28 Jun

Gentios maioria

Qualifique este item
(3 votos)
Para os messiânicos o período que se abre em 70d.M. e que segue até aproximadamente 135d.M. caracteriza-se como o inicio da organização da hierarquia e da liturgia. No Oriente, estabelece-se o episcopado monárquico: a comunidade é chefiada por um bispo, rodeado pelo seu presbitério e assistido por diáconos.
Por esta época, a Karral tinha efetivamente se separado do convívio com os Judeus não crentes, porém seguiam celebrando as festas bíblicas, observando o shabat e fazendo as orações em hebraico.
Com o crescimento da Karral, em sua maioria de gentios, veio também a sua degradação pouco a pouco, já profetizado pelo apóstolo Shaul(Paulo) ler as cartas de Timoteo.O poder e a autoridade espiritual ( halachala) pouco a pouco foram se transferindo dos líderes Judeu Natziri para centros de liderança cristã de gentios, como Alexandria, Roma e Antioquia. É importante entender esta mudança, porque ela provocou os primeiros Patriarcas da Igreja a fazerem declarações anti-semita.
Com a expansão da Igreja dentro do Império Romano e com o crescimento das congregações de não-Judeus, o pensamento grego e romano começou a se infiltrar dentro da Karral e mudar completamente a orientação da interpretação bíblica através de uma mentalidade grega e não judia ou hebraica. Isto depois resultaria em muitas heresias, algumas das quais ainda existentes nos nossos dias.
Apesar de separado dos Judeus, suas práticas são genuinamente judaicas:
De "A Apologia" de Aristides (séc. 2º)
Os Gentios observam as leis de Elohim - "Os Gentios trazem gravadas em seu coração as leis de Elohim e observam-nas na esperança do século futuro. Por isso não cometem adultério, nem fornicação; não dão falso testemunho; não se apossam dos depósitos que receberam; não desejam aquilo que não lhes diz respeito; honram o pai e a mãe, fazem o bem ao próximo; e, quando são juizes, julgam com justiça. Não adoram ídolos de forma humana; tudo aquilo que não querem que os outros lhes façam, eles não o fazem a ninguém. Não comem carnes oferecidas aos ídolos, porque são contaminadas. Suas filhas são puras e virgens e fogem da prostituição; o homem abstém-se de qualquer união ilegítima e de toda impureza; suas mulheres igualmente são castas, na esperança da grande recompensa no outro mundo..."
Vivem na justiça e na santidade - "Observam exatamente os mandamentos de Elohim, vivendo santa e justamente, assim como o Senhor Elohim prescreveu-lhes; dão-lhe graças todas as manhãs e todas as noites pelo alimento ou bebida e por todos os outros bens...”
Dos "Livros a Autolico" de São Teófilo de Antioquia (Séc. 2º)
A vida dos crentes gentioss demonstra a grandeza e a beleza de sua religião (livro III, 15)
"Encontra-se nos Gentios crentes um sábio domínio de si, exerce-se a continência, observa-se o matrimônio único, a castidade é conservada, a injustiça é excluída, o pecado extirpado em sua raiz, pratica-se a justiça, a lei é observada, a piedade é apreciada com fatos. Elohim é reconhecido, a verdade, considerada norma suprema.”
Porém, quando houve perseguição aos crentes em Yeshua tanto dos crentes judeus como destes gentios, houve uma mudança de tática por parte do império romano. Após o período negro de Diocleciano com suas perseguições terríveis, veio o período de Constantino, que deu apoio a estes crentes gentios que estavam cansados de tanta perseguição.Constantino de maneira sutil e maligna e os gentios crentes em Yeshua deram as mãos surgindo assim uma nova religião chamada de cristianismo. Está foi a maior degradação, pois assim Constantino introduziu o ídolo Esus, que mais tarde foi traduzido pela vulgata lantina de Jerônimo para Jesus. Estes crentes gentios passaram a ser chamados de cristãos e passaram a adorar Esus cristvs que era o ídolo solar Mitra adorado por Constantino, porém estes gentios pensavam que estavam adorando Yeshua.Como isto é lamentável!.
SÉCULO I
Socrates Scholasticus, Eccl. History (sec 1º.) “Quase todas as Igrejas no mundo celebram os sagrados mistérios [da Ceia do Senhor] no sábado de cada semana.”
Eusebius’s Ecclesiastical History (sec 2º.) “Então a semente espiritual de Abraão [os crentes em Yeshua] fugiram para Pela, do outro lado do rio Jordão, onde encontraram um lugar de refúgio seguro, e assim puderam servir a seu Mestre e guardar o Seu sábado.”
Filo, filósofo e historiador, afirma que o sábado correspondia ao sétimo dia da semana.

SÉCULO II
D. T. H. Morer (Church of England), Dialogues on the Lord’s Day, Londres, 1701 (sec 3º.) -  “Os crentes primitivos tinham grande veneração pelo sábado, e dedicavam o dia para devoção e sermões. ... Eles receberam essa prática dos apóstolos, conforme vários escritos para esse fim.”

SÉCULO I, II, III, IV
John Ley, Sunday A Sabbath, Londres, 1640 - “Desde o tempo dos apóstolos até o Concílio de Laodicéia [364 d.C.), a sagrada observância do sábado dos Judeus persistiu, como pode ser comprovado por muitos autores, não obstante o voto contrário do concílio.”
Robespierre Cardoso da Cunha

Robespierre Cardoso da Cunha

Shalom.

Grande paz, bondade, bênção, graça, gentileza e compaixão sobre nós. Abençoa-nos, nosso Pai, todos nós como um só, com a luz do Teu rosto, pois com a luz do teu rosto nos deste, Adonai, nosso Elohim, a Torá da vida e amor de bondade, justiça, bênção, compaixão, vida e paz. E isto pode ser bom diante de Teus olhos para abençoar Teu povo a cada momento e a cada hora com a Tua paz. Bendito és Tu, Elohim, que abençoa todo o teu povo com paz.

Website: centrodeestudosprofeticos.com.br/

Últimas de Robespierre Cardoso da Cunha

voltar ao topo