Aproveite esta promoção, nova Torah 2014.

Imuno-hai

Home / Acervo / Nossos estudos / Como tudo começoU
A+ R A-
28 Jun

Como tudo começoU

Qualifique este item
(8 votos)
Primeiramente vale ressaltar qual era a religião predominante em Jerusalém e quais eram as denominações existentes na época dos primeiros crentes. Sabemos que a Karral de Yeshua teve seu inicio em Israel e a religião predominante era obviamente o judaísmo, porém dividido em 3 seitas: (vamos aproveitar a oportunidade para esclarecer o significado da palavra seita. Dicionário Priberam: Seita significa facção ou partido / conjunto de pessoas que se reúnem em torno de uma fé que é comum a todos) consequentemente seria o mesmo que dizer que o judaísmo era dividido em 3 facções ou partidos:  Fariseus, Saduceus e Essênios.

FARISEUS – (hebraico: perushim)

Muitos dentre os "perushim" tinham a profissão de “sofer” (escriba), ou seja, a pessoa responsável pela transmissão escrita dos manuscritos e da interpretação dos mesmos. Duas escolas de interpretação religiosa se desenvolveram no seio dos perushim e se tornaram famosas: a escola de Hillel e a escola de Shammai. A escola de Hillel era considerada mais "liberal" na sua interpretação da Lei, enquanto a de Shamai era mais estrita.

Aceitavam a Torah escrita e as tradições da Torah oral, na unicidade do Criador, criam na ressurreição dos mortos, em anjos e demônios, no julgamento futuro e na vinda do rei Messias. Eram os principais mestres nas sinagogas, o que os favoreceu como elemento de influência dentro do judaísmo após a destruição do Templo. São precursores por suas filosofias e idéias do judaísmo rabínico que é o atual judaísmo.

SADUCEUS – (hebraico: bnê Sadôq)

Saduceus (hebraico: bnê Sadôq, sadoquitas) é a designação da segunda escola filosófica dos Judeus, ao lado dos fariseus.

Diferiam dos fariseus por não aceitarem a tradição oral e por não crerem na ressurreição, tendo até tentado enlaçar Yeshua com uma pergunta ardilosa sobre esse conceito.

ESSÊNIOS – (hebraico: Issi'im)

Os Essênios (Issi'im), constituíam um grupo ou seita judaica ascética que teve existência desde mais ou menos o ano 150 a.M. até o ano 70 d.M. Estavam relacionados com outros grupos religioso-políticos, como os saduceus.

História: O nome essênio provém do termo sírio asaya, e do aramaico essaya ou essenoí, todos com o significado de médico, passa pororum do grego (grego therapeutés), e, finalmente, por esseni do latim. Também se aceita a forma esseniano.

Durante o domínio da Dinastia Hasmonéa, os essênios foram perseguidos, retiraram-se por isso para o deserto, vivendo em comunidades e em estrito cumprimento da lei mosaica, bem como da dos Profetas. Na Bíblia não há menção sobre eles. Sabemos a seu respeito por Flávio Josefo (historiador oficial Judeu) e por Fílon de Alexandria (filósofo Judeu).

Após a ressurreição de Yeshua nasce uma quarta facção no judaísmo chamada Nazarenos, ( Natziri) assim eram chamados os primeiros crentes em Yeshua.

Segundo a Bíblia, o epíteto descritivo "Nazareno" foi aplicado a Yeshua e, mais tarde, também aos seus seguidores. Essa conclusão pode ser confirmada ao se verificar a acusação que o sumo-sacerdote Judeu Ananias, junto com alguns anciãos e um advogado e orador público de nome Tértulo, levantaram contra o apóstolo Paulo, perante o governador romano Félix, em Cesaréia:

Atos 24:5

“Temos achado que este homem é uma peste, e promotor de sedições entre todos os Judeus, por todo o mundo; e o principal defensor da seita dos nazarenos”.

Os nazarenos eram crentes em Yeshua, tanto Judeus como gentios, que praticavam o judaísmo.

Somente no ano 60DM os discípulos são identificados pela primeira vez como Messiânicos (Yehudi’ Maschuohth), mas pelos gregos moradores de Antioquia, os seguidores do Messias são chamados de maneira pejorativa de cristãos já que este título se refere aos adoradores do “deus sol”  (At.11.26): “E sucedeu que durante todo um ano se reuniram naquela karral, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados messiânicos”. Esta é a versão original no aramaico, na versão de João F. de Almeida, este versículo está infelizmente adulterado.

O termo cristianismo, cujo sufixo “iani” em latim denotava um partido político tal qual havia na época os “cesariani” etc., mas não tinha uma conotação religiosa, que só veio a existir por Ignacius de Antioquia. Assim, veio como pejorativo de fora para dentro sem sentido religioso por parte dos romanos e habitantes locais, já que a cidade era província do Império. Conforme David Stern (1988. p. 28), “o uso do termo ‘Cristão’ estava reservado aos crentes gentios [...]”. Mesmo assim, vistos como um grupo “político”, não “religioso”. Nessa época o “Cristianismo” nem sonhava em existir (nem sequer Yeshua ouviu as palavras “Cristianismo” e “Cristão”), o qual só passou a existir a partir do século II d.M., fundado pelos “pais Cristãos” e destaco aqui “Ignacius de Antioquia” que INVENTOU a palavra “KRISTIANISMOS” para fazer oposição ao Judaísmo e identificar os adoradores do sol (ler sua “Carta aos magnesianos cap. 10”).

