião, o lugar do trono de Yahwéh.
Coroados pelo Messias, os remidos entoarão o cântico da vitória, fazendo vibrar por todo o espaço  os acordes de suas harpas, alaúdes e flautas.
Comentário: Agora sim o Mashiach se manifesta nas nuvens dos céus...Perceba querido leitor o texto se harmoniza co Tessl 4:16,17 Os santos serão transformado em um abrir e fechar de olhos e os remidos se encontrarão nas nuvens dos céus, para ir a cidade que esta nos ares...
Sabemos que existem depois dos nosso físico, sete níveis, conhecido como sefirot.
1) Malchut
2) Sod
3) Yesod
4) Tiferet
5) Irat
6) Guevurah
7) Daat  aqui tem mais 3=Keter, hockma e Binah...
São universos dimensionais, espirituais com bilhões de galaxias e seres de todas as espécies, conhecidos como Melachin(anjos)
Agora pergunto qual céus passaremos mil anos não nos foi revelado, pertence ao Mashiach saber!!!
Jeremias teve esta visão tanto se referindo ao cerco, assim com a aplicação profetica era um Drashar hebraico dupla aplicação profética. É evidente que o profeta estava se referindo ao cerco de Jerusalém, os exércitos de babilônia estava no controle do povo e a situação era caótica. Contudo, a profecia  sempre vem com dupla aplicação. No código da bíblia Em hebraico mostra que; “ se você quiser conhecer o futuro, então olhe para o passado....”
Em Jeremias  4:23 a 26 a dupla aplicação profética ali expressa mostra a situação da terra logo após a explosão: “Observei a terra, e vi que estava assolada e vazia; também os céus e não tinham a sua luz.observei que homem algum havia e que todas aves dos céus tinham fugido. Vi também que a terra fértil era um deserto, e todas as suas cidades estavam derrubadas, diante do Senhor, diante do furor da sua ira.”.
Que diz Isaias acontecerá aos ímpios nessa ocasião?
“ E será que naquele dia o Senhor visitará os exércitos do alto na altura, e os reis da terra sobre a terra. Serão amontoados como presos numa masmorra, serão encarcerados num cárcere; e visitados depois de muitos dias.” Isa 24:21,22.
“A terra está contaminada pelos seus moradores ; desobedeceram as leis(Tora), mudaram os estatutos, e quebraram a aliança eterna. Por isso a maldição consome a terra; os que nela habitam se tornam culpados. Portanto, serão queimados  o moradores da terra, e poucos homens restarão.”
Veja querido leitor a mesma visão de Kefas aqui se repete: “serão queimados os moradores da terra” somente os remanescentes ou poucos homens ou melhor os Salvos  restarão. Veja aqui não há contradição entre os profetas, mas sim Harmonia A visão de Kefas se Harmoniza com a de Jeremias e Isaias agora veja a visão de Sofonias: “Angustiarei os homens, e eles andarão como cegos, porque pecaram contra o Senhor. O sangue se derramará como pó, e a sua carne será tirada como esterco. Nem sua prata e nem o seu ouro os poderá livrar no dia do furor do Senhor. No fogo do seu Zelo toda esta terra será consumida, porque certamente fará de todos o moradores da terra uma destruição total e repentina.” Sofonias 1: 17,18. Só Harmonia entre eles
Agora observe a seqüência dos acontecimentos ainda no livro do profeta Isaias veja no 24:22 verso Serão amontoados numa masmorra, serão encerrados num cárcere e castigados depois de muitos dias... Em Apocalipse 20:5 Assim confirma “E os outros mortos não reviveram, até que se completem os mil anos...” e 20:1-3. Fala-nos do cárcere de satanás por mil anos por não ter a quem tentar... veja que o verso 23 de Isaias do capitulo 24 só acontece depois destes muitos dias de cárcere ou seja os mil anos confirmados por Yohanã(João) em Patmos. Durante esse tempo Jerusalém com o povo santo estarão aonde?
Hebreus 12:22. “Mas tendes chegado ao monte Sião, e a cidade do Elohim vivo, a Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos.” Percebam que em Isaias 24:23. Fala que o Senhor dos Exércitos reinará no monte Sião  e em Jerusalém, e perante seus anciãos...( Apocalipse 7:11 a 13 DE ONDE VIERAM Os anciãos, isto implica  que as pessoas de vestes brancas  vieram de algum lugar de muita tribulação, pois se já estivessem na terra os anciãos não teriam feito essa pergunta...! ) O livro de Avraham nos responde:
“Durante os seis anos da colheita final, o Messias edificará uma Nova e Eterna Jerusalém, adornandoa com os atos de justiça de Seus escolhidos. (Êxodo 25: 1 - 8) Isaías 60: 10 -22 ; Zacarias 6: 12 - 15;  Apocalipse 3:12) Essa Nova Jerusalém somente será revelada ao completar-se toda a justiça divina, ao fim do sétimo ano, período em que os eleitos de ELohim terão como desafio viver uma vida sem  culpas, pois qualquer ato de rebeldia naquele tempo, ficaria sem expiação, significando eterna vergonha para o Criador.
Ao completarem-se os sete anos, ,o Messias aparecerá nas nuvens do céu, acompanhado por todas as hostes celestes; Ao tocar Sua trombeta naquele grande Rosh Hashanáh, os fiéis falecidos, ressuscitarão revestidos de glória; os vivos vitoriosos, serão transformados num abrir e fechar de olhos , recebendo corpos perfeitos; Juntos, todos os remidos serão arrebatados para a Nova Jerusalém, numa viagem inesquecível que começará no primeiro dia da festa de Sukot; Depois de  sete dias de feliz ascensão, chegarão à Cidade Santa para comemorarem, diante do trono, o oitavo dia da festa. Como que a sonhar, os resgatados do Senhor entrarão na Cidade Santa, encontrando ao seu norte, o jardim do Éden, no meio do qual eleva-se o monte Sião, o lugar do trono de Yahwéh. “
Muitos estão usando esse texto para afirmar o Milênio na terra, todavia, veja que a Jerusalém e o reino do messias se processará em outra dimensão em outra região, não sabemos em que local será somente o Masahiach sabe. Depois de muitos dias, depois dos mil anos o verso 22 a cidade desce, Jerusalém  celestial desce Apocalipse 21:2 “Eu Yohanam vi a Santa cidade a Nova Jerusalém que do Eterno descia do Céus” ou seja somente após mil anos é que a cidade desce e se cumpre o verso 23 O monte Sião será a morada aqui na terra com o Senhor dos exércitos com os Santos por toda a Eternidade. Agora sim não teremos milênio na terra, mas sim a Eternidade, para sempre viveremos aqui na terra...Por isso Davi afirmava em Tehilim: “Os Mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de Shalom”
Por quanto tempo ficará satanás preso na terra?
“ E vi descer dos céu um anjo, que tinha a chave do abismo, uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão a antiga serpente que se chama diabo, e satanás, e amarrou por mil anos, e lançou no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações até que os mil anos se acabem”. Apoc 20:1-3
O único ser que ficará vivo suportando essa explosão vista por Kefas será satanás que ficara no deserto deste mundo por mil anos. O termo abismo aqui empregado, aplica-se a terra em seu estado original, desolado, deserto, caótico, escuro e desabitado.neste estado permanecerá satanás por mil anos, sendo ali a sua prisão.
Provas irrefutáveis que temos sobre esse aspecto é o código da Biblia, codificado pelo Próprio Eterno, Adonai revela exatamente esse fato...No livro lançado por Michael Drosnin, intitulado como:
“O Código da Bíblia” relata detalhes sobre terra durante o período dos mil anos vejamos a seguir:
ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo
Aqui o código da bíblia mostra ano 5873 em nosso calendário 2113. A terra estará totalmente despovoada e vazia, terra desolada sem ninguém sobre a face da terra...
O próprio Eterno codificou esse período com suas próprias mãos!!!
Os que sofreram a morte por ocasião da segunda vinda de Yeshua foram os ímpios, e os que não ressuscitaram continuaram no tumulo até os mil anos acabarem Apocalipse 20:5 “E os outros mortos não reviveram até que os mil anos se completem, esta é a primeira ressurreição”.Satanás contemplará as cidades destruídas, os destroços e toda pompa do poder deste mundo, ele terá oportunidade de refletir nos resultados de sua rebelião contra o Eterno. Mas o profeta Isaias diz serão visitados depois de muitos dias.
O deserto aqui devidamente tipificado, foi durante milênio expresso ao povo de Israel na figura do santuário. No grande dia da Expiação ou seja YOM KIPPUR, dois bodes eram trazidos, um tipificaria o Messias, pois era morto pelos pecados do povo e o outro ficavam aguardando a saída do Sumo sacerdote que transferia  o pecado para o Azazel,a expresão que vai para Azazel é igual a ir para o deserto pois  o mesmo era levado para o deserto, dele se originou o pecado para ele volta e tipificadamente isto era uma lição que o Senhor ensinara aos filhos de Israel por muito tempo, O  Senhor ensinou esta lição aos filhos de Israel durante milênios. De maneira alguma ao ser transferido os pecados que estavam no lugar Santíssimo para lúcifer que ia para o deserto ele não estava participando aqui  do plano da redenção, mas como o criador do pecado o mesmo voltava pra ele...  A figura do santuário aqui é perfeita, pois ao Yeshua voltar ao mundo Ele transferirá os pecados dos sal vos de todo o seu povo para Satanás o criador do mal e o mesmo ficará preso por mil anos no abismo pois não tem ninguém pra tentar... Apoc 20:1-3.
