Aproveite esta promoção, nova Torah 2014.

Imuno-hai

Home
A+ R A-
08 Ago

Outro tipo de Gerra: ​​Guerra Cibernética

Qualifique este item
(0 votos)

Computadores e teclados de computador são armas. Facebook e Twitter são o campo de batalha. Conceitos de segurança convencionais, tais como a violência, a identidade, localização, defesa, ataque e velocidade tem que ser completamente re-definidos. É difícil distinguir entre as conseqüências de um erro de programação simples e um ataque intencional, entre causa e efeito, entre atacante e defensor. Guerreiros cibernéticos usam ferramentas cibernéticas: software e hardware. É uma guerra do século 21, a guerra no ciberespaço:

Guerra Cibernética

A Wikipedia onisciente descreve o "ciberespaço" como um termo "evocativo e essencialmente sem sentido do "buzzword", que é derivado do grego κυβερνήτης (kybernētēs, timoneiro, governador, piloto ou leme) e, basicamente, "representa a rede global de informação interdependentes de infra-estruturas de tecnologia, redes de telecomunicações e sistemas de processamento de computador."

"O ciberespaço tornou-se a quinta dimensão da guerra, na sequência de terra, mar, ar e espaço", explicou o general Amos Yadlin, chefe da inteligência das Forças de Defesa de Israel, durante um simpósio em Tel Aviv no início de 2010. "A guerra na dimensão do cyber é tão importante para a batalha hoje como o desenvolvimento da cobertura aérea foi para a guerra no século 20".

A infra-estrutura em torno do qual esta guerra está sendo travada não mudou: suprimentos de agricultura e da indústria, energia e alimentos, o sistema de transporte, água e esgoto, sistemas de comunicação e finanças, e não menos importante, o sistema de saúde. Tudo isso é impossível hoje sem o uso dos computadores. O Ciberespaço tem é um sistema nervoso no nosso mundo moderno, e têm o seu controle.

Em seu cenário mais eficaz, um ataque cibernético pode causar danos tanto para os sistemas de computador de um país como o colapso econômico e das capacidades militares. "Uma ataque cibernético poderia levar ao colapso de toda uma nação, se as defesas apropriadas não estão no lugar", adverte Meir Sheetrit, presidente do setor de Ciência e Technologia do Knesset, o parlamento de Israel. "Hoje é possível sem aviões e tanques para trazer um país de joelhos, e o poder militar no mundo não pode fazer nada sobre isso."

Como em quase qualquer outra área da guerra moderna, a guerra cibernética demonstra algo que os militares vêm incansavelmente apontando em conversas nos bastedores: uma arma ou uma estratégia que se sabe ser muito inútil. É por isso que uma pessoa pesquisando na área de guerra cibernética vai encontrar-se tateando no escuro, e, provavelmente, recebendo uma resposta ambígua de um perito, junto com um sorriso, deixando o pesquisador saber se seu parceiro de conversa não quer dizer que ele sabe, ou se está blefando, a fim não ter que dizer o que ele não sabe.

Sabemos que os hackers nos últimos anos foram capazes de bagunçar fornecimento de eletricidade no Brasil e Estónia, atacaram o setor bancário da Geórgia. Em 2008, o website do Banco de Israel(Banco Central de Israel) teve que ser desligado por um tempo. Durante a Guerra de Gaza na virada do ano 2008/2009, simpatizantes do Hamas de países islâmicos bombardearam websites israelenses. Coisas semelhantes ocorreram após a intercepção da flotilha em Gaza pela marinha israelense em 31 de maio de 2010.

Os sites do governo de Israel está constantemente sob ataque de "cyber" jihadistas "e" hacktivistas ", disse o Instituto de Luta contra o Terrorismo no Centro Interdisciplinar de Herzliya, em novembro de 2010. Uma década atrás ainda era principalmente palestinos, às vezes apoiados por hackers russos. Hoje a maioria de "E-ttacks" em Israel vêm do Iran.

Em sua despedida, em Maio de 2011, o de Inteligência do Interior de Israel Yuval Diskin falou de "impressões digitais" e "pistas" deixadas por tentativas de ataques cibernéticos, que eram "tratados". Logo depois, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou que uma unidade especial deveria ser estabelecida, a fim de defender os interesses de Israel contra os ataques terroristas a partir da internet.