No primeiro século d.M. a Karral estava bem ligada com suas raízes judaicas, e Yeshua não tinha nenhuma outra intenção, Afinal, Yeshua é Judeu e a base de Seus ensinamentos é consistente com as Escrituras Hebraicas. Em Mateus 5:17, 18 ele diz:
"Não penseis que vim revogar a torah (lei) ou os profetas: não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da torah (lei), até que tudo se cumpra".

Yeshua diz que nenhum I ou til passará da lei, Yeshua está dizendo que nenhuma modificação por menor que seja, será feita à lei. Para entender isso precisamos recorrer ao alfabeto Hebraico, vejamos:

A letra I ou Iota da qual a tradução nos fala é esta: o yud, a menor letra do alfabeto e para entendermos o til precisamos pegar duas letras: o chaf e o vet  duas letras bem parecidas, o que difere uma da outra é que o traço debaixo da letra “vet” passa mais para a direita, esse pequeno pedaço que sobra para fora desta letra chama-se til tão pequeno que se não prestarmos muita atenção nem percebemos que ele está ali, porém ele muda completamente o som da letra e o sentido da palavra onde ela esta localizada, por isso Yeshua usa esse exemplo para demonstrar que nenhuma modificação, por menor que seja, não será feita na lei até que tudo se cumpra e Yeshua completa no versículo 19: “Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.”

Shaul ( Paulo) ensinava a Torah e em Timóteo 3:16 e 17 ele explica a cerca desta escritura: “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Elohim  seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra.” Obviamente Paulo se refere ao TANACH(1ª aliança) uma vez que a B’RIT HADASHA (2ª aliança) ainda não estava escrito e ele diz que ela é proveitosa para ensinar, repreender, corrigir, instruir. Portanto a base de ensinamento de Yeshua e dos seus apóstolos era firmado nas escrituras que hoje chamamos de TANACH.



OBS.  No original hebraico e aramaico, as escrituras sagradas não contém os termos velho testamento e novo testamento. Estes termos foram criados pelo imperador romano Adrianus,  no ano de 130 dM,como uma forma pejorativa e tendenciosa, afim de desprezarmos a 1ª aliança, “ já que estamos no novo testamento dizia ele, não precisamos mais observar a lei pois agora estamos na graça”  como se graça fosse sinônimo de desobediência aos mandamento sagrados do ETERNO. O mais interessante de tudo isto é que os pastores e líderes “jesuítas” dizem que não devemos mais observar a lei pois isto é coisa do velho testamento como eles chamam, mas não querem abrir mão do Dízimo que é uma lei estabelecida na 1ª aliança, muito conviniente não acham?

Que o ETERNO que é nosso supremo e soberano Elohim, te abençoe em nome de Yeshua há mashiach, amém.



Nota:  TANACH -  Esta palavra é um acrônimo das 3 divisões da bíblia da 1ª aliança. TA- Torah / NA- Navi’im / CH- Chetuvim ou Ketuvim.

Torah- São instruções do ETERNO que contém seus Mandamentos,Estatutos e Juízos.

Navi’im- São os livros dos profetas que O ETERNO separou para transmitirem suas palavras, professias e recados.

Chetuvim ou Ketuvim- São os escritos como salmos, provérbios e os livros históricos como Esdras, etc.

Por isso queridos, tanto as instruções do TANACH(1ª Aliança) como as instruções da  B’RIT HADASHA(2ª Aliança) fazem parte de uma única Bíblia, ou Escrituras sagradas, e são de mesmo valor, ou seja , uma nunca e jamais anula a outra e isto é um axioma-( verdade absoluta)



Robespierre Cardoso da Cunha

Robespierre Cardoso da Cunha

Shalom.

Grande paz, bondade, bênção, graça, gentileza e compaixão sobre nós. Abençoa-nos, nosso Pai, todos nós como um só, com a luz do Teu rosto, pois com a luz do teu rosto nos deste, Adonai, nosso Elohim, a Torá da vida e amor de bondade, justiça, bênção, compaixão, vida e paz. E isto pode ser bom diante de Teus olhos para abençoar Teu povo a cada momento e a cada hora com a Tua paz. Bendito és Tu, Elohim, que abençoa todo o teu povo com paz.

Website: centrodeestudosprofeticos.com.br/

3 comentários

  • Gilmar Alves da Rocha

    shalom. amado Robes.

    que o Rashem , continue lhe dando sabedoria e coragem para lutar.......

    Gilmar Alves da Rocha Qua, 14 de Março de 2012 22:25 Link o comentário
  • Moise Gheorghe

    = 1 CORINTENI 14/21; _ 1 TIMOTEI 6/5; _ 2 TIMOTEI 3/1,7,9; _ 2 PETRU 2/1-3,12; _ 1 TIMOTEI 4/7; _ ROMANIA 16/18.
    = APOCALIPSA 3/19.
    = Cu stima. -Mesia _ IOAN 4/[25],26; _ ROMANIA 5/14; 10/14,17.

    Moise Gheorghe Ter, 19 de Julho de 2011 17:50 Link o comentário
  • Deonizio G Leao

    Lindo , maravilhosa sua pregaçao , estudos e palestras,
    Graças ao ETERNO hoje posso estudar TORAH atraves de meu Amado irmao Robes .
    Até minha forma de agir e pensar estao mudando .

    Que o ETERNO ELOHIM te abençoe Irmao Robes .
    .

    Deonizio G Leao Ter, 05 de Julho de 2011 21:28 Link o comentário

Deixe um comentário

CEP - Centro de Estudos Proféticos
contato: Robespierre@centrodeestudosprofeticos.com.br - Telefone: (71) 3492-5517