O que Os santos farão neste período?
“ E vi tronos;  e assentaram-se sobre eles, e foi-lhe dado poder de julgar... E viveram e reinaram com o Messias por mil anos.” Apoc 20:4
A Quem  Julgarão os santos?
“ Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo contras outros? Não sabeis que os santos hão de julgar o mundo?...Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos?” I Cor 6:1-3.
Qual a classe somente participa da primeira ressurreição?
“ Bem aventurado e santo aquele que tem parte  na primeira ressurreição; sobre este não tem poder a segunda morte.” Apoc 20:6.
Ao estar nos ares com o messias o que o santos farão com ele?
“ Na casa de meu pai há muitas moradas se não fosse assim  vo-lo teria dito vou preparar-vos lugar e quando eu for e vos preparar lugar virei outra vez, para que aonde eu estiver estejais vós também...”
Esse texto não deixa nenhum vestígio de duvida sobre  o messias que  foi  para os céus e voltará para buscar o seu povo e ainda usou o termo “ Na casa de meu Pai há muitas moradas” eu vou e volto para buscar a vocês. A atitude de Yeshua foi demonstrado durante milênios nas festas da cabana, quando o MESSIAS tabernaculará  ou habitará  com o seu povo durante Mil anos. O que acontecerá após esse período?  Esta lá na bíblia Apocalipse 20:7-9.  Filipensses 3:20
“ Mas a nossa pátria esta nos céus, onde aguardamos o nosso salvador Yeshua Há mashiah”
Se alguém tem dúvida após esse versículo, esta se fechando ao Espírito de Elohim...
II Cor 5:1 “Porque sabemos que se a nossa casa terrestre desse tabernáculo se desfizer temos de Elohim um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus.”
“ Para uma Herança incorrupitivel, incontaminável e imarcessível guardada nos céus para vós” I Ped 1:4
Concluo dizendo se os mil anos não forem nos céus com Yeshua, na terra é que não será, pois mesma estará desabitada e vazia e somente satanás solitário pois ele foi para Azazel, esse termo significa ir para o deserto, não tendo mais ninguém para tentar, somente após os mil anos é que voltaremos para terra e a terra será a habitação dos santos para sempre. Isaias 66:23 “ E será que de uma festa da lua nova a outra e de uma Sábado a outro vira toda carne adorar perante mim diz o Senhor”.
Shalom...
Estamos chegando no final da história deste mundo, satanás sabe que pouco tempo lhe resta... esta ansioso para destruir toda alma crente em Yeshua o Messias. Precisamos estudar as profecias e com oração pedir ao Eterno que não nos deixe desviar nem para esquerda e nem para direita , pois a profecia aponta plenamente para acontecimentos  futuros entre muitas profecias esta o Milênio cuja base profética está na doutrina do santuário. Se removermos uma peça desta doutrina dada por Elohim a Moshé destruiremos todo o seu significado, e sua sombra,  que por tanto tempo apontava para aquele acontecimento. Os sacerdotes não conseguiram entender essa doutrina e nem o seu significado, pois os seus olhos estavam fechados o coração endurecidos eles não queria entender que o centro daquela doutrina era Yeshua, por isto tanta repulsa ao seu significado chegando a amaldiçoar quem tentasse explicar a profecia de Daniel 9, pois eles sabiam que o centro desta doutrina era o Messias Yeshua. Hoje muitos Judeus, nossos Irmãos estão aceitando o Messias como diz o capitulo 12:1 de Zacarias, porém o ranço do Judaísmo ortodoxo prevalece em seu corações, pois não entendendo a doutrina do santuário aceitam a idéia destes em relação ao milênio, afirmando contrariamente as Escrituras que o milênio será aqui na terra e usa as suas tradições e não a palavra para fazer valer as suas afirmações. Esse estudo mostra claramente que essas idéias estão erradas e precisam fazer teshuvah por completo aceitando a palavra da vida, cujo centro é Yeshua Há Mashiah.
Milênio
Onde será nossas Férias?
A grande expectativa do povo de Adonai é de Fato a vinda do filho do homem... Há no mundo religioso interpretações diversas sobre a forma da sua vinda e até mesmo no dia de sua gloriosa vinda, há muita confusão interpretativas, porém se pegarmos o livro sagrado e consultar as paginas do Santo livro, a confusão criada por Babilônia cai por terra. Contudo, a bíblia se interpreta a se mesma. Algumas pessoas estão criando um cavalo de tróia na cabeça, pois sabemos que o Judaísmo messiânico é sem dúvida a primeira Kerrilah(Igreja) do Primeiro século, isso ninguém pode negar. Mas quando acreditamos no milênio não na terra, alguns indivíduos começam a caçoar dizendo:  “ Isso é idéia adventista!” Ora, eu não me importo que nenhuma idéia de quem quer que seja, se ela estiver fundamentada na palavra Isso é que interessa, por exemplo eu não vou deixar de guardar o sábado por ser idéia adventista, não comerei carne de porco e sangue, porque os adventistas não comem, mas sim  por que o sábado e doutrina alimentar estar fundamentado na Torah. A palavra somente a palavra deve ser a regra de nossa fé.Por Exemplo: Os pentencostais crêem que na vinda do salvador que a terra e o homem continua; e somente indo para o céus os santos, após isso teremos sete anos de tribulação e depois,  o período da besta e assim vai. Outros acreditam no milênio na terra e o mundo de pecado continuará e que o Senhor vai reinar em Jerusalém por mil anos aqui na terra, usam o texto de Zacarias 14:16 e 17.  que diz: “ que de ano em ano virá as nações para Jerusalém e a família das nações que não vier não sobrevirá  sobre ela a chuva, se a família do Egito não vier, não vira sobre ele a chuva,  e se a família da Líbia não vier não vira sobre ela a chuva etc..” Em que contexto o profetas esta falando aqui?Isso me leva a fazer uma pergunta que lança por terra a idéias destes indivíduos: Se a família do Egito não vier, não sobrevirá ela a chuva, isso implica uma situação de maldição, porém O pecado continuará nesta terra após a vinda do Messias? Vejamos logo a seguir!!! De onde vem essa idéia do Milênio na terra. Durante anos freqüentei uma sinagoga Judaica Ortodoxa, todos sabem que eles não crêem no Messias Yeshua, Assim eles pensam sobre este assunto dizendo que o Messias quando voltar reinará em Jerusalém, Passará pela porta sagrada e começará o Milênio de Paz, usa o texto de Isaias 2:1 em diante e assim vai. Ao Messias voltar em sua gloria para levar o seu povo nenhuma promessa se perderá sobre Israel e seus filhos, quando o filho do homem voltar pela segunda vez, pois alguns pesam que a vinda do Senhor e o Milênios nos céus anulam as promessas feitas a Israel e ao seu povo, mas isso não é verdade, não de maneira nenhuma, as promessas sobre Israel se cumprirá, essas pessoas estão embarcando nas idéia dos Judeus Ortodoxos, que ainda acham que o messias nunca veio. Esqueçamos as idéias: Ortodoxas, pentencostais e Adventistas, vamos unicamente para bíblia.
Em primeiro lugar a Visão de Kefas(Pedro) em II Ped 3:10, não deixa dúvidas da seqüência dos acontecimentos ligado a sua vinda, abramos o livro Sagrado...“Pois o dia do Senhor virá como ladrão de noite, o qual o céus passarão com grande estrondo e os elementos ardendo se desfarão, a terra e as obras que nela há se queimarão ou descobertas” II Ped 3:10.Veja querido leitor, na vinda do Senhor, haverá uma explosão nos céus atmosférico os elemento em volta da explosão se desfarão abrasados... o impacto violento desta explosão é tão forte que atinge a terra e a mesma é descoberta ou seja queimada, pergunto: Ficará alguém vivo na terra? Nesta situação? Alguma criatura resistiu ao fogo? A resposta é não, perceba claramente que antes um pouco da explosão o que acontece com os santos, veja que os salvos não estão mais na terra, mas sim nos ares: I tessalonicesseses 4:16,17.“Pois o mesmo Senhor descerá dos céus com grande brado, à voz do Arcanjo, ao som do Shofar(trombeta) de Elohim e os que morreram no messias ressuscitarão primeiro, depois nós os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro do Senhor nos ares”.
Primeiro se o milênio fosse na terra pra que uma explosão destruidora? Se fosse na terra porque os santos estão nos ares?Para confirmar as palavras de Shaul na Brit’Hadashách(Aliança renovada) Temos em mãos a maior descoberta de Kuran: Os pergaminhos do Mar morto. O livro de Melquisedeque que estava dentro de um vaso, escondido em uma caverna, escrito pelo Próprio Avraham, nosso Pai(O Homem da Aliança).Dentro do jarro o beduíno encontrou um grande rolo: O Livro de Melquisedeque. O rolo era composto por dois manuscritos, costurados um ao outro. Eles traziam caligrafias distintas, com assinaturas de Abraão no primeiro e deMelquisedeque no segundo.Em seu manuscrito, o patriarca conta a fascinante história do livramento de Ló e de muitos habitantes de Sodoma, levados cativos por um poderoso exército. Acompanhado por apenas 300 pastores armados com tochas, bordões e chifres de carneiro, ele obteve completa vitória sobre os numerosos inimigos. Abraão continua contando a história de Salém, conforme ouviu dos lábios de Melquisedeque por ocasião de um banquete que seguiu ao livramento, quando entregou-lhe o dízimo de suas riquezas e alegraram-se comendo pão e vinho.Abraão termina contando sobre outro encontro que teve com o rei de Salém sete anos depois, quando o presenteou com um lindo jarro que continha o seu manuscrito.
