28 Jun

Afastou-se das raízes

Qualifique este item
(4 votos)
Édito de Constantino (321) - foi uma lei do imperador romano Constantino I, proclamada em 7 de março de 321. O seu texto reza:
"Que todos os juízes, e todos os habitantes da Cidade, e todos os mercadores e artífices descansem no venerável dia do Sol(domingo). Não obstante, atendam os lavradores com plena liberdade ao cultivo dos campos; visto acontecer amiúde que nenhum outro dia é tão adequado à semeadura do grão ou ao plantio da vinha; daí o não se dever deixar passar o tempo favorável concedido pelo céu." (in: Codex Justinianus, lib. 13, it. 12, par. 2.)
Concílio de Nicéia (325)  - Flavius Valerius Constantinus, conhecido como Constantino I, Constantino Magno ou Constantino, o Grande 272 - 337
Convocou o concílio de Niceia; duas questões principais foram discutidas no concílio de Nicéia a questão da Heresia Ariana que negava a divindade de Jesus afirmando ser Ele a mais perfeita das criaturas, e também a data específica em que os Cristãos celebrariam a páscoa (nome que substituiu o termo verdadeiro Pessach) pois até então não havia um consenso sobre isso.
Os Messiânicos do século II não concordava sobre a data de celebração da Páscoa da ressurreição. As Kerrilá da Ásia Menor, entre elas a importante Karral de Éfeso, celebravam-na, juntamente com os Judeus, no 14º dia da primeira lua da primavera (o 14º Nisan, segundo o calendário judaico), sem levar em consideração o dia da semana. Já as Igrejas de Roma e de Alexandria, juntamente com muitas outras Igrejas tanto ocidentais quanto orientais, celebravam-na no domingo subseqüente ao 14º Nisan. Com vistas à fixação de uma data comum, em 154/155, o bispo Policarpo de Esmirna, entrou em contato com o papa Aniceto, mas nenhuma unificação foi conseguida e o assunto permaneceu em aberto.
Foi no concílio de Niceia que se decidiu então resolver a questão estabelecendo que a Páscoa dos Cristãos seria sempre celebrada no domingo seguinte ao plenilúnio da primavera e não mais junto com os Judeus com era de constume até mesmo de Yeshua.
Biografia do homem que julgava ter autoridade para mudar as leis de Elohim:
Um ano depois do Concílio de Niceia (325), Constantino mandou matar seu próprio filho Crispus. Sufocaria depois sua mulher Fausta num banho sobreaquecido. Mandou também estrangular o marido de sua irmã, e chicotear até à morte o filho de sua irmã.
Concílio de Antioquia (341 D.C.) -  proibiu aos Cristãos a celebração da Páscoa com os Judeus.
Concílio de Laodicéia (367) - Flavius Claudius Constantinus, conhecido como Constantino II filho de Constantino I, (317 - 340)
Convocou o Concílio de Laodicéia que proibiu os Cristãos de observar o Shabbat e de receber prendas de Judeus ou mesmo de comer pão ázimo nos festejos judaicos, sob pena de serem considerados cúmplices da morte de Jesus.
Vale ressaltar aqui, que estes cristãos foram o resultado da união de crentes em Yeshua, na maioria gentios, com o império romano liderado por Constantino, criando-se assim o chamado cristianismo. Ele introduziu o ídolo Esus ou Iesus que é o mesmo Jesus, e enganou estes crentes que antes eram messiânicos, sob a suposta mentira de que Esus era a transliteração de Yeshua, assim fizeram um sincretismo religioso, ou seja, atribuindo os feitos verdadeiro do salvador Yeshua, para o ídolo Jesus e os cristãos achavam que estavam adorando o salvador do mundo, quando na verdade estavam adorando um deus solar, o qual Constantino adorava. Então de maneira sutil e maligna, Constantino foi rompendo com o judaísmo que é a religião verdadeira, proibindo estes “cristãos” de guardarem os mandamentos do Eterno Elohim.

Robespierre Cardoso da Cunha

Robespierre Cardoso da Cunha

Shalom.

Grande paz, bondade, bênção, graça, gentileza e compaixão sobre nós. Abençoa-nos, nosso Pai, todos nós como um só, com a luz do Teu rosto, pois com a luz do teu rosto nos deste, Adonai, nosso Elohim, a Torá da vida e amor de bondade, justiça, bênção, compaixão, vida e paz. E isto pode ser bom diante de Teus olhos para abençoar Teu povo a cada momento e a cada hora com a Tua paz. Bendito és Tu, Elohim, que abençoa todo o teu povo com paz.

Website: centrodeestudosprofeticos.com.br/

Últimas de Robespierre Cardoso da Cunha

voltar ao topo