Algumas semanas atrás, funcionários da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informaram que seus telefones celulares e laptops tinha sido cortado durante uma inspeção no Irã. No final de maio, foi relatado que "um grave e significativo ataque" na rede de sistemas de informação da Lockheed Martin Corporation nos EUA tinha sido frustrada. Lockheed é a maior indústria de aviões em todo o mundo: o número um entre os parceiros do ministério americano da Defesa, produtor do F-16, F-22 e aviões de caça F-35, bem como navios de batalha e sistemas de armas entre outros. Nem uma palavra foi dita sobre o local de onde o ataque cibernético tinha vindo e que informação havia sido afetada.

Depois disso, foi revelado que ocorreram uma série de ataques contra os sistemas de parceiros de defesa, as organizações de segurança, e laboratórios que pertencem ao governo americano desde o início do ano. Citigroup Inc., a Sony e a Google registraram ataques. Uma das vítimas conhecidas recentemente pelos ataques cibernéticos é o Fundo Monetário Internacional, em que 187 nações se unem. O hack, atrás da qual está canal de notícias Bloomberg News dos EUA, tiveram como suspeitos um "governo estrangeiro", o que resultou na perda de uma "grande quantidade" de dados, incluindo documentos e E-mails.

Em Singapura no início de junho de 2011, O ministro da Defesa dos EUA, Robert Gates, deu a entender que no futuro, ataques cibernéticos poderiam ser considerados como declarações de guerra. Logo depois que o Diretor da Agência Central de Inteligência da CIA, Leon Panetta, explicou ao Congresso dos EUA que ele vê a "possibilidade real" de um ataque cibernético arrasador. "O Pearl Harbor nós enfrentamos", afirmou o chefe da CIA, referindo-se a razão para a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial em dezembro de 1941", poderia muito bem ser um ataque cibernético que mutila os nossos sistemas de energia, a nossa rede, nossos sistemas de segurança , nossos sistemas financeiros, os nossos sistemas governamentais. O Chefe sraelense da Inteligência Militar Chefe, Yadlin expressou seu entusiasmo surpreendente com essa perspectiva.
"O Ciberespaço concede aos países pequenos e indivíduos um poder que foi até agora a prerrogativa dos grandes países. Pode-se convocar uma greve dentro de uma fração de segundo, sem arriscar a vida de nenhum militar. Tudo é feito localmente, sem a necessidade de ajuda externa, em uma área com que jovens israelenses estão muito familiarizados."

A Inteligência militar israelense tem uma unidade misteriosa chamada "Unidade 8200". É amplamente suspeita de ser a responsável pelo ataque bem sucedido contra os sistemas de computadores do programa nuclear iraniano. Há especulações de retrospectiva a respeito de se os israelenses foram responsáveis ​​pelo colapso do sistema de computador inteiro pertencentes à Síria de Defesa aérea, quando em 6 de setembro de 2007, os caças israelenses foram, presumivelmente, os responsáveis ​​pela explosão de um projeto nuclear no deserto do norte da Síria.

"O Estado de Israel se tornou um líder mundial em guerra cibernética", declarou o general Amos Yadlin. Além de Israel, os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França e China são nomeados como os países que estão utilizando sua tecnologia de defesa cibernética em grande escala.

© Johannes Gerloff, Christian Media Association KEP na Alemanha
tradução Miguel Nicolaevsky.

Robespierre Cardoso da Cunha

Robespierre Cardoso da Cunha

Shalom.

Grande paz, bondade, bênção, graça, gentileza e compaixão sobre nós. Abençoa-nos, nosso Pai, todos nós como um só, com a luz do Teu rosto, pois com a luz do teu rosto nos deste, Adonai, nosso Elohim, a Torá da vida e amor de bondade, justiça, bênção, compaixão, vida e paz. E isto pode ser bom diante de Teus olhos para abençoar Teu povo a cada momento e a cada hora com a Tua paz. Bendito és Tu, Elohim, que abençoa todo o teu povo com paz.

Website: centrodeestudosprofeticos.com.br/

Deixe um comentário

CEP - Centro de Estudos Proféticos
contato: Robespierre@centrodeestudosprofeticos.com.br - Telefone: (71) 3492-5517