Vejamos a seguir o que Avraham revela sobre os últimos dias:Comentários Palavras do editor: Aqui vamos a um pequeno comentário muitos Judeus e não Judeus usaram esse texto, dizendo: Eis aqui o que acontecerá na vinda do Mashiach, o monte das oliveiras se fenderá em duas partes e ai começaré o milênio na terra...Avraham aqui nos revela, que haverá uma manifestação do Eterno no auge do armagedom contra Israel, então o monte das oliveiras se fenderá em duas partes e começará os seis últimos anos de oportunidade. De maneira alguma aqui se refere ao começo do Milênio na terra, mas sim dos sétimos últimos anos das nações, sendo que o sétimo não haveria intercessão pelo homem, neste período o mashiach ainda não teria se manifestado, somente no final do sétimo ano isso aconteceria...voltemos ao livro de Melquisedeque.
“LIVRO DE MELQUISEDEQUEWCV-IKLN 18). Ao chegar a plenitude dos tempos, todos os esforços humanos em busca da paz se frustrarão. Naquele tempo, numerosos nações se aliarão contra o reino de Salém; Haverá uma batalha como nunca houve, e toda a terra será castigada pelo fogo; Depois de esgotarem todos os recursos em sua defesa, Israel verá, com desespero, incontáveis inimigos marchando contra eles, com o propósito de eliminá-los. Como Ló em sua noite de angustia, eles verão morrer sua esperança, quando, em Rosh Hashanah, ouvir-se-á em meio às ruínas de Salém, os acordes harmoniosos de um alaúde, tocado por um beduíno da tribo de Taamireh; Sua música fará renascer a fé e a esperança em um mundo melhor, onde nação não se levantará contra nação; onde as lágrimas, a dor e a morte não mais existirão.Depois de consolar os aflitos com os acordes de seu alaúde, o beduíno tomará o vaso com os pergaminhos da Tumba de Davi, e o levará sobre os ombros. Naquele dia, estarão os seus pés sobre o Monte das Oliveiras, e, ao clamar pelo livramento de Israel, haverá um forte terremoto que rachará o monte pela metade, surgindo do oriente para o ocidente um enorme vale. Naquele dia, toda a terra de Israel será fortemente sacudida, sobrevindo total destruição para todos os exércitos inimigos; Haverá, contudo, salvação para todos aqueles que, com arrependimento, refugiarem-se sob as asas do Eterno, lançando para longe de si os instrumentos de violência.Toda a humanidade testemunhará, com espanto, as cenas de livramento dos filhos de Israel. Naquele dia, muitos povos e poderosas nações se posicionarão ao lado de Yahwéh dos Exércitos; Multidões se aproximarão dos judeus da diáspora, dizendo: Nós iremos convosco, porque sabemos que o Eterno está do vosso lado.O Yom Kipur que seguirá ao livramento, será um dia de purificação das impurezas de todos aqueles que aceitarem a salvação; Naquele dia acabará a cegueira dos filhos de Jacó, e olharão para Aquele a quem traspassaram, e chorarão amargamente por ele como se chora por um filho unigênito. (Zacarias 12,13).Na festa de Sukot (colheitas) será derramado o Espírito de ELohim sobre toda a carne; E há de ser que, todo aquele que invocar o nome de Yahwéh, será salvo, recebendo uma pérola do vaso (Joel 3).No decorrer dos dias de Sukot, chuvas de bênçãos cairão sobre o imenso vale, fazendo surgir à vista de todos os povos, em toda a Terra Santa, um paraíso repleto de alegria e paz.Naquele dia os eleitos de ELohim compreenderão as palavras do Livro:"Ouvi-me, vós, que estais à procura da justiça, vós que buscais a Yahwéh. Olhai para a rocha da qual fostes cavados, para a caverna da qual fostes tirados. Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, aquela que vos deu a luz. Ele estava só quando o chamei, mas eu o abençoei e o multipliquei.Yahwéh consolou a Sião, consolou todas as suas ruínas; ele transformará o seu deserto em um Éden e as suas estepes em um jardim. Nela encontrarão gozo e alegria, cânticos de ações de graças e som de música"(Isaías 51:1-3).Naquele dia os remidos olharão para o humilde beduíno que libertou da caverna o vaso de Abraão, e cantarão com alegria: "Como são belos, sobre os montes, os pés do mensageiro que anuncia a paz, do que proclama boas novas e anuncia a salvação, do que diz a Sião: O teu ELohim reina! Porque Yahwéh consolou o seu povo, ele redimiu Jerusalém. Yahwéh descobriu o seu braço santo aos olhos de todas as nações, e todas as extremidades da terra viram a salvação do nosso ELohim" (Isaías 52:7-10).Durante seis anos, toda a humanidade, iluminada pela maior revelação do amor e da justiça de Yahwéh, terá oportunidade de romper com o império do pecado, unindo-se aos filhos de Israel em sua marcha de purificação e restauração do reino da luz..Então acontecerá que, todos os sobreviventes das nações que marcharam contra Jerusalém, subirão, ano após ano, para prostrar-se diante do rei Yahwéh dos Exércitos, e para celebrar a festa de Sukot.E acontecerá que aquele das famílias da Terra que não subir e não vier, haverá contra ele a praga com que Yahwéh ferirá as nações que não subirem para celebrar a festa de Sukot (Zacarias 14: 16-18Aqui está querido leitor a explicação deste texto que muitos usaram para afirmar o milênio na terra, agora tem que voltar atrás. As nações que não vier para celebrar as festas de sukot, Porque, As famílias que não vier para adorar de ano em ano em Jerusalém e se não vier , não sobrevirá a chuva, as bênçãos sobre eles...Se referem o período dos últimos seis anos de oportunidade que as nações terão, e não ao começo do milênio na terra!!!
Continuação do livro:Durante os seis anos da colheita final, o Messias edificará uma Nova e Eterna Jerusalém, adornandoa  com os atos de justiça de Seus escolhidos. (Êxodo 25: 1 - 8) Isaías 60: 10 -22 ; Zacarias 6: 12 - 15;  Apocalipse 3:12) Essa Nova Jerusalém somente será revelada ao completar-se toda a justiça divina,  ao fim do sétimo ano, período em que os eleitos de ELohim terão como desafio viver uma vida sem  culpas, pois qualquer ato de rebeldia naquele tempo, ficaria sem expiação, significando eterna  vergonha para o Criador. Ao completarem-se os sete anos, ,o Messias aparecerá nas nuvens do céu, acompanhado por todas as  hostes celestes; Ao tocar Sua trombeta naquele grande Rosh Hashanáh, os fiéis falecidos,  ressuscitarão revestidos de glória; os vivos vitoriosos, serão transformados num abrir e fechar de  olhos , recebendo corpos perfeitos; Juntos, todos os remidos serão arrebatados para a Nova  Jerusalém, numa viagem inesquecível que começará no primeiro dia da festa de Sukot; Depois de  sete dias de feliz ascensão, chegarão à Cidade Santa para comemorarem, diante do trono, o oitavo  dia da festa. Como que a sonhar, os resgatados do Senhor entrarão na Cidade Santa, encontrando ao  seu norte, o jardim do Éden, no meio do qual eleva-se o monte Sião, o lugar do trono de Yahwéh. Coroados pelo Messias, os remidos entoarão o cântico da vitória, fazendo vibrar por todo o espaço  os acordes de suas harpas, alaúdes e flautas.Comentário: Agora sim o Mashiach se manifesta nas nuvens dos céus...Perceba querido leitor o texto se harmoniza co Tessl 4:16,17 Os santos serão transformado em um abrir e fechar de olhos e os remidos se encontrarão nas nuvens dos céus, para ir a cidade que esta nos ares...Sabemos que existem depois dos nosso físico, sete níveis, conhecido como sefirot.1) Malchut2) Sod3) Yesod4) Tiferet5) Irat6) Guevurah7) Daat  aqui tem mais 3=Keter, hockma e Binah...São universos dimensionais, espirituais com bilhões de galaxias e seres de todas as espécies, conhecidos como Melachin(anjos)Agora pergunto qual céus passaremos mil anos não nos foi revelado, pertence ao Mashiach saber!!!
Jeremias teve esta visão tanto se referindo ao cerco, assim com a aplicação profetica era um Drashar hebraico dupla aplicação profética. É evidente que o profeta estava se referindo ao cerco de Jerusalém, os exércitos de babilônia estava no controle do povo e a situação era caótica. Contudo, a profecia  sempre vem com dupla aplicação. No código da bíblia Em hebraico mostra que; “ se você quiser conhecer o futuro, então olhe para o passado....”
Em Jeremias  4:23 a 26 a dupla aplicação profética ali expressa mostra a situação da terra logo após a explosão: “Observei a terra, e vi que estava assolada e vazia; também os céus e não tinham a sua luz.observei que homem algum havia e que todas aves dos céus tinham fugido. Vi também que a terra fértil era um deserto, e todas as suas cidades estavam derrubadas, diante do Senhor, diante do furor da sua ira.”.
Que diz Isaias acontecerá aos ímpios nessa ocasião?“ E será que naquele dia o Senhor visitará os exércitos do alto na altura, e os reis da terra sobre a terra. Serão amontoados como presos numa masmorra, serão encarcerados num cárcere; e visitados depois de muitos dias.” Isa 24:21,22.“A terra está contaminada pelos seus moradores ; desobedeceram as leis(Tora), mudaram os estatutos, e quebraram a aliança eterna. Por isso a maldição consome a terra; os que nela habitam se tornam culpados. Portanto, serão queimados  o moradores da terra, e poucos homens restarão.”Veja querido leitor a mesma visão de Kefas aqui se repete: “serão queimados os moradores da terra” somente os remanescentes ou poucos homens ou melhor os Salvos  restarão. Veja aqui não há contradição entre os profetas, mas sim Harmonia A visão de Kefas se Harmoniza com a de Jeremias e Isaias agora veja a visão de Sofonias: “Angustiarei os homens, e eles andarão como cegos, porque pecaram contra o Senhor. O sangue se derramará como pó, e a sua carne será tirada como esterco. Nem sua prata e nem o seu ouro os poderá livrar no dia do furor do Senhor. No fogo do seu Zelo toda esta terra será consumida, porque certamente fará de todos o moradores da terra uma destruição total e repentina.” Sofonias 1: 17,18. Só Harmonia entre elesAgora observe a seqüência dos acontecimentos ainda no livro do profeta Isaias veja no 24:22 verso Serão amontoados numa masmorra, serão encerrados num cárcere e castigados depois de muitos dias... Em Apocalipse 20:5 Assim confirma “E os outros mortos não reviveram, até que se completem os mil anos...” e 20:1-3. Fala-nos do cárcere de satanás por mil anos por não ter a quem tentar... veja que o verso 23 de Isaias do capitulo 24 só acontece depois destes muitos dias de cárcere ou seja os mil anos confirmados por Yohanã(João) em Patmos. Durante esse tempo Jerusalém com o povo santo estarão aonde?Hebreus 12:22. “Mas tendes chegado ao monte Sião, e a cidade do Elohim vivo, a Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos.” Percebam que em Isaias 24:23. Fala que o Senhor dos Exércitos reinará no monte Sião  e em Jerusalém, e perante seus anciãos...( Apocalipse 7:11 a 13 DE ONDE VIERAM Os anciãos, isto implica  que as pessoas de vestes brancas  vieram de algum lugar de muita tribulação, pois se já estivessem na terra os anciãos não teriam feito essa pergunta...! ) O livro de Avraham nos responde:“Durante os seis anos da colheita final, o Messias edificará uma Nova e Eterna Jerusalém, adornandoa com os atos de justiça de Seus escolhidos. (Êxodo 25: 1 - 8) Isaías 60: 10 -22 ; Zacarias 6: 12 - 15;  Apocalipse 3:12) Essa Nova Jerusalém somente será revelada ao completar-se toda a justiça divina, ao fim do sétimo ano, período em que os eleitos de ELohim terão como desafio viver uma vida sem  culpas, pois qualquer ato de rebeldia naquele tempo, ficaria sem expiação, significando eterna vergonha para o Criador. Ao completarem-se os sete anos, ,o Messias aparecerá nas nuvens do céu, acompanhado por todas as hostes celestes; Ao tocar Sua trombeta naquele grande Rosh Hashanáh, os fiéis falecidos, ressuscitarão revestidos de glória; os vivos vitoriosos, serão transformados num abrir e fechar de olhos , recebendo corpos perfeitos; Juntos, todos os remidos serão arrebatados para a Nova Jerusalém, numa viagem inesquecível que começará no primeiro dia da festa de Sukot; Depois de  sete dias de feliz ascensão, chegarão à Cidade Santa para comemorarem, diante do trono, o oitavo dia da festa. Como que a sonhar, os resgatados do Senhor entrarão na Cidade Santa, encontrando ao seu norte, o jardim do Éden, no meio do qual eleva-se o monte Sião, o lugar do trono de Yahwéh. “
Muitos estão usando esse texto para afirmar o Milênio na terra, todavia, veja que a Jerusalém e o reino do messias se processará em outra dimensão em outra região, não sabemos em que local será somente o Masahiach sabe. Depois de muitos dias, depois dos mil anos o verso 22 a cidade desce, Jerusalém  celestial desce Apocalipse 21:2 “Eu Yohanam vi a Santa cidade a Nova Jerusalém que do Eterno descia do Céus” ou seja somente após mil anos é que a cidade desce e se cumpre o verso 23 O monte Sião será a morada aqui na terra com o Senhor dos exércitos com os Santos por toda a Eternidade. Agora sim não teremos milênio na terra, mas sim a Eternidade, para sempre viveremos aqui na terra...Por isso Davi afirmava em Tehilim: “Os Mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de Shalom”Por quanto tempo ficará satanás preso na terra?“ E vi descer dos céu um anjo, que tinha a chave do abismo, uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão a antiga serpente que se chama diabo, e satanás, e amarrou por mil anos, e lançou no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações até que os mil anos se acabem”. Apoc 20:1-3
O único ser que ficará vivo suportando essa explosão vista por Kefas será satanás que ficara no deserto deste mundo por mil anos. O termo abismo aqui empregado, aplica-se a terra em seu estado original, desolado, deserto, caótico, escuro e desabitado.neste estado permanecerá satanás por mil anos, sendo ali a sua prisão. Provas irrefutáveis que temos sobre esse aspecto é o código da Biblia, codificado pelo Próprio Eterno, Adonai revela exatamente esse fato...No livro lançado por Michael Drosnin, intitulado como:“O Código da Bíblia” relata detalhes sobre terra durante o período dos mil anos vejamos a seguir:
Aqui o código da bíblia mostra ano 5873 em nosso calendário 2113. A terra estará totalmente despovoada e vazia, terra desolada sem ninguém sobre a face da terra...
O próprio Eterno codificou esse período com suas próprias mãos!!!Os que sofreram a morte por ocasião da segunda vinda de Yeshua foram os ímpios, e os que não ressuscitaram continuaram no tumulo até os mil anos acabarem Apocalipse 20:5 “E os outros mortos não reviveram até que os mil anos se completem, esta é a primeira ressurreição”.Satanás contemplará as cidades destruídas, os destroços e toda pompa do poder deste mundo, ele terá oportunidade de refletir nos resultados de sua rebelião contra o Eterno. Mas o profeta Isaias diz serão visitados depois de muitos dias.O deserto aqui devidamente tipificado, foi durante milênio expresso ao povo de Israel na figura do santuário. No grande dia da Expiação ou seja YOM KIPPUR, dois bodes eram trazidos, um tipificaria o Messias, pois era morto pelos pecados do povo e o outro ficavam aguardando a saída do Sumo sacerdote que transferia  o pecado para o Azazel,a expresão que vai para Azazel é igual a ir para o deserto pois  o mesmo era levado para o deserto, dele se originou o pecado para ele volta e tipificadamente isto era uma lição que o Senhor ensinara aos filhos de Israel por muito tempo, O  Senhor ensinou esta lição aos filhos de Israel durante milênios. De maneira alguma ao ser transferido os pecados que estavam no lugar Santíssimo para lúcifer que ia para o deserto ele não estava participando aqui  do plano da redenção, mas como o criador do pecado o mesmo voltava pra ele...  A figura do santuário aqui é perfeita, pois ao Yeshua voltar ao mundo Ele transferirá os pecados dos sal vos de todo o seu povo para Satanás o criador do mal e o mesmo ficará preso por mil anos no abismo pois não tem ninguém pra tentar... Apoc 20:1-3.
O que Os santos farão neste período?“ E vi tronos;  e assentaram-se sobre eles, e foi-lhe dado poder de julgar... E viveram e reinaram com o Messias por mil anos.” Apoc 20:4A Quem  Julgarão os santos?“ Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo contras outros? Não sabeis que os santos hão de julgar o mundo?...Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos?” I Cor 6:1-3.
Qual a classe somente participa da primeira ressurreição?
“ Bem aventurado e santo aquele que tem parte  na primeira ressurreição; sobre este não tem poder a segunda morte.” Apoc 20:6.
Ao estar nos ares com o messias o que o santos farão com ele?
“ Na casa de meu pai há muitas moradas se não fosse assim  vo-lo teria dito vou preparar-vos lugar e quando eu for e vos preparar lugar virei outra vez, para que aonde eu estiver estejais vós também...”Esse texto não deixa nenhum vestígio de duvida sobre  o messias que  foi  para os céus e voltará para buscar o seu povo e ainda usou o termo “ Na casa de meu Pai há muitas moradas” eu vou e volto para buscar a vocês. A atitude de Yeshua foi demonstrado durante milênios nas festas da cabana, quando o MESSIAS tabernaculará  ou habitará  com o seu povo durante Mil anos. O que acontecerá após esse período?  Esta lá na bíblia Apocalipse 20:7-9.  Filipensses 3:20“ Mas a nossa pátria esta nos céus, onde aguardamos o nosso salvador Yeshua Há mashiah”Se alguém tem dúvida após esse versículo, esta se fechando ao Espírito de Elohim...II Cor 5:1 “Porque sabemos que se a nossa casa terrestre desse tabernáculo se desfizer temos de Elohim um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus.”“ Para uma Herança incorrupitivel, incontaminável e imarcessível guardada nos céus para vós” I Ped 1:4Concluo dizendo se os mil anos não forem nos céus com Yeshua, na terra é que não será, pois mesma estará desabitada e vazia e somente satanás solitário pois ele foi para Azazel, esse termo significa ir para o deserto, não tendo mais ninguém para tentar, somente após os mil anos é que voltaremos para terra e a terra será a habitação dos santos para sempre. Isaias 66:23 “ E será que de uma festa da lua nova a outra e de uma Sábado a outro vira toda carne adorar perante mim diz o Senhor”.Shalom...
Ter, 30 de Agosto de 2011 01:22

Mitologia Mesopotâmica

Publicado em Estudos Escrito pelo Robespierre Cardoso da Cunha

A Mesopotâmia compreendia o extremo sul da planície que se estende entre os rios Tigre e Eufrates, que atualmente é chamado de Iraque. O terreno semidesértico necessitava do regadio, ao mesmo tempo em que a quase ausência de madeira e pedras levou que os edifícios fossem construídos com tijolos.

Os primeiros assentamentos se deram pôr volta de 4500 anos antes de Cristo, nas proximidades do Golfo Pérsico. Os seus habitantes foram os sumérios, um povo conhecido pôr sua criatividade. A complexa religião e mitologia da antiga Mesopotâmia foi uma invenção sumeriana. Arraigou-se e prosperou nas cidades que se desenvolveram, a partir do séc. 3 a.C., nos assentamentos primitivos. Muitas cidades ainda tinham nomes sumérios reconhecíveis em época posterior, o que apenas demonstra uma continuidade do povoamento. Do mesmo modo, apesar de ter sido inundada pôr vindas sucessivas dos semitas - sobretudo babilônios e assírios, a tradição cultural sumeriana se manteve praticamente intocada. Os semitas assimilaram a filosofia suméria e lhe incorporaram características próprias.

Até a conquista de Alexandre, o Grande, rei da Macedônia, no século 4 a.C., a tendência religiosa era a evolução das deidades nacionais. Tanto Marduk, deus babilônio, como Assur, deus assírio da guerra, foram considerados potências supremas do universo em vez de serem vistos como membros de um panteão que controla as forças naturais.

A religião mesopotâmica se origina da veneração dos fenômenos naturais. Parece que, ao princípio, os sumérios imaginaram algumas dessas forças como tendo forma animal, mas posteriormente preferiram a forma humana como modo de representar os deuses.

Gradualmente, os deuses se aproximaram aos seres humanos e entraram nos templos construídos em sua honra. Freqüentemente essas "casas" estavam nos zigurats, imensos montículos artificiais de tijolos secados ao sol. De acordo com a épica babilônica da criação - que leva o nome das primeiras palavras, Enuma elish (Quando do alto...), os homens foram criados somente para aliviar os deuses da carga de trabalho. Este poema da criação explica o dilúvio dizendo que Enlil, deus sumério do ar, já não podia suportar o barulho da cidade onde estava erguido o seu templo.

Depois de inúmeras tentativas para silenciar o povo com a praga, a seca e a infertilidade, Enlil lançou um descomunal dilúvio sobre a terra. Somente sobreviveram a família e os animais do sábio Atrahasis.

A máxima autoridade do panteão era Am (sumério) ou Anú (babilônio), cujo nome significa "céu". Provavelmente os sumérios acreditavam que a vida surgiu do matrimônio entre Am (o céu) e Ki (a terra). Entretanto, no período em que a população da Mesopotâmia se concentrou nas cidades, Enlil - deus de Nuppur – era a deidade mais importante.

A dependência da agricultura intensiva levou à crença que o crescimento das cidades era conseqüência de um presente de Enlil: a enxada. Como os sumérios também consideravam esta deidade como o dono daquele instrumento, o templo possuía e explorava a maior parte das terras irrigadas.

O dever principal do governante temporário era, portanto, salvaguardar os interesses do deus da cidade, dado que a monarquia "descendia do céu" como meio de interpretar a vontade divina perante os homens.

A relação entre os deuses e os governantes se tornam claras nas grandes cerimônias de veneração que aconteciam nas festas das estações. No Ano Novo, pôr exemplo, o monarca personificava o deus em um casamento sagrado com a suma-sacerdotisa, que representava a mãe-terra.

A assembléia dos deuses - autoridade máxima do universo mesopotâmico - se reunia em um canto da antecâmara do templo de Enlil, em Nippur. Salvo pôr motivo do seu próprio julgamento, Enlil costumava executar as decisões da assembléia mediante uma tempestade. Em Enuma Elish se descreve o debate divino mais dramático que se tem registrado. Refere-se à ameaça plantada pôr Tiamat, o dragão babilônico do caos.

Desesperados diante da enormidade das forças que Tiamat tinha colocado contra eles, os deuses escolheram Marduk como governante absoluto. A vitória de Marduk concedeu a liderança da Mesopotâmia à cidade de Babilônia.

De forma diferente ao isolado vale do Nilo dos antigos egípcios, a experiência histórica da planície entre o Tibre e o Eufrates foi turbulenta e esteve impregnadas de mudanças bruscas. As invasões estrangeiras e os conflitos internos se somaram ao caudal irregular dos grandes rios e moldaram uma perspectiva mitológica que deu importância tanto à luta cósmica como ao ordenamento divino do universo.

Mitologia Sumeriana

Os mitos da Suméria são cosmológicos e procuram investigar a origem do povo, da raça, da sociedade. É a mitologia subjetiva: representa aquele estágio em que a reflexão humana, pela primeira vez, tomou conhecimento dos fenômenos psíquicos, internos, e do mundo exterior em função do Homem como ser racional; é, sem dúvida, a mais antiga "reflexão humana" que conhecemos. Os elementos que a mitologia sumeriana utiliza são terrenos e familiares.
..
Procura explicar a diversidade entre o estável e o instável, entre o que é duradouro e o que é fugaz ou efêmero, entre o que é seco e o que é úmido; depois vem o mar, último, talvez, em ordem cronológica, mas o primeiro elemento de espanto para o povo sumeriano, o mar, figura misteriosa e temível; ele representa a eterna luta entre a água e a terra firme. .
O panteão sumeriano é o reflexo das famílias organizadas em grupo social. Era imenso mas é verdade que a maioria representava pequenos deuses locais que foram assimilados ou esquecidos; os grandes deuses, porém, eram adorados na maioria das cidades; muitos chegaram mesmo a figurar no panteão babilônico.

Segundo a crença comum, os deuses haviam criado os homens para o seu serviço; além de construir templos e oferecer sacrifícios, o homem deveria respeitar as leis, das quais as divindades eram protetoras; os deuses, pôr sua vez, nada deviam aos homens: com a criação haviam esgotado o elemento providencial; não eram obrigados a recompensar o bem; tudo o que acontecesse de ruim era sinal de que os deuses não estavam satisfeitos com os atos humanos.
Os deuses usavam os demônios para atormentar os homens e estes contavam-se pôr legiões: "os arrebentadores", "os devoradores de criança", etc. Os mesopotâmicos, em geral, viviam em um estado de temor interminável; não conheceram a doçura e o otimismo que a civilização egípcia cultivou com tanto empenho; e depois da morte, nenhuma esperança lhes sorria.

Sua idéia sobre a morte confirma o aspecto severo e terrível da concepção religiosa que aceitavam. Morto o homem, restava-lhe apenas uma espécie de espectro, um espírito muito vago, que viveria na eterna sombra. Deste modo, a idade avançada era considerada um favor dos deuses para com o mortal que vivesse mais anos que o normal.

Os Deuses Sumerianos

Os deuses sumerianos são chefiados pôr An (o Deus-céu), Enlil (o Senhor-vento) e uma deusa, Nin-ur-sag (a Senhora da Montanha), conhecida pôr outros nomes também.

Enlil passou para o culto da Babilônia; seu nome passou a chamar-se Bel, que significa "senhor". Seu reino era a terra; na Suméria, o principal local de culto dele estava localizado em Nipur, uma cidade antiga. Na época arcaica os reis de Lagash (outra cidade importante) o chamavam de "rei dos deuses"; tinha o epíteto de "sábio". Enqui, o Senhor da Terra, aparece às vezes como filho de Enlil; dominava as águas, exceto as do mar.

Nin-tu, Nin-mah ou Aruru eram os outros nomes de Nin-ur-sag. Namu era a deusa do mar; Nintura, Utu e Eresquigal completavam o quadro dos Grandes Deuses, chamados "Anunáqui". os mitos relatavam o nome de Ninsiquila, filha de Enqui.

A Árvore Cósmica

Existe um mito antiquíssimo sobre a existência de uma árvore cósmica que unia a terra ao céu. Essa árvore chamava-se "gish-gana do apsu" ("O Abismo Primordial") e crescia sobre todos os países; é o símbolo da viga que une as duas regiões visíveis: Terra-Céu. O templo era o símbolo da árvore cósmica, à porta deste erguia-se um outro símbolo, uma estaca ou viga que "tocava o céu".

O rei de Isin chamará o templo de Lagash de "O grande mastro do país de Sumer". A expressão e o próprio símbolo, contudo, desaparecem com o tempo. Mesmo assim, fica a concepção mitológica de um local sagrado na Suméria que seria o ponto de união entre o Céu e a Terra.

Mar, Terra e Céu

A deusa Namu é chamada de "A mãe que deu o nascimento ao Céu e à Terra"; aliás, muitas vezes é designada como a mãe de todos os deuses ou de Enqui, a deidade responsável pelo mundo dos homens.

A criação do cosmos se fez pôr emanações sucessivas; do mar primordial nasceram a Terra e os Céus. Os dois elementos, gêmeos, estavam, no início, unidos e se interpenetravam. Enlil os separou, talvez com um sopro, já que seu nome significa "Senhor Vento".

Mitologia Babilônica

Sobre a Mitologia da Babilônia, pouco conhecida mas impressionante, existem dois dados básicos, que devem ser compreendidos em uma primeira instância.

A primeira informação é de que a religião babilônica dependia dos sumerianos, ou seja, foram influenciados em suas crenças pôr elementos estrangeiros. O segundo dado é mais informativo: a religião babilônica era naturista, ou seja, adorava as forças vitais. O homem seria a medida de todas as coisas; "as forças vitais, portanto eram representadas sob formas de espíritos de fertilidade e de fecundidade, encarnados num casal, bem como nas famílias humanas. Um jovem deus, que tinha os atributos e poderes do pai, representava papel não bem definido, pois ora era filho da deusa, ora seu amante, ora as duas coisas ao mesmo tempo. (...) Havia a seguir, deuses especializados : o do Grão, o da Floresta, o da Vinha, o da Fonte, etc., e espíritos inferiores, demônios, para explicar o mal que atingia a Humanidade".

O Enuma Elish

O Épico Babilônico da Criação, o Enuma elish, está escrito em sete tabletes, cada um com algo em torno de 115 e 170 linhas de texto. Foi feito para ser recitado no festival do Ano Novo na Babilônia e fala sobre o sucesso do deus-herói Marduk, o deus da Babilônia... conta como se tornou a deidade suprema, rei de todos os deuses do céu e da terra.

"Quando o céu acima não possuía ainda nome
Nem a terra abaixo era pronunciada pôr nome,
Apsu, o primeiro, o criador de ambas as coisas
E o fabricante Tiamat, que os chateava a todos,
Misturaram suas águas,
Mas não formaram os pastos, ou descoberto as camas de junco;
Quando os deuses não tinham se manifestado ainda,
Nem nomes pronunciados, nem destinos criados,
Então os deuses foram criados dentro deles."

A Epopéia de Gilgamesh

Gilgamesh é o grande herói da poesia épica Babilônica e Sumeriana. É o precursor de Héracles de outras histórias folclóricas. Gilgamesh é o filho da deusa Ninsun e do sacerdote de Kullab (uma das partes de Uruc), e o quinto rei de Uruc depois do grande dilúvio. Se tornou famoso como um grande construtor ("...erigiu muralhas, um grande fosso e o templo abençoado de Eanna...") e como uma espécie de juiz da morte.

A Epopéia de Gilgamesh foi preservada em tabletes de argila que foram decifradas no século passado. Eles contêm as aventuras do grande Rei de Uruc (cidade ao sul da Babilônia) em sua busca pela imortalidade e de sua amizade com Enkidu, o homem das colinas selvagens, que comia com as gazelas e com as bestas...

A maioria dos poemas deste épico já tinha sido escrito nos primeiros séculos do segundo milênio antes de Cristo, mas é provável que existiu quase que da mesma forma muitos séculos antes. A edição mais completa, entretanto, vem da biblioteca de Assurbanipal, antiquário e último grande rei do império Assírio.

Mitologia Céltica

Estudar o panteão celta é adentrar um mundo vasto e desconhecido. Este panteão foi transmitido através das gerações de forma oral. Eis, pois, o motivo real da dificuldade: a transmissão oral tem muitíssimas falhas. A maior parte do conhecimento que se tem de tal panteão se deve principalmente à "ajuda", digamos assim, do imperador romano Júlio César.

Roma conquistou os povos celtas da Gália (atualmente França) depois de muitos anos de batalha. Para os romanos, os galos (celtas da Gália) tinham uma grande virtude, a valentia, mas era só isso. Eram vistos como seres primitivos que impediam a expansão do mundo civilizado (Roma). É certo, portanto, estudar o que foi legado pôr Roma mas tendo sempre em vista que os romanos não gostavam dos celtas. Os relatos são, pois, cheios de exageros e preconceitos.

Os relatos mais fieis, entretanto, sobre a mitologia celta estão presentes na literatura irlandesa e galesa. A primeira vem desde o século VII, enquanto a segunda remonta do séc. XIV em diante. Essa literatura (poesias épicas) vai versar principalmente sobre a Irlanda medieval, "assim como a tradição artúrica derivada em Gales, Bretanha e Inglaterra".

Um observador mais atento verá rapidamente que as informações são limitadas pois só compreendem a zona ocidental do reinado celta.

"Felizmente, os ciclos mitológicos da Irlanda são extensos e estão pletóricos de incidentes. A propósito, somente foi publicada metade das 400 narrações que hoje em dia se sabe que existem. Os estudiosos modernos dividiram estes relatos em quatro ciclos principais".

O primeiro ciclo compreende o povo da deusa Danann, os "tuatha de Danann". A grande deidade deste ciclo é Dagda, filho da deusa sobrecitada. Dagda possui um caldeirão mágico que tinha o poder de reviver os mortos. Alguns mitólogos dizem que esse objeto é o protótipo do Santo Graal. "Dizia-se que o Graal era o cálice do qual Jesus e os seus discípulos beberam durante a última ceia; também recolheu sangue que brotou da ferida de lança sofrida pôr Jesus na Crucificação".

O segundo ciclo retrata principalmente Cuchulainn, um dos vários heróis do Ulster. Era uma espécie de semi-deus guerreiro protetor da Irlanda. O terceiro ciclo fala das histórias dos reis lendários, que lutavam freqüentemente entre si, dando a oportunidade a Morrigam - deusa da guerra - de semear a morte nos campos de batalha. Morrigam era vista como uma ave e estava presente em tudo o que fosse verdadeiramente selvagem e maléfico nas forças sobrenaturais.

Os duelos entre os heróis celtas são contados no quarto e último ciclo. São conhecidas as aventuras de Finn mac Cumhaill, líder dos Fianna, grupo de guerreiros fortíssimos.

O panteão celta vai influenciar diretamente a cavalaria cristã. "A Igreja medieval sempre se preocupou pelo Graal que, conforme se supõe, José de Arimatéia levou à Grã-Bretanha. No entanto, os clérigos pouco podiam fazer para esfriar o entusiasmo diante das narrações legendárias dos Cavaleiros da Távola Redonda. Inclusive tiveram de aceitar o relato de acordo com o qual somente foi concedida a visão do Graal a sir Galahad em virtude de sua pureza". O interesse pôr Artur e seus cavaleiros ainda existe até hoje.

O próprio cristianismo medieval estava banhado pôr lendas como as presentes no Juízo Final, ou nas histórias sobre o Anti-Cristo e ao culto da Virgem Maria. "Parecia que somente o bendito grupo de santos mantinha à distância a multidão de magos. Embora os clérigos apelaram ao exorcismo como arma contra as persistentes artimanhas de Satã, a angústia pessoal pelo inferno explica a popularidade do apócrifo Evangélico de Nicodemo (Acta Pilati), que narra o triunfal descenso de Jesus aos infernos e a libertação de muitas almas cativas".

 

Deuses Celtas

Abnoba Andrasta Arduina Balor Balenos

Brigit Bron Cuchulainn Dagda Dana

Épona Fionn Gonavonn Ossian Tricéfalo

Abnoba

Deusa da Floresta negra (Forêt-Noire, Schwarzwald).

Andrasta

Deusa guerreira. Aparece com a rainha Budica. Tinha um esposo que foi identificado com Marte, o deus da guerra romano.

Arduina

Deusa de Ardennes. Foi identificada pêlos romanos como Diana, a deusa da caça.

Balor

Gigante irlandês de "mau olho"; tinha as pálpebras caídas sobre os olhos e era mister um forcado para erguê-las; seu congênere gaulês chamava-se Yspaddaden.

Balenos

"O Brilhante" ou "Aquele Que Reluz", divindade que, pêlos romanos, foi identificada como o Apolo latino.

Brigit

Irmã do deus Oengus, o Cupido irlandês, divindade do amor. Brigit é uma deusa tríplice, a menos que haja três irmãs com o mesmo nome. É venerada pêlos poetas, ferreiros e pêlos médicos. Enquanto deusa das estações do ano, seu culto se celebrava no primeiro dia de fevereiro, dia do Imbolc, a grande festa de purificação.

Bron

O deus marítimo Llyr teve dois filhos: Bron ou Brân (Bron é irlandês e Brân é gaulês) e Manannân ou Manawydan. Brân era um enorme gigante que nenhum palácio ou nenhum navio podia abrigar; atravessou a nado o mar da Irlanda para combater e destruir um rei e seu exército; estendido através de um rio, seu corpo gigantesco serviu de ponte para o exército passar. Possuía uma caldeirinha mágica com a qual ressuscitava os mortos. Harpista e músico, era o protetor dos fili e dos bardos. Rei das regiões infernais, lutou para defender os tesouros mágicos que o filho de Dôn queria roubar. Ferido pôr uma flecha envenenada, ordenou que lhe cortassem a cabeça, a fim de abreviar seu sofrimento; a esta cabeça decepada continuava a dar ordens e conversar durante 87 anos, que tantos foram necessários para levar o corpo à sepultura, uma colina de Londres. A cabeça cortada de Brân, voltada para o sul, prevenia a ilha de toda invasão; o rei Artur, imprudente, mandou exumá-la, tornando possível a conquista da Saxônia.

Cuchulainn

As aventuras de Cuchulainn (diz-se Cu-hu-lim) constituem a epopéia principal do ciclo heróico de Ulster. Ao nascer, chamava-se Setanta; era filho de Dechtiré, irmã do rei Conchobar, casada com Sualtan, o profeta. Seu pai verdadeiro, porém, era o deus Lug, mito solar dos Tuatha Dê Danann. Foi criado entre os demais filhos dos vassalos e guerreiros do rei. Com sete anos matou o terrível cão de guarda de Culann, chefe dos ferreiros de Ulster; vem daí o nome Cuchulainn, "Cão de Culann". O menino possuía uma força incrível e, quando dominado pela ira, lançava calor intenso e suas feições transformavam-se, pavorosamente. Algum tempo depois de matar o cão, massacrou três guerreiros mágicos gigantes, que tinham desafiado os nobres do Ramo Vermelho (uma milícia ou ordem primitiva de cavalaria de Usler, provavelmente). Depois, mandam-no para Scâthach, a Rainha das Trevas, epônima da ilha Skye, onde conclui sua educação. A feiticeira ensina a ele a arte da magia. Antes de voltar para casa, decide matar uma inimiga de sua professora, a amazona Aiffé, uma mortal. Não só a derrota mas deixa-a grávida. Volta, assim, para Ulster, munido de armas prodigiosas. Pouco tempo passado, se apaixona pôr Emer (diz-se Avair), filha de Forgall Manach, mágico poderoso. Este não permite o relacionamento; Cuchulainn, então, rapta-a, depois de ter matado toda a guarnição e o pai da moça. Neste período é que as grandes batalhas e aventuras tomam lugar.

Dagda

O "Deus Eficaz", é o nome pelo qual era chamado o deus-chefe Eochaid Ollathair. Dagda era bom para tudo: dos mágicos é o primeiro e o mais poderoso, temível guerreiro, habilíssimo artífice e o mais esperto de todos quantos "possuem a vida e a morte". Possui uma caldeirinha mágica que pode alimentar todos os homens da terra. Chama as estações do ano tocando sua harpa divina. Veste uma túnica curta e traz na cabeça um capuz. É o senhor da vida e da morte, dispersador da abundância.

Dana

É a companheira de Bilé. A sua descendência chama-se Tuatha Dê Danann (tribos da deusa Dana).

Épona

"A Cavaleira" ou "a Amazona". É representada sempre a cavalo, sentada de lado, como as amazonas do século passado; na cabeça trás um diadema; ao seu lado vê-se uma jumenta ou um poltro, que, às vezes, é alimentado pela deusa. Seus atributos eram a cornucópia, uma pátera e frutos. Presidia, também, à fecundidade do solo, fertilizado pelas águas.

Fionn

Chefe dos Fionna de Leinster, o herói Fionn ou Fionn mac Cumhail é o fanfarrão que mata monstros também sendo um mágico. Vive de aventuras, é desconfiado e astucioso. É filho de Ossian e avô de Oscar; são seus inimigos Goll e seu irmão Conan. Seu nome significa "Branco" ou "Louro". Morreu em uma batalha, em Glabra.

Govannon

O nome é bretão; a forma irlandesa é Goibniu e significa "ferreiro". Este deus é o Vulcano das tribos celtas insulares; fornece armas aos membros do clã e aos aliados. Consideram-no, na Irlanda, o arquiteto das altas torres redondas e das primeiras igrejas cristãs.

Ossian

Era filho de Finn. É, certamente, o mais importante personagem do ciclo feniano ou de Ossian. Quando foi da derrota de Gabara, escapou graças à deusa-fada Niamh, que conduziu sua barca de vidro para Tiranog, o paraíso céltico. Passou lá 300 anos de juventude, enquanto o tempo e os reinos (e os reis) passavam na terra. No fim desse tempo quis retornar à face da terra. Niamh lhe confia a montaria mágica que ela mesma usava, recomendando-lhe que não pusesse o pé em terra. Ossian, entretanto, cai da montaria e bate no solo terrestre e quando ergue-se, custosamente, era um velho fraco e cego.

Tricéfalo

É um personagem com três cabeças ou com três rostos. Em uma estela encontrada em La Malmaison o Tricéfalo domina o par divino formado pôr Mercúrio e Rosmerta. Era apenas uma representação do deus que os romanos identificaram ao seu Mercúrio. A multiplicação das cabeças seria a forma prática de multiplicar o poder da divindade.

 

Ter, 30 de Agosto de 2011 01:17

A Religião da Nova Ordem

Publicado em Estudos Escrito pelo Robespierre Cardoso da Cunha

Este material é extraído do livro:

A religião da Nova Ordem

The New world Religion

 

Ao se falar do processo da formação da Religião da Nova Ordem... é preciso lembrar primeiramente de Helena Blavaski, Satanista  juntamente com Alice Bailey Inglesa que deu prosseguimento a sociedade teosofica,assumida, na fase embrionária dessa religião.

Nasceu na Rússia em 1831... orientado pelos espíritos fundou a sociedade teosofica que defende a idéia “Lúcifer é divino e iluminado pelo espírito santo” As idéias da nova era apóiam a : Evolução, reincarnação, Astrologia e meditação transcendental. Suas idéias sobre Deus reflete tal como Deus é o sol de toda vida; Ele é “Energia”, a força de toda Vida, que flui através  de todas as coisas ... a acunputura, certos tipos  de Iridologia e meditação transcendental etc..  Entretanto, o maior alvo  de Lúcifer para estabelecer uma nova ordem mundial é a globalização idéias como “We are  the wold” e campanhas semelhantes a essas mundialmente feita tem lançado a base, alicerce para entrada de uma nova ordem mundial... ( Fazer um paralelismo entre primeira ordem mundial por Nirode e esta última) A campanha dos cantores do mundo todo p/ ajudar as crianças e os necessitados p/ fome mundial foi uma das fortes notas no ar de cantores do mundo todo cantando... composto por Bella font.. Numa entrevista em uma revista ele disse: “O nosso objetivo é impor um governo Mundial “ Eles dizem : Que se o governo norte americano deseja sobreviver até o ano 2006 eles precisam ter um presidente da Nova Era.... com estas idéias.

A Nova era considera os Cristãos orgulhosos e centralizados em se mesmo... nos ensinamentos bíblicos separatistas...estes separatistas, dizem eles rejeitam o panteismo  e a teologia da nova era, por isso precisamos fazer o processo de purificação.

Assim sendo, Jonh Price e sua esposa criaram o dia mundial da paz., dia da saúde das nações, foi eleito então o dia 1 do ano, para uma meditação mundial reunindo cerca de 5000.000 milhões de pessoas ao redor do mundo eles advogam que as forças negativas serão expulsas e as Igrejas se unirão... Esse processo teve inicio em 1986...  As pessoas que não aceitam essa nova experiência, eles chamam de pessoas com baixa vibração... esses indivíduos precisam ser removidos, destruídos, eliminados nas duas décadas adiante...assim eles conclamam uma nova ordem p/ eliminação de dois bilhões de pessoas e esta proposta

Está em nome da paz mundial... Haverá então uma separação entre luz e trevas a luz se unirá com eles e mas  as trevas tem que ser extintas pela luz.

Price falando dos seus Sinistros Planos p/ o planeta terra em promover o dia da saúde mundial ele disse: “ Através dos esforços de milhões de homens e mulheres  com pureza de motivo com uma consciência voltada para cristandade. O mundo então se separara entre luz e trevas, os que se atraírem para luz se juntará a nós, sendo um conosco e a luz se espalhará pelas trevas que deixará de existir...

Bárbara HUBBARD em 1986 ela declarou: “ O Planetário Pentencostal” com a meditação ao redor do mundo onde os participantes  disseram sentir o poder de Cristo para curar, ressuscitar os mortos transformar os seus corpos físicos ...Ela ensina que todo o mundo são celulas deste cérebro global que devidamente conectadas abrira a porta de uma nova consciência , então as mentes adormecidas  terão poder e o cristo cosmico tão esperado virá... Na visão Bárbara com isto conectado haverá o quantum Leap, ou seja uma vez que um macaco numa ilha come banana, logo todos estão comendo...

Nós somos o cavalo Branco , oferecemos essa nova ordem com paz a todos, porém nos somos o cavalo vermelho do apocalipse, que simboliza sangue que significa destruição durante o processo de nascimento dessa nova era, novos seres iluminados pela luz... esse ato estranho e horrível  é como se matasse células cancerosas. Esse processo se chama SELETIVO que já começou( comentar o material da embaixada e a carta Celina). Nós estamos no lugar de Deus p/ fazer o processo de purificação e seleção da terra... Ele “  “

SELECIONA nos destruímos,nós somos os passos do cavalo amarelo.

Durante a última semana de outubro de 1986, O Papa João Paulo segundo fez para desta unidade global convidando centenas de leader Cristão e não Cristão para unirem a voz na oração pela paz.. É realmente estranho The Lúcifer Company Publication da destaque e aplaudir os livros do Papa e em 1994a revista Time elegeu com o homem do ano...

 

Os lideres da nova era estão familiarizados com a bíblia e eles interpretam apocalipse os

144000 como povo escolhido pelo cristo cósmico p/ trazer estas mudanças... eles penetraram em todas as camadas da sociedade: Medicina,religião,ciência permeando em cada segmento social com suas ocultas idéias ... o seu alvo é implantar a nova ordem mundial e não descançaráenquanto o cristianismo puro e sincero tenha sido eliminado.

 

Com os Políticos mais carismáticos , religiosos mais conceituados, ali esta eles trabalhando com estes políticos, homens como Michail gorbachev, nasceu em 2 março de 1931- aos 21 anos de idade abandonou o cristianismo e juntou-se aos comunistas até chegar a presidência, escreveu: “ Um tempo de paz” e “ Perestroika” visando a globalização. Ele apela para uma mudança uma Perestroika global p/ nosso novo mundo, nossa economia., sistema político... uma nova ordem regidos p/ políticos com estes pensamentos...séc 21.

No conselho de relações exteriores ele apresentou o seu plano; “segurança global”,  outros temas como explosão demografica, fome mundial, pobreza,  ambientalismo eles usam estes assuntos  como veículo p/ implantação de uma nova ordem mundial... Eles dizem precisamos de leis Internacionais que possam reger o mundo leis internacionais. Eles planejam fazer os 10 mandamentos do controle ambiental mundial... Eles chamam atenção para varias partes da terra que está desertificada a camada de ozônio etc...este documento é o mais quente ID de unidade. Na Rio Eco 92 foi uma iniciativa e um começo para implantação    deste  programa... Nós precisamos criar uma nova cidadania, com novos passaportes e o homem será cidadão do mundo, com vistos n1 n2 cidadãos do universo.

Dr. Michel e Hery Lamb diz com clareza que este governo global é um ato catastrófico ato de violência, resultando na perda de nacionalidade,propriedades de direitos, e liberal individual tudo em nome ecologia.

Quando for implantado os 10 mandamentos da nova  ordem mundial  os mandamentos da terra: A Nossa nacionalidade deixará de existir. O direito de decidir o que ensinar p/ seu filho será limitado o estado forte controle em tudo, até nossa fé será comprometida... De acordo com lideres da nova era os que querem crê no Deus pessoal e rejeitam fazer da criatura seu deus, estes que têm ser eliminado...( Na área  educacional citar Robert Muller.

Disse no final de tudo inauguraremos a era de aquário... Na teologia de Muller o período da nova era será um   periodo de perfeita unidade p/ familia humana – então se manifestará o Cristo cósmico, quem de fato governará a humanidade na era de aquário... Eles defendem a idéia que você é Deus... e o Cristo cósmico implantará  a lei dos  cosmos... Um grande colaborador desta nova ordem é Bill Grahm

 

Haverá um controle mundial e todos os seres humanos serão intensamente vigiados... no passado o programa de vigilância começou a se expandir com a entrada  do satélite, tv a cabo(fibra ótica), câmeras estaladas pelas cidades(Big Brother), e atualmente, o mais completo sistema de controle  e vigilância intensa sobre o individuo: O chip.... a implantação em animais foi um dos primeiros passos para o desenvolvimento do mesmo.

Atualmente se usa para controle de seqüestro etc.. Entretanto, a verdade é que o computador outrora já foi usado para controle e extermínio da raça humana tal qual foi  mostrado por Edwim Black  em seu livro IBM e o holocausto, a aliança estratégica entre a Alemanha nazista e a mais poderosa empresa americana...a IBM. Os prisioneiros eram identificados por meios de cartões Hollerith descritivos, cada um com as colunas perfuradas, detalhando nacionalidade, data de nascimento, estado civil, quantidade de filhos, motivo do encarceramento, características físicas e habilidades profissionais. As colunas 3 e 4 reuniam dezesseis categorias codificadas de prisioneiros, o orifício 3 significava homossexual, orifício 9 anti social, orifício 12 cigano, orifício 8 designava Judeu. A coluna 34 era rotulada razão da partida. O código 2 transferido p/ outro campo, morte o código era 3, execução código 4 , suicídio 5  e o numero 6 significava extermínio( câmera de gás, enforcamento ou fuzilamento....) Por incrível que pareça João  em Patmos em visão profética ele relacionou o numero 6 com extermínio: “foi lhe concedido também  que desse fôlego a imagem da besta, para que ela falasse, e fizessem que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. E fez que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fossem postos um sinal na mão direita ou na fronte, para que ninguém pudessem comprar ou vender se não tivesse o sinal, ou nome da besta ou numero do seu nome.... e o seu numero é 666... Por incrível que pareça nos cartões na coluna 34 dos formulários de cartão perfurado como código 7=fuga... (aplicação atual).

De fato, agora, o exercito, de recenseadores tinha condições de formular 235 perguntas, como: idiomas falado, numero de filhos, residindo com a família, nível de escolaridade, filiação religiosa e dezenas de outras peculiaridades. De repente o governo tinha o perfil de traçar o perfil de sua própria população. Aos Judeus serem aprisionados, muitos tinham fugidos do seu país, espalhando-se como refugiados por toda Europa e América. Associações profissionais expulsavam de seus quadros de membros. Em hotéis, restaurantes, praias e até mesmo nas fronteiras de certas cidades viam-se avisos, advertindo: “Judeus são indesejáveis”. Rapidamente como primeiro passo os Judeus estavam sendo empurrados para exclusão social e econômica e social, em outras palavras isto significa seleção, higiene racial, erradicação de grupos demográficos indesejáveis.

Veja o testemunho de pessoas diversas classes sobre o controle do chip, exposto no livro:

“     Melhor do que os promotores dos tribunais de Nurenberg, Edwin black desenvolve argumentação completa e incontroversa contra a participação  da IBM no holocausto. A historia, há muito abafada, agora vem à tona, mas para todos nos o perigo aumentou em progressão geométrica. Se os primitivos computadores das década de 1940 eram capazes de atuar como armas na guerra dos nazistas contra os aliados e contra os Judeus, qual o potencial dos computadores de hoje? As espantosas revelações de black sobre o passado encerram uma mensagem pungente para  presente e para o futuro.”

Byrol L. Sherwin

Reitor e vice- presidente, spertus istitude of Jewish studies

 

“Estou estarrecido. Os detalhes sórdidos do holocausto parecem não terminar nunca. Edwim Black agora fornece provas de mais cumplicidade de gigantes da Industria IBM.

Essa respeitável organização não hesitou em colocar ganhos monetários acima da dignidade                                                           e vida humana, fornecendo sua tecnologia para formar as maquinas do nazismo, causando o genocídio de milhões de Judeus, entre outros. Os horrores do terceiro Reich ainda continuam a nos assombrar nesse inicio se século XXI.

Ian F. Hancock

Diretor, Roman Archives and documentation center

 

Em abril cerca de 60.000 judeus haviam sido aprisionados e outros 10.000 tinham fugido do país, espalhando-se como refugiados por toda Europa e América. Associações profissionais expulsavam dos seus quadros membros Judeus. Em hotéis, restaurantes, praias até mesmo nas fronteiras de certas cidades viam-se avisos, advertindo: “ Aqui Judeus São indesejáveis”. Rapidamente, como primeiro passo, os Judeus estavam sendo empurrados para a exclusão econômica e social.

 

A Política demográfica nos princípios da higiene racial, deve promover valioso estoque genético. Também deve evitar a fertilidade de vida inferiores e a degeneração genética. Em outras palavras, isso significa  seleção e promoção deliberada de formas de vida superiores e erradicação de grupos demográficos  indesejáveis.

As varreduras estatísticas , com a ajuda da tecnologia Hollerith, já estavam vasculhando registro de batismo, registro de nascimento, e morte e outros cadastros da Igreja, não apenas para certificar do arianismo, mas também para isolar o Judaísmo.

Ninguém estava imune aquilo. Tratava-se de algo novo para a humanidade. Nunca dante3s tantas pessoas haviam sido idenficadas com tanta precisão, de maneira tão silenciosa, tão rapidamente e com conseqüências tão avassaladoras...

O Ponto de partida do novo serviço estatístico será diferente a saber, criar arquivos para cada individuo. E acrescentou: não mais estamos tratando recenseamentos gerais; na verdade estamos rastreando indivíduos...o relatório do serviço de informação britânico  da época afirmava:  agora os seres humanos se transformaram em numeros .....

Ao  declarar de forma causticas  que o chavão PAZ, brandido pela Alemanha   e por seus aliados intelectuais,era uma fraude... A paz Mundial, declarou Watson, a New York Times:

Surgirá  quando,todosos paises do mundo se concentrarem em seus problemas e arrumarem suas próprias casas..

A comunidade  profundamente talmúdica, que ficara com muito pouco, senão com a fé e os ensinamentos, compreendia muito bem que os recenseamentos eram nefastos na historia Judaica. A própria bíblia  ensinava que, a não ser nos casos especificamente ordenados por Deus. O censo é mau, pois por meio dele o inimigo conhece suas forças...

 

Assim todos indivíduos devem entregar o cartão antes da deportação.... qualquer um que seja apanhado sem o cartão está sujeito a possível execução...

Um cartaz da Hollerith com uma foto dizia: veja tudo com os cartões perfurados Hollerith..

O mesmo que apareceu na moeda de um dollar a partir de 1978.

 

Na inquisição  a arma que eles usavam antes da fogueira do santo oficio  ou câmara de gás da Alemanha nazista... foi a palavra que moldava a opinião publica, anestesiando as mentes diante do crime planejado.. mudando a carga emocional das palavras é muito mais fácil modificar o comportamento habitual das pessoas.

CEP - Centro de Estudos Proféticos
contato: Robespierre@centrodeestudosprofeticos.com.br - Telefone: (71) 3492